Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Terça-feira, 02 de junho de 2020 - 1h33
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
 
Otoshidama

Presente em dinheiro, oferecido às crianças no Ano Novo, reflete a recuperação econômica do Japão e passa a ¥ 24 mil (cerca de R$ 635)
 
Fotos: Divulgação / Arquivo NB

Outro dia foi feita uma pesquisa pela internet, sobre o otoshidama que as crianças ganharam neste último Ano Novo. Refletindo a recuperação econômica do Japão, a média do valor foi de ¥ 24 mil (cerca de R$ 635), comparado com o ano passado aumentou ¥ 891 (R$ 23,59). O valor máximo que uma criança recebeu foi de ¥ 170 mil (R$ 4.500). Um montante que nem se compara ao valor dos presentes que as crianças brasileiras ganham no Natal. E, sobre o seu modo de gastar, diferindo do ano passado, em que o primeiro lugar foi a resposta “deposito tudo na poupança” (segundo lugar neste ano), refletindo a era de computador, o primeiro lugar deste ano foi “compro software dos games”. O terceiro lugar foi “compro livros”. Naturalmente, entre livros, incluem-se os mangás, mas é reconfortante saber que ainda prevalesce o hábito da leitura entre as crianças.

Oferenda dos deuses


Presentes ou dinheiro podem ser embrulhados com o mizuhiki que é um fino cordão de papel vermelho e branco ou branco e preto

O atual otoshidama refere-se ao presente ou dinheiro que se dá no Ano Novo, mas originariamente referia-se ao mochi (bolinho de arroz) que, após ser ofertado aos deuses, era retirado dos oratórios para presentear as crianças. Ainda, conforme região, presentiava-se com um punhado de arroz. Segundo o etnólogo Kunio Yanagida, o fato de presentear com comestíveis como mochi ofertados a deuses, comprova a crença dos antigos de que compartilhar a comida com deuses emprestar-lhes-ia os poderes divinos. Ainda, segundo o mesmo etnólogo, presenteavam-se com comidas cozidas na mesma panela com intuito de fortalecer o espírito cooperativo.

Este costume de compartilhar o mochi ofertado a deuses no Ano Novo, preparando com ele pratos típicos como ozoni (sopa de mochi) ou oshiruko (feijão doce com mochi) é observado ainda hoje, no primeiro treino do ano de artes tradicionais japonesas, tais como dança japonesa, koto (harpa horizontal japonesa), shamisen (alaúde japonês de três cordas), shakuhachi (pífaro japonês com cinco orifícios), e artes marciais como kendô, judo, kyudô (arco e flecha). Nessa ocasião, não se usavam faca, partindo o mochi com a mão ou com uma espécie de martelo. Nas cidades, na era Edo presenteavam-se também com leques.

Trocas de presentes

Os presentes mais cerimoniosos que acompanham eventos anuais como Ano Novo, chugen (comemoração de origem chinesa, pela passagem da primeira metade do ano,) do dia 15 de julho, higan (ofícios budistas de equinócio da primavera e do outono), obon (culto aos mortos), seibo (comemoração pela passagem profícua da segunda metade do ano), etc. são oferecidos aos pais, sogros, padrinhos, patrão, ou seja, às pessoas que devem ser respeitadas. Normalmente, são oferecidos produtos alimentícios, tais como arroz, mochi, peixe, macarrão, etc. Nessas datas, não só cultuavam as almas dos antepassados, mas também havia o costume de comemorar a saúde e o bem estar dos pais presenteando com peixe.

Para os presentes mais pessoais para comemorar a maioridade, casamento ou ainda para demonstrar préstimos no funeral, doença, incêndio e inundação são apreciados não somente os produtos alimentícios, mas também artigos de uso cotidiano ou mesmo dinheiro embrulhado com mizuhiki (fino cordão feito com papel e cola e tingido de vermelho e branco, ou de branco e preto preso com papel dourado ou prateado). No funeral, por exemplo, atualmente, oferece-se apenas kôden (dinheiro para despesas com incenso), mas antigamente, ofereciam-se também, velas, saquê, nishime (cozido japonês) e arroz com feijão branco.

Shugichô - Caderneta das celebrações

Hoje em dia, vivemos uma época árida em que mal cumprimentamos os nossos vizinhos, mas até antes da Segunda. Guerra, as participações nos principais eventos era algo indispensável para um bom convívio social. Assim, cada família possuía uma shugichô (caderneta de celebrações) onde anotava quando, quem e o que recebeu, ainda o que foi oferecido, para quem e em que ocasião.


Arquivo NippoBrasil - Edição 241 - 21 a 27 de janeiro de 2004
Busca
Cultura Tradicional
Arquivo Nippo - Edição 241
Otoshidama
Arquivo Nippo - Edição 239
Hatsuyume
Arquivo Nippo - Edição 237
Omamori
Arquivo Nippo - Edição 235
Susuharai e Ooharae (Limpeza geral e purificação)
Arquivo Nippo - Edição 233
Provas garantem bom empregos desde o período Edo
Arquivo Nippo - Edição 231
História dos dicionários japonês-português
Arquivo Nippo - Edição 229
Tokonoma
Arquivo Nippo - Edição 227
Cataratas no Japão
Arquivo Nippo - Edição 225
Osekihan nas festividades
Arquivo Nippo - Edição 223
A Festa do Crisântemo
Arquivo Nippo - Edição 221
O Missô na alimentação japonesa
Arquivo Nippo - Edição 219
Miyamoto Musashi
Arquivo Nippo - Edição 217
Yukata
Arquivo Nippo - Edição 215
Gionmatsuri
Arquivo Nippo - Edição 213
Onsen (termas)
Arquivo Nippo - Edição 211
Kyuudoo, a arte do arco e flecha
Arquivo Nippo - Edição 209
Hoogaku: Música tradicional japonesa
Arquivo Nippo - Edição 207
Hinagata
Arquivo Nippo - Edição 205
Karesansui - O Jardim Japonês sem Água
Arquivo Nippo - Edição 203
Rakan, a imagem do Iluminado
Arquivo Nippo - Edição 201
Três grandes personalidades marcantes da era Meiji
Arquivo Nippo - Edição 199
Kiriko (Vidros laminados)
Arquivo Nippo - Edição 197
Sekisho, os Postos de Fiscalização
Arquivo Nippo - Edição 195
Hinamatsuri
Arquivo Nippo - Edição 193
Hanafuda
Arquivo Nippo - Edição 191
Setsubun - Mamemaki
Arquivo Nippo - Edição 189
Gojuu no Too - A torre de cinco andares
Arquivo Nippo - Edição 187
ZEAMI, o criador do Nô
Arquivo Nippo - Edição 185
Feira de Hagoita
Arquivo Nippo - Edição 183
Livros editados pelos cristãos
Arquivo Nippo - Edição 181
Quimono
Arquivo Nippo - Edição 179
Kingyo
Arquivo Nippo - Edição 177
História do Daruma
Arquivo Nippo - Edição 175
Koromogae, trocando de estação e de roupa
Arquivo Nippo - Edição 173
Crisântemo, a flor do Japão
Arquivo Nippo - Edição 171
A história dos estudos japoneses no Brasil
Arquivo Nippo - Edição 169
Higuchi Ichiyo será a primeira figura feminina estampada em cédula japonesa
Arquivo Nippo - Edição 165
O grande Festival de Osorezan


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2020 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados