Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Terça-feira, 16 de agosto de 2022 - 16h02
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
 
O suicídio antes e depois da internet
O seppuku e o shinjuu, por exemplo, são duas categorias de suicídio que se diferiam apenas pela classe social


Modernidade: homens e mulheres usam a internet para cometer o ato em grupo

 
Fotos: Divulgação / Arquivo NB

O suicídio praticado nos dias de hoje no Japão e o seu elevado número de casos, em um patamar muito maior do que as estatísticas no restante do mundo, possuem inúmeras teorias e fatos. Em 1998, iniciou-se a chamada “terceira onda de suicídios”, com cerca de 30 mil casos por ano. Seguindo as estatísticas, pesquisadores observam que o número de homens que se suicidam é muito maior do que o de mulheres, devido a sua condição dentro de uma sociedade paternalista. O efeito econômico e a perda do emprego vitalício, além da idade avançada, podem ser apontados como as motivações predominantes nos homens. Muitos desistem de viver para conseguir o prêmio do seguro de vida, por exemplo, aguardando apenas o período de carência do plano para cometer o ato. Já as mulheres, por terem um papel de maior responsabilidade dentro de casa, cuidando dos filhos, não cometem tanto o suicídio, mas, conforme a idade aumenta, o número entre as mulheres também sofre uma variação progressiva.

Eras passadas

Existem estudos sobre o suicídio no Japão que remontam a eras passadas como o seppuku e o shinjuu – duas categorias de suicídio que se diferiam apenas pela classe social ou, em tempos mais recentes, os kamikaze, que se sacrificaram pelo país na Segunda Guerra Mundial, e as crianças que sofrem o ijime, maus-tratos dentro da escola que, em muitos casos, culminam no suicídio infantil. O seppuku era uma forma de suicídio realizado por guerreiros com o intuito de evitar a execução por inimigos, ou para redimir-se por atos considerados desonrosos, e o ato possuía todo um ritual. Já o shinjuu era praticado por pessoas de classes inferiores e com um grau de proximidade ou parentesco, sendo amantes, mães e filhos ou toda a família. Além disso, o shinjuu só passou a ser considerado ato criminoso a partir da década de 1990. Antes disso, inúmeros casos eram relatados pelos meios de comunicação com a ausência de punições para as pessoas que tiveram a idéia do suicídio. Países estrangeiros têm apontado o “risco da propagação da prática de suicídio coletivo” e pressionado o Japão a adotar uma política preventiva contra isso.

Acordo pela internet?

Nos dias de hoje, a forma mais comum de suicídio é com a utilização da internet, o que se tornou problema no Japão nos últimos anos. Homens e mulheres entre 20 a 40 anos e que se conheceram através de anúncios pela internet cujo tema é o suicício (apresentam os diversos métodos de suicídio e outras informações), marcam a data e o local para, juntos, cometerem o ato em grupo, utilizando, por exemplo, monóxido de carbono em um quarto ou um automóvel hermeticamente fechado.

Medidas preventivas

Na Europa, foi definida uma linha de ação para a mídia, tal como não publicar detalhes sobre as circunstâncias do suicídio em primeira página; evitar expressões afirmativas quanto ao assunto, etc., com o objetivo de evitar a indução ao suicídio.

No entanto, a internet eliminou as restrições quanto às informações, servindo como uma válvula de escape para muitos; motivo pelo qual vários países temem que o suicídio praticado no Japão se propague também ao exterior, via computador. Considerava-se que, mesmo se tratando de sites que estimulam o suicídio, era difícil a aplicação de restrições, devido ao ponto de vista de proteção à liberdade de expressão e proteção às informações pessoais.

Entretanto, o Japão, em uma ação conjunta entre empresas de comunicação, provedores, Ministério dos Negócios Internos e Comunicação e a polícia, adotou medidas preventivas que consistem no fornecimento de informações à polícia, por parte das fontes, acerca de mensagens de suicídio pela internet que apresentem risco iminente. O parâmetro para considerar que os sites sejam de alto risco ou não, seria o seu conteúdo, como por exemplo, datas marcadas e métodos para a prática do ato. No entanto, ainda são necessárias outras medidas para salvar aqueles suicidas que não tomam a iniciativa de escrever anonimamente em sites, mas acompanham o ato.


Arquivo NippoBrasil - Edição 329 - 5 a 11 de outubro de 2005
Busca
Cultura Tradicional
Arquivo Nippo - Edição 329
O suicídio antes e depois da internet
Arquivo Nippo - Edição 327
A história do ensino da língua japonesa no exterior
Arquivo Nippo - Edição 325
Cerimônias de casamento ontem e hoje
Arquivo Nippo - Edição 323
Pet shops
Arquivo Nippo - Edição 321
O monumento da “criança e a bomba atômica”
Arquivo Nippo - Edição 319
Bon-odori
Arquivo Nippo - Edição 317
As características das mulheres por província
Arquivo Nippo - Edição 315
Tanabata Matsuri – O Festival das Estrelas
Arquivo Nippo - Edição 313
Museu em Yokohama apresenta a história dos japoneses no exterior
Arquivo Nippo - Edição 311
Minamoto-no-Yoshitsune
Arquivo Nippo - Edição 309
O taikô japonês
Arquivo Nippo - Edição 307
Festejos e tradições de Tango no Sekku
Arquivo Nippo - Edição 305
A Golden Week e as viagens
Arquivo Nippo - Edição 301
A cerimônia de formatura e o uso do hakama como traje oficial
Arquivo Nippo - Edição 299
Abertura dos portos – um passo em direção à sociedade internacional
Arquivo Nippo - Edição 297
Hinamatsuri
Arquivo Nippo - Edição 295
Setsubun marca mudança de estação
Arquivo Nippo - Edição 293
Kagamibiraki
Arquivo Nippo - Edição 290
Joya-no-kane: O bater dos sinos na passagem do ano
Arquivo Nippo - Edição 287
As sete divindades da felicidade (Shichifukujin)
Arquivo Nippo - Edição 285
Dia do shogui
Arquivo Nippo - Edição 283
Chushingura
Arquivo Nippo - Edição 281
Dia Internacional Contra a Guerra
Arquivo Nippo - Edição 277
A pintura ocidental japonesa
Arquivo Nippo - Edição 275
Casamentos e pérolas
Arquivo Nippo - Edição 273
Dia da Prevenção contra Catástrofes
Arquivo Nippo - Edição 271
História e origem do banho de ofurô
Arquivo Nippo - Edição 269
Idades do azar: descubra quais são e como é possível livrar-se delas
Arquivo Nippo - Edição 267
Okoden e missas em memória de falecidos
Arquivo Nippo - Edição 265
Tanabata e tanzaku
Arquivo Nippo - Edição 263
Tatuagem – Irezumi


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2022 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados