Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Domingo, 23 de janeiro de 2022 - 18h07
Arquivo Edição 259 - 26 maio a 1 de junho de 2004 - Especial - Portal NippoBrasil
 

Domingos Tsuji – Cigarro e álcool
são os vilões do câncer de laringe

Doença atinge cerca de 15 mil brasileiros por ano, segundo Domingos Tsuji, presidente da Associação Brasileira de Laringologia e Voz (ABLV)


EM BAIXA – “O problema de saúde no Brasil é crônico e ninguém nega isso”, afirma Tsuji

 


• Nome: Domingos Hiroshi Tsuji
• Data de nascimento: 9 de outubro de 1960
• Local: Marialva (PR)

Bate-pronto
• Medicina:
dedicação
• Saúde: atitudes saudáveis individuais
• Voz: comunicação
• Sonho: ser infalível com o paciente

Arquivo Jornal Nippo-Brasil

Conscientizar a população sobre os problemas vocais e preveni-la contra doenças. Esses são dois dos objetivos do otorrinolaringologista Domingos Hiroshi Tsuji, presidente da Associação Brasileira de Laringologia e Voz (ABLV).

O desafio é grande. Estima-se que, só no Brasil, o câncer de laringe – uma das principais doenças do trato respiratório – afeta aproximadamente 15 mil pessoas por ano. Destes, 50% resultam em morte.

Como se não bastasse, o Brasil ainda é o segundo no ranking dos países com maior incidência de câncer de laringe, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Para tentar reverter esse quadro, desde 1999, a ABLV realiza uma campanha para detectar as doenças provocadas pela má utilização da voz. No ano passado, cerca de 45 mil brasileiros foram avaliados, sendo que 25% deles apresentaram problemas de laringe. Há dois anos, uma conquista: a entidade conseguiu instituir, não só no País, mas também internacionalmente, o Dia Mundial da Voz, comemorado em 16 de abril, com o intuito de esclarecer a importância e os principais cuidados para evitar problemas.

“Estamos no sexto ano da campanha. Com certeza, a consciência hoje é maior que em 99, mas não está em índices satisfatórios”, garante Tsuji.

A laringe é um órgão que está em constante movimento e separa a via respiratória da via digestiva. Exatamente por esse motivo, sofre “agressões” das duas vias, o que facilita o surgimento de doenças e inflamações.

Os “profissionais da voz” – como cantores, professores e feirantes – são os mais atingidos pelas doenças que acometem a laringe. De acordo com a ABLV, mais de 70% da população ativa tem na voz seu instrumento de trabalho, mesmo que ela não seja o foco de suas atividades. Os professores são alguns dos mais prejudicados. “Cerca de 70% deles já apresentaram problemas de voz. É um índice bastante alto. Desses, uma pequena porcentagem, cerca de 2%, está afastada do trabalho”, revela o otorrinolaringologista.

Domingos Tsuji tem um currículo de peso. Formou-se em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), em 1985. Fez residência médica em Otorrinolaringologia no Hospital das Clínicas de São Paulo, onde, desde 93, é contratado como médico-assistente. Nos anos de 88 e 89, fez estágio de especialização em Laringologia na Universidade de Keio, em Tóquio, no Japão, como bolsista da Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica).

Entre 91 e 93, trabalhou no Hospital Universitário da USP (HCFMUSP) e no Hospital Nipo-Brasileiro. Em 97, fez doutorado em Otorrinolaringologia e, cinco anos depois, fez Livre Docência, ambas pela USP. Em 96, foi premiado pelo melhor trabalho na área de Laringologia no 33º Congresso Brasileiro de Otorrinolaringologia, além de receber menções honrosas nos anos de 2001 e 2002.

Segundo ele, a paixão pela área surgiu por acaso. “Graças ao estágio que fiz no Japão, pude estudar a aplicação da endoscopia na área da laringologia. A partir daí, vi a necessidade que o Brasil tem de equipamentos e a falta de conhecimento básico. Realmente me apaixonei pela profissão, estudei muito no Japão e fui aceito no Hospital das Clínicas, onde pude aplicar toda a tecnologia e os novos conhecimentos que adquiri por lá”, conta.

No ano passado, Tsuji assumiu a presidência da ABLV, e deverá deixar o cargo em outubro de 2005. “A associação tem o objetivo primordial de congregar os otorrinolaringologistas do Brasil e desenvolver para essa sociedade atividades que sirvam, principalmente, para a formação acadêmica e científica desses profissionais”, explica. Atualmente, a ABLV tem cerca de 3 mil médicos associados.

Em entrevista ao NB, Tsuji revela os fatores que influenciam no aparecimento das doenças da voz e os cuidados que as pessoas devem ter para ter uma saúde vocal melhor.


NB – Quais os motivos que levam o Brasil a apresentar altos índices de câncer de laringe, sendo o 2º no ranking mundial, de acordo com a OMS?
DT –
O índice de morte decorrente do câncer de laringe é muito grande, porque os pacientes que procuram o médico já vêm em estágio avançado da doença. E isso acontece justamente porque eles não têm informação. Para se ter uma idéia, esse mesmo câncer, que no Brasil mata cerca de 50% das pessoas, teria quase 100% de chances de cura se fosse detectado no começo. Entre as doenças da cabeça e do pescoço, essa é a que tem o maior índice de curabilidade.

NB – Qual o perfil das pessoas que contraem a doença?
DT –
Algumas pessoas têm uma predisposição para ter a doença. E os principais vilões para quem tem essa predisposição são o álcool e o fumo. O cigarro tem dezenas, se não centenas, de substâncias que são capazes de estimular a gênese do câncer. Ele aumenta de 10 a 14 vezes a possibiliade de ela ter um câncer. Agora, se acrescentar a isso o álcool, essa possibilidade dobra. Há pessoas que não fumam e desenvolvem a doença. Isso significa que elas também têm uma predisposição a ter. O refluxo do ácido do estômago também contribui. Ele provoca uma irritação química, que gera uma inflação crônica que, por sua vez, significa a reciclagem de células. Quando se formam muitas células novas, as chances de surgir uma célula cancerígena aumenta. Graças a Deus, na área de laringologia e voz, a maioria dos problemas que surgem não são câncer, são doenças inflamatórias que acontecem e que são absolutamente benignas. Muitos dos problemas vocais são decorrentes de um uso inadequado da voz. Se você aprender a usar a voz de forma a ter o desempenho que você quer, mas sem forçar a voz, você terá uma saúde vocal melhor. E para você saber se está ou não usando direito a voz, você precisa ter uma orientação.

NB – E quais os tratamentos indicados para as pessoas que têm câncer de laringe?
DT –
A maioria das condições dos estágios de câncer de laringe, eu diria, quase todos, nem merecem tratamento. Mas podemos dividi-lo em três linhas básicas. Uma é o tratamento cirúrgico. A outra é a radioterapia. Dependendo do estágio em que a doença está, ainda é possível fazer a junção das duas. De uns cinco a dez anos para cá, a quimioterapia também tem sido aplicada com sucesso juntamente com a radioterapia. Mas cada situação é uma situação.

NB – O que as pessoas devem fazer para ter uma saúde vocal melhor?
DT –
Se é um profissional que usa a voz para trablhar, o que chamamos de “voz profissional”, todos, na minha opinião, mereceriam uma avaliação e uma orientação fonoaudiológica. Já uma pessoa comum pode, ela mesma, tomar alguns cuidados, como não fumar, não tomar bebidas alcoólicas em excesso, não comer comidas gordurosas ou ácidas, que prejudicam o estômago, tomar bastante água, pois o líquido lubrifica o organismo, e as cordas vocais, nessas condições, trabalham melhor. Além disso, ter o cuidado com a voz: não gritar, não falar em excesso por um período prolongado, procurar não forçar a voz durante uma crise alérgica ou com resfriado, pois as cordas já estão inflamadas. Tudo o que gera esforço na voz não é bom.

NB – Quais os desafios que o Brasil tem pela frente, no que diz respeito à prevenção das doenças vocais?
DT –
A melhor forma de diminuir um problema populacional é a divulgação. Campanhas como as nossas são muito interessantes, mas, se tivessem o apoio governamental, e não só estadual e municipal, acho que aumentaria muito a conscientização da população. Na verdade, o problema de saúde no Brasil é crônico e ninguém nega isso. É preciso, também, melhorar os postos de atendimento médico. Existem profissionais excelentes no Brasil e ninguém precisa ir pro exterior para ter um atendimento médico adequado. Temos hospitais que são de ponta, são os melhores do mundo. Mas é uma minoria que tem acesso.

 Busca
 Especial
Especial - Nippo-Brasil - 23/12/2019
• Pavetones de pote deixam o Fim de Ano mais bonito e gostoso
Especial - Nippo-Brasil - 02/03/2019
• A partir de 1º de maio de 2019 começa a era REIWA no Japão
Especial - Nippo-Brasil - 14/05/2018
• Escola OEN, fiel à filosofia japonesa desde a sua origem
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 311
• Gairaigo: as palavras estrangeiras na língua japonesa
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 304
• Provérbios do Japão:
sabedoria através dos tempos
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 302
• Hanami, uma bela tradição japonesa
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 301
• Simbologia japonesa: os animais
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 300
• Simbologia japonesa:
as flores e as árvores
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 281
• Você sabe o que significa seu sobrenome?
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 279
• Oriente-se para fazer ginástica!
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 271
• Bonsai, a natureza em miniatura
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 262
• Estilistas nikkeis invadem a moda brasileira
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 260
• Domingos Tsuji – Cigarro e álcool são os vilões do câncer de laringe
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 259
• Mulheres conquistam as artes marciais
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 258
• Onde estão nossos museus da imigração?
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 257
• Kasumi Yamashita: “é importante recordar as histórias dos imigrantes”
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 256
• Mudança especial após os 40 anos
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 255
• A invasão nikkei nas artes
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 254
• O sedentarismo é o inimigo número 1 da saúde pública
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 253
• Desvendando os
seres da mitologia japonesa
Especial - Nippo-Brasil 252
• Depressão: é possível reverter o quadro
Especial - Nippo-Brasil 251
• Marcos Hiroshi Kawahara: O ilustrador das ‘bandejas’ do Mc Donald´s
Especial - Nippo-Brasil 247
• Helena Deyama
Especial - Nippo-Brasil 243
• Sonhar é preciso. Não importa qual seja o sonho...
Especial - Nippo-Brasil 242
• Izumi Yamagata: Uma vida dedicada aos deficientes
Especial - Nippo-Brasil 240
• Samurais modernos
Especial - Nippo-Brasil 236
• Bruxas modernas
Especial - Nippo-Brasil 234
• Orquídeas: Paixão dos japoneses
Especial - Nippo-Brasil 233
• Tomie Ohtake
Especial - Nippo-Brasil 230
• Naomi Munakata: Uma regente em “estado de alfa”
Especial - Nippo-Brasil 229
• Relíquias com histórias pra contar
Especial - Nippo-Brasil 227
• Brinquedos tradicionais japoneses
Especial - Nippo-Brasil 226
• Hashi: o talher oriental
Especial - Nippo-Brasil 225
• Michie Akama
Especial - Nippo-Brasil 223
• Butô
Especial - Nippo-Brasil 222
• As formas e cores de Ruy Ohtake
Especial - Nippo-Brasil 215
• Kataná: a preciosa lâmina samurai
Especial - Nippo-Brasil 213
• Noborigama
Especial - Nippo-Brasil 212
• Terapias Alternativas
Especial - Nippo-Brasil 211
• Sakura
Especial - Nippo-Brasil 208
• Viagem pela fé
Especial - Nippo-Brasil 199
• Longe da poluição e do estresse da cidade grande
Especial - Nippo-Brasil 198
• Idades marcantes da cultura japonesa
Especial - Nippo-Brasil 194
• Por dentro das datas comemorativas no Japão
Especial - Nippo-Brasil 192
• Compradores compulsivos
Especial - Nippo-Brasil 187
• Rituais de Ano Novo Japonês
Especial - Nippo-Brasil 186
• Bonenkai - Fechar o ano com chave de ouro
Especial - Nippo-Brasil 180
• Danças Japonesas
Especial - Nippo-Brasil 177
• Viciados em Jogos
Especial - Nippo-Brasil 171
• Jardim Japonês: Um cantinho para meditar
Especial - Nippo-Brasil 170
• Alimentos: eles curam?
Especial - Nippo-Brasil 169
• Wadaiko: o estilo japonês de tocar taiko
Especial - Nippo-Brasil 168
• Saque: A bebida milenar japonesa
Especial - Nippo-Brasil 167
• Que bicho é seu pai no Horóscopo Oriental?
Especial - Nippo-Brasil 163
• Watsu uma terapia de lavar a alma
Especial - Nippo-Brasil 161
• Kumon, o método japonês de ensino individualizado: lições para a vida toda
Especial - Nippo-Brasil 155
• Banho de Ofurô: cores e sabores de um ritual milenar
Especial - Nippo-Brasil 154
• Agrade à sua mãe
Especial - Nippo-Brasil 150
• Jogos Japoneses: Shogui e Gô
Especial - Nippo-Brasil
• + 10 Provérbios Japoneses
Especial - Nippo-Brasil
• Kaburimono (literalmente, aquilo que se põe na cabeça)
Especial - Nippo-Brasil
• Conheça alguns amuletos e preces orientais
Especial - Nippo-Brasil
• Shichifukujin, as sete divindades
Especial - Nippo-Brasil
• Daruma: sinônimo de sucesso
Especial - Nippo-Brasil
• A história da Hello Kitty
Especial - Nippo-Brasil
• A história e a tradição do Maneki Nekô no Japão


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2022 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados