Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Sábado, 18 de setembro de 2021 - 19h51
Arquivo Edição 256 - 28 de abril a 4 de maio de 2004 - Especial - Portal NippoBrasil
 

Mudança especial após os 40 anos

Mulheres que engravidam após essa idade contam um pouco de suas experiências como mães de primeira, segunda ou terceira viagem...Na foto, Yvone Iso abraça o pequeno Stephanos, que nasceu no dia 26 de abril em São Paulo.

Arquivo Jornal Nippo-Brasil

No dia 9 de maio comemora-se o Dia das Mães, essas mulheres guerreiras que, muitas vezes, trabalham, cuidam da casa e dos filhos, gerados cada vez mais com a idade avançada. Engravidar após os 40 anos é cada vez mais freqüente, seja porque procuraram obter maior amadurecimento na carreira, no casamento ou estabilidade financeira, entre outros motivos. Com a redução das chances da gravidez natural, devido a baixa qualidade dos óvulos, algumas procuram tratamento. Outras continuam bem férteis, e num descuido, engravidam.

Esse é o caso da terapeuta corporal Rosemary Inouye que concebeu Gustavo, aos 41 anos. Pensou que os sintomas da gravidez eram o início da menopausa. A descoberta deixou o marido, Luiz, “grávido” com ela de tanta alegria. Hoje, aos 51, Rose - como é conhecida entre os amigos - conta o apoio dos outros dois filhos: Ricardo, de 29 e Fernanda, 26.

No caso da analista de sistemas, Yvone Yoko Iso, 42, o companheiro Ioannis não tinha pressa de ter um filho, e por isso, acabou adiando a idéia de ser pai. Após quase dez anos juntos, ela deixou claro que a mulher não tem vida reprodutiva para sempre. No final de 2002, o casal decidiu aumentar a família. Yvone relembra que o ginecologista deu três meses para tentar engravidar. Como não aconteceu, resolveu partir para o tratamento na clínica de fertilização Profert - Reprodução Assistida, com o ginecologista Dirceu Pereira. Em um ano e meio, a segunda tentativa de fertilização in vitro ocorreu com sucesso.

Gravidez especial


FELICIDADE - Rose e o filho Gustavo: “levei um susto, mas foi maravilhoso”, diz a mãe

Após fazer um exame para confirmar a menopausa, a terapeuta corporal Rosemary Inouye, 51, descobriu que estava grávida. “Levei o maior susto, mas foi maravilhoso. Meu marido desejava muito ganhar mais um filho”, conta. Rose precisou fazer “mil exames” porque o médico a alertou que nessa idade o bebê poderia nascer com algum problema.

Sortuda, ela diz não ter sentido nenhum sintoma de gravidez. Diferente das duas gestações anteriores, ocorridas há quase 20 anos, ficou bem alegre, com ânimo, livre das dores e com um humor melhor. Com isso, trabalhou sossegada até o nono mês.

Durante a gravidez, Rose estabeleceu uma sintonia forte com o bebê e que dura até hoje. “A chegada de Gustavo, hoje com 10 anos, proporcionou uma vida mais sociável e uniu a família. Ele espiritualizou a vida da gente. Onde vai, harmoniza o ambiente”, diz orgulhosa. Ela revela que ficou preocupada em não poder acompanhá-lo, mas se enganou, pois toda a família a ajuda. E brinca que, se pudesse, teria dez filhos.

Algumas pessoas já a confundiram como avó do garoto. Ela não liga e afirma que muitas vezes é vista pelo filho mais como amiga do que mãe. Por coincidência, seu trabalho atual envolve fazer relaxamento em mulheres grávidas, em uma clínica de fertilização em São Paulo.

Mudança de vida para sempre


ESTRÉIA - Yvone e o marido Ioannis com o pequeno Stephanos: ela quer mais filhos

Em sua primeira gravidez aos 42 anos, a analista de sistemas Yvone Yoko Iso, deu à luz ao bebê Stephanos Iso Theoharidif, no final da tarde do dia 26 de abril. Entrevistada três dias antes da cesariana, Yvone surpreendeu pelo alto astral e tranqüilidade antes do parto. Engordou 12 kg, segundo ela, o ideal, já que a média é de 9 a 12 kg. Mesmo com o cansaço e enjôo (“acho que a gravidez quando nova é mais light”), trabalhou até o final da gestação e comenta satisfeita que não faltou nenhuma vez na empresa.

O parceiro Ioannis, descendente de gregos, definiu os seus sentimentos ao ser pai: felicidade, responsabilidade e compromisso. “Ele ficou assustado no começo, mas agora se acostumou e está mais ansioso que eu. Não tenho medo, penso que esse bebê vai mudar a minha vida para sempre”, dizia. O lado financeiro também pesou. Se pudesse, Yvone gostaria de ter mais filhos. Não se arrepende com a gravidez tardia. Só vê a desvantagem de ter menos tempo para acompanhá-lo.

A mãe, Arminda, 73 anos, adorou a chegada do neto. “Estou muito feliz, o bebê é fortinho. Ela queria tanto, ainda bem que deu certo”, revela a mãe. Stephanos é o terceiro neto - os outros dois já estão na faculdade.

Yvone acredita que o sonho de toda mulher é ter um filho. Com base em sua própria trajetória, aconselha para quem pretende engravidar nessa idade tentar até o fim.

Saúde da mulher


DICA - Anzai diz que fertilidade cai com avanço da idade

Para o ginecologista Roberto Anzai, está cada vez mais freqüente as mulheres acima de 40 anos engravidarem. “Considerando que elas atualmente estão muito mais saudáveis que no século passado, não há grandes diferenças na saúde de uma mulher com 30 ou 40 anos de idade”, afirma. Mesmo assim, Anzai explica que a fertilidade decai com o passar do tempo, podendo dificultar ou atrapalhar os planos de quem decidiu engravidar tardiamente. Revela os números da taxa de infertilidade: aos 20, a taxa está por volta de 6% a 8%; aos 30, 10% a 15%; 35, 15% a 20% e mais de 25%, aos 40.

Com esses dados, o ginecologista afirma que as mais jovens dificilmente estão preocupadas em uma eventual dificuldade de engravidar. As incertezas, porém, surgem a partir dos 35 anos. Anzai diz que, embora alguns riscos adicionais possam estar presentes, como maior incidências de diabetes, hipertensão arterial e partos prematuros, os principais riscos para uma gravidez madura se referem muito mais ao bebê. Aumentam as incidências de abortos, principalmente no primeiro trimestre, e na gravidez que prosseguir, além da presença de doenças cromossômicas, como a Síndrome de Down.

 
 Busca
 Especial
Especial - Nippo-Brasil - 23/12/2019
• Pavetones de pote deixam o Fim de Ano mais bonito e gostoso
Especial - Nippo-Brasil - 02/03/2019
• A partir de 1º de maio de 2019 começa a era REIWA no Japão
Especial - Nippo-Brasil - 14/05/2018
• Escola OEN, fiel à filosofia japonesa desde a sua origem
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 311
• Gairaigo: as palavras estrangeiras na língua japonesa
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 304
• Provérbios do Japão:
sabedoria através dos tempos
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 302
• Hanami, uma bela tradição japonesa
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 301
• Simbologia japonesa: os animais
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 300
• Simbologia japonesa:
as flores e as árvores
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 281
• Você sabe o que significa seu sobrenome?
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 279
• Oriente-se para fazer ginástica!
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 271
• Bonsai, a natureza em miniatura
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 257
• Kasumi Yamashita: “é importante recordar as histórias dos imigrantes”
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 256
• Mudança especial após os 40 anos
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 255
• A invasão nikkei nas artes
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 254
• O sedentarismo é o inimigo número 1 da saúde pública
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 253
• Desvendando os
seres da mitologia japonesa
Especial - Nippo-Brasil 252
• Depressão: é possível reverter o quadro
Especial - Nippo-Brasil 251
• Marcos Hiroshi Kawahara: O ilustrador das ‘bandejas’ do Mc Donald´s
Especial - Nippo-Brasil 247
• Helena Deyama
Especial - Nippo-Brasil 243
• Sonhar é preciso. Não importa qual seja o sonho...
Especial - Nippo-Brasil 242
• Izumi Yamagata: Uma vida dedicada aos deficientes
Especial - Nippo-Brasil 240
• Samurais modernos
Especial - Nippo-Brasil 236
• Bruxas modernas
Especial - Nippo-Brasil 234
• Orquídeas: Paixão dos japoneses
Especial - Nippo-Brasil 233
• Tomie Ohtake
Especial - Nippo-Brasil 230
• Naomi Munakata: Uma regente em “estado de alfa”
Especial - Nippo-Brasil 229
• Relíquias com histórias pra contar
Especial - Nippo-Brasil 227
• Brinquedos tradicionais japoneses
Especial - Nippo-Brasil 226
• Hashi: o talher oriental
Especial - Nippo-Brasil 225
• Michie Akama
Especial - Nippo-Brasil 223
• Butô
Especial - Nippo-Brasil 222
• As formas e cores de Ruy Ohtake
Especial - Nippo-Brasil 215
• Kataná: a preciosa lâmina samurai
Especial - Nippo-Brasil 213
• Noborigama
Especial - Nippo-Brasil 212
• Terapias Alternativas
Especial - Nippo-Brasil 211
• Sakura
Especial - Nippo-Brasil 208
• Viagem pela fé
Especial - Nippo-Brasil 199
• Longe da poluição e do estresse da cidade grande
Especial - Nippo-Brasil 198
• Idades marcantes da cultura japonesa
Especial - Nippo-Brasil 194
• Por dentro das datas comemorativas no Japão
Especial - Nippo-Brasil 192
• Compradores compulsivos
Especial - Nippo-Brasil 187
• Rituais de Ano Novo Japonês
Especial - Nippo-Brasil 186
• Bonenkai - Fechar o ano com chave de ouro
Especial - Nippo-Brasil 180
• Danças Japonesas
Especial - Nippo-Brasil 177
• Viciados em Jogos
Especial - Nippo-Brasil 171
• Jardim Japonês: Um cantinho para meditar
Especial - Nippo-Brasil 170
• Alimentos: eles curam?
Especial - Nippo-Brasil 169
• Wadaiko: o estilo japonês de tocar taiko
Especial - Nippo-Brasil 168
• Saque: A bebida milenar japonesa
Especial - Nippo-Brasil 167
• Que bicho é seu pai no Horóscopo Oriental?
Especial - Nippo-Brasil 163
• Watsu uma terapia de lavar a alma
Especial - Nippo-Brasil 161
• Kumon, o método japonês de ensino individualizado: lições para a vida toda
Especial - Nippo-Brasil 155
• Banho de Ofurô: cores e sabores de um ritual milenar
Especial - Nippo-Brasil 154
• Agrade à sua mãe
Especial - Nippo-Brasil 150
• Jogos Japoneses: Shogui e Gô
Especial - Nippo-Brasil
• + 10 Provérbios Japoneses
Especial - Nippo-Brasil
• Kaburimono (literalmente, aquilo que se põe na cabeça)
Especial - Nippo-Brasil
• Conheça alguns amuletos e preces orientais
Especial - Nippo-Brasil
• Shichifukujin, as sete divindades
Especial - Nippo-Brasil
• Daruma: sinônimo de sucesso
Especial - Nippo-Brasil
• A história da Hello Kitty
Especial - Nippo-Brasil
• A história e a tradição do Maneki Nekô no Japão


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2021 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados