Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Sexta-feira, 18 de setembro de 2020 - 6h37
Arquivo Edição 213 - 2 a 8 de julho de 2003 - Especial - Portal NippoBrasil

Noborigama

O forno para a refinada técnica de queima da cerâmica, que está quase em extinção no Japão, encontrou seu espaço em Cunha, no Estado de São Paulo

A milenar arte da cerâmica em altas temperaturas utilizada pelos japoneses, até hoje mantém as mesmas caracteríscas: é queimada no forno noborigama. Ele é de alvenaria, possui câmaras interligadas em desnível e para atingir a temperatura ideal, acima de 1.300°C, precisa ser alimentado por pelo menos 34 horas ininterruptamente.

Por esse motivo, ou seja, por utilizar muita lenha, devido ao alto custo do material no Japão e também por necessitar de muito espaço para a construção, tornou-se proibitivo e está em vias de extinção. Mas, no Brasil a existência de lenha reflorestada de eucalipto, espaços amplos e a diversidade de barros possibilitou o florescimento da técnica aqui.

Ao contrário da cerâmica queimada em fornos elétricos, que fica uniforme, no noborigama as obras ficam entregues ao capricho do fogo, que interage com o barro, criando nuances, beleza e originalidade.



Kimiko Suenaga imprime à peça traços suaves. A artista que já havia trabalhado com forno a gás no Japão, decidiu mudarse para o Brasil onde poderia ter um noborigama. Ela e o marido Gilberto Jardineiro fazem a abertura do fornada, que é um verdadeiro ritual e dura um dia inteiro, com exposição das cerâmicas desde 88.

IMIGRAÇÃO DOS CERAMISTAS

E, foi em Cunha, na serra da Bocaina, que se instalaram os primeiros artistas que trouxeram a milenar arte japonesa para estas terras. A imigração se deu em dois momentos. Em 1975 quando as dupla japonesa Mieko e Toshiyuki Ukeseki e os portugueses Maria Estrela e Alberto Cidraes, que já haviam trabalhado juntos no Japão, montaram um centro comunitário de produção, o Atelier do Antigo Matadouro.

“Ainda no Japão, haviamos alimentado o projeto de um atelier no Brasil para onde todos estávamos em vias de emigrar. Visitando Cunha, nos pareceu o lugar certo não só pelas razões já apontadas, mas pelo clima ameno e beleza da paisagem”, conta Alberto que após se formar em arquitetura em Portugal ganhou uma bolsa do governo japonês para estudar a habitação no país, mas acabou se encantando mesmo com a cerâmica.

“O Atelier do Matadouro foi um centro de produção conjunta. Fizemos várias queimas e muitos outros artistas participaram, vinham passar finais de semana e trocávamos experiências. Foi um lugar para troca de idéias. Depois cada um seguiu seu caminho, montou seu atelier”, conta Mieko.

Mais tarde chegaram Gilberto Jardineiro e Kimiko Suenaga que casaram no Japão, mas decidiram se estabelecer em Cunha para praticar sua arte. Gilberto descobriu o fascínio da cerâmica no Japão onde morou por cinco anos. Kimiko, que manteve atelier de cerâmica com forno a gás em Tóquio até 1984, queria trabalhar com a cerâmica de alta temperatura.

“Já havia trabalhado com a técnica em ateliês de outras pessoas no Japão. O resultado é completamente diferente do forno à gás, as peças são únicas, tem identidade própria”, compara Kimiko.


Escultura do arquiteto português Alberto Cidraes, que se apaixonou pela cerâmica quando foi estudar no Japão

A QUEIMA

A queima das peças é um verdadeiro ritual. Para encher os fornos, os artistas demoram até quatro meses para preparar as peças (mais ou menos mil e duzentas, dependendo do tamanho) e a queima em si demora cerca de 34 horas. Nesse período o forno tem que ser alimentado com lenha o tempo todo.

A abertura das câmaras do noborigama dura um dia inteiro e é acompanhada por visitantes durante um coquetel.

Enquanto vasos, esculturas e utilitários de cozinha vão sendo retirados o público já vai escolhendo as peças que desejam comprar: “É preciso abrir os fornos com as pessoas, bebida e comida, senão não sai bonito”, confidencia Gilberto.

 Busca
 Especial
Especial - Nippo-Brasil - 23/12/2019
• Pavetones de pote deixam o Fim de Ano mais bonito e gostoso
Especial - Nippo-Brasil - 02/03/2019
• A partir de 1º de maio de 2019 começa a era REIWA no Japão
Especial - Nippo-Brasil - 14/05/2018
• Escola OEN, fiel à filosofia japonesa desde a sua origem
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 311
• Gairaigo: as palavras estrangeiras na língua japonesa
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 304
• Provérbios do Japão:
sabedoria através dos tempos
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 302
• Hanami, uma bela tradição japonesa
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 301
• Simbologia japonesa: os animais
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 300
• Simbologia japonesa:
as flores e as árvores
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 281
• Você sabe o que significa seu sobrenome?
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 279
• Oriente-se para fazer ginástica!
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 271
• Bonsai, a natureza em miniatura
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 253
• Desvendando os
seres da mitologia japonesa
Especial - Nippo-Brasil 234
• Orquídeas: Paixão dos japoneses
Especial - Nippo-Brasil 233
• Tomie Ohtake
Especial - Nippo-Brasil 230
• Naomi Munakata: Uma regente em “estado de alfa”
Especial - Nippo-Brasil 229
• Relíquias com histórias pra contar
Especial - Nippo-Brasil 227
• Brinquedos tradicionais japoneses
Especial - Nippo-Brasil 226
• Hashi: o talher oriental
Especial - Nippo-Brasil 225
• Michie Akama
Especial - Nippo-Brasil 223
• Butô
Especial - Nippo-Brasil 222
• As formas e cores de Ruy Ohtake
Especial - Nippo-Brasil 215
• Kataná: a preciosa lâmina samurai
Especial - Nippo-Brasil 213
• Noborigama
Especial - Nippo-Brasil 212
• Terapias Alternativas
Especial - Nippo-Brasil 211
• Sakura
Especial - Nippo-Brasil 208
• Viagem pela fé
Especial - Nippo-Brasil 199
• Longe da poluição e do estresse da cidade grande
Especial - Nippo-Brasil 198
• Idades marcantes da cultura japonesa
Especial - Nippo-Brasil 194
• Por dentro das datas comemorativas no Japão
Especial - Nippo-Brasil 192
• Compradores compulsivos
Especial - Nippo-Brasil 187
• Rituais de Ano Novo Japonês
Especial - Nippo-Brasil 186
• Bonenkai - Fechar o ano com chave de ouro
Especial - Nippo-Brasil 180
• Danças Japonesas
Especial - Nippo-Brasil 177
• Viciados em Jogos
Especial - Nippo-Brasil 171
• Jardim Japonês: Um cantinho para meditar
Especial - Nippo-Brasil 170
• Alimentos: eles curam?
Especial - Nippo-Brasil 169
• Wadaiko: o estilo japonês de tocar taiko
Especial - Nippo-Brasil 168
• Saque: A bebida milenar japonesa
Especial - Nippo-Brasil 167
• Que bicho é seu pai no Horóscopo Oriental?
Especial - Nippo-Brasil 163
• Watsu uma terapia de lavar a alma
Especial - Nippo-Brasil 161
• Kumon, o método japonês de ensino individualizado: lições para a vida toda
Especial - Nippo-Brasil 155
• Banho de Ofurô: cores e sabores de um ritual milenar
Especial - Nippo-Brasil 154
• Agrade à sua mãe
Especial - Nippo-Brasil 150
• Jogos Japoneses: Shogui e Gô
Especial - Nippo-Brasil
• + 10 Provérbios Japoneses
Especial - Nippo-Brasil
• Kaburimono (literalmente, aquilo que se põe na cabeça)
Especial - Nippo-Brasil
• Conheça alguns amuletos e preces orientais
Especial - Nippo-Brasil
• Shichifukujin, as sete divindades
Especial - Nippo-Brasil
• Daruma: sinônimo de sucesso
Especial - Nippo-Brasil
• A história da Hello Kitty
Especial - Nippo-Brasil
• A história e a tradição do Maneki Nekô no Japão


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2020 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados