Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Domingo, 13 de junho de 2021 - 6h22
Arquivo Edição 252 - 7 a 13 de abril de 2004 - Especial - Portal NippoBrasil

Depressão: é possível reverter o quadro

Nikkeis buscam novas saídas para tratar a doença e com a ajuda de especialistas muitos deles conseguiram superar o problema. De acordo com o psiquiatra Edson Hirata, 90% dos pacientes em tratamento voltam à vida normal


SENSAÇÃO - Desânimo, cansaço, tristeza e irritabilidade são sintomas da depressão

Arquivo NippoBrasil - Fotos: Divulgação

Tristeza, angústia e pessimismo são sentimentos comuns a qualquer ser humano. Mas quando passam dos limites geram doenças. Uma delas é a depressão, muito freqüente na população adulta, atingindo de 5% a 15% das pessoas. O psiquiatra Edson Shiguemi Hirata, diretor clínico do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas, explica que diferente de uma tristeza, na depressão as sensações desagradáveis persistem por mais de duas semanas e são intensas a ponto de prejudicar o relacionamento familiar, interpessoal, social ou o desempenho no trabalho.


CUIDADOS - Edson Hirata: “muitos acham que a depressão é uma fase da vida”

Segundo Hirata, infelizmente, ainda hoje muitas pessoas com depressão acham que é uma fase da vida, decorrente de vários problemas. Ele afirma que 90% dos pacientes em tratamento com medicamentos voltam à sua vida normal. “É importante associar a medicação com a psicoterapia cognitiva comportamental, que ajuda a modificar os pensamentos e lidar com os problemas”. Atividades físicas, de lazer e relaxamento, são outras aliadas para a recuperação.

Vítimas da depressão, a aposentada Hiroko Yokoiama após perder as esperanças, driblou a doença com a ajuda da acupuntura. Já a nikkei M. – preferiu não se identificar –, teve dificuldades em se adaptar aos remédios e encontrou uma forma de cura com as reuniões do Neuróticos Anônimos.

Na visão do psiquiatra José Moromizato, a acupuntura é válida quando a pessoa acredita que possui um sistema energético, pois age nesse sistema para depois equilibrar os órgãos do corpo. Ele também recomenda os grupos de auto-ajuda, pois doentes e família compartilham suas dúvidas e dores. “Em ambos os casos os tratamentos são auxiliares e não devem substituir a orientação médica”, avisa.


Força Feminina


VITÓRIA - Hiroko ficou um mês internada em uma clínica

“A depressão pós-parto apareceu quase 40 dias depois do nascimento de minha filha, aos oito meses. Era minha segunda gravidez e o médico dizia que seria difícil salvar o bebê. Fiquei apavorada e chocada. Ela nasceu prematura, mas com saúde. A preocupação tomava conta de mim noite e dia. Tinha 27 anos e um filho de dois anos. Não conseguia dormir, comer ou sair de casa. Dava tristeza e só chorava. Com um marido desligado, acabava cuidando praticamente de tudo e a maior parte do tempo sozinha. Não tinha amigos. As visitas eram de minha mãe e irmãs. Chegou um época em que não conseguia cuidar direito dos meus filhos. Fiquei um mês internada, porém não me adaptei ao tratamento. Fui para outra clínica. Achei melhor, mas tinha uma insônia muito forte. Naquele momento só pensava se ia ficar louca ou morrer. Até que minha mãe leu em um antigo livro japonês sobre a ajuda da acupuntura. Era a última tentativa. Em dois meses me curei. Fiquei mais alegre, comecei a comer melhor, senti meu rosto diferente. Enfim, consegui dormir e sonhar. Dez anos atrás, meus filhos foram para o Japão. Bateu a solidão e a depressão voltou. Logo corri para a acupuntura. Foram quatro anos de tratamento. Hoje faço dança de salão, rádio taissô, caminho cinco quilômetros. Saio bastante, gosto de me vestir na moda, passear e viajar.”

Hiroko Yokoiama, aposentada

Terapia em grupo


APOIO - M.: terapia em grupo está ajudando

“Quase todo mundo que não aceita a perda e frustração entra em depressão. A minha deu-se por insatisfação, há uns 15 anos. Marido, festas, carros, nada me satisfazia. A primeira sensação que surgiu foi a raiva. Tinha um ‘pavio curto’. Nada estava bom e a depressão se manifestava em forma de dor de estômago. Após cinco endoscopias sem resultado, fui para um psiquiatra. Ele receitou remédios, mas tomava uma semana e não agüentava por causa do estômago. Na época, minha única filha apoiava meu marido, pois achava que o problema era o ciúmes. Separada, hoje ela me apóia. Quando fiquei fraca mesmo, perdi as energias, uma colega me indicou o Neuróticos Anônimos (N/A) há três anos. Não troco o N/A por anda. Muitas vezes, viajava com amigos e voltava pior. Por isso troquei as viagens e badalações pelas festas do N/A. A terapia em grupo é o meu melhor tratamento”.

M., aposentada

 

Fique atento para alguns dos sintomas que sugerem a depressão

• Tristeza e/ou irritabilidade;

• Diminuição de prazer ou interesse nas suas atividades;

• Desânimo, cansaço e perda de energia;

• Insegurança, indecisão, preocupação excessiva e pessimismo;

• Sentimento de incapacidade, inutilidade, culpa e auto reprovação;

• Insônia;

• Perda do apetite;

• Dificuldades de concentração e problemas na memória;

• Ansiedade, inquietação;

• Sensação de falta de esperança e pensamento de morte.

Se observados em uma freqüência mínima de duas semanas, os sintomas indicam um quadro depressivo e a pessoa deve procurar o mais rápido possível um profissional da área de saúde.

 Busca
 Especial
Especial - Nippo-Brasil - 23/12/2019
• Pavetones de pote deixam o Fim de Ano mais bonito e gostoso
Especial - Nippo-Brasil - 02/03/2019
• A partir de 1º de maio de 2019 começa a era REIWA no Japão
Especial - Nippo-Brasil - 14/05/2018
• Escola OEN, fiel à filosofia japonesa desde a sua origem
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 311
• Gairaigo: as palavras estrangeiras na língua japonesa
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 304
• Provérbios do Japão:
sabedoria através dos tempos
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 302
• Hanami, uma bela tradição japonesa
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 301
• Simbologia japonesa: os animais
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 300
• Simbologia japonesa:
as flores e as árvores
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 281
• Você sabe o que significa seu sobrenome?
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 279
• Oriente-se para fazer ginástica!
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 271
• Bonsai, a natureza em miniatura
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 253
• Desvendando os
seres da mitologia japonesa
Especial - Nippo-Brasil 252
• Depressão: é possível reverter o quadro
Especial - Nippo-Brasil 251
• Marcos Hiroshi Kawahara: O ilustrador das ‘bandejas’ do Mc Donald´s
Especial - Nippo-Brasil 247
• Helena Deyama
Especial - Nippo-Brasil 243
• Sonhar é preciso. Não importa qual seja o sonho...
Especial - Nippo-Brasil 242
• Izumi Yamagata: Uma vida dedicada aos deficientes
Especial - Nippo-Brasil 240
• Samurais modernos
Especial - Nippo-Brasil 236
• Bruxas modernas
Especial - Nippo-Brasil 234
• Orquídeas: Paixão dos japoneses
Especial - Nippo-Brasil 233
• Tomie Ohtake
Especial - Nippo-Brasil 230
• Naomi Munakata: Uma regente em “estado de alfa”
Especial - Nippo-Brasil 229
• Relíquias com histórias pra contar
Especial - Nippo-Brasil 227
• Brinquedos tradicionais japoneses
Especial - Nippo-Brasil 226
• Hashi: o talher oriental
Especial - Nippo-Brasil 225
• Michie Akama
Especial - Nippo-Brasil 223
• Butô
Especial - Nippo-Brasil 222
• As formas e cores de Ruy Ohtake
Especial - Nippo-Brasil 215
• Kataná: a preciosa lâmina samurai
Especial - Nippo-Brasil 213
• Noborigama
Especial - Nippo-Brasil 212
• Terapias Alternativas
Especial - Nippo-Brasil 211
• Sakura
Especial - Nippo-Brasil 208
• Viagem pela fé
Especial - Nippo-Brasil 199
• Longe da poluição e do estresse da cidade grande
Especial - Nippo-Brasil 198
• Idades marcantes da cultura japonesa
Especial - Nippo-Brasil 194
• Por dentro das datas comemorativas no Japão
Especial - Nippo-Brasil 192
• Compradores compulsivos
Especial - Nippo-Brasil 187
• Rituais de Ano Novo Japonês
Especial - Nippo-Brasil 186
• Bonenkai - Fechar o ano com chave de ouro
Especial - Nippo-Brasil 180
• Danças Japonesas
Especial - Nippo-Brasil 177
• Viciados em Jogos
Especial - Nippo-Brasil 171
• Jardim Japonês: Um cantinho para meditar
Especial - Nippo-Brasil 170
• Alimentos: eles curam?
Especial - Nippo-Brasil 169
• Wadaiko: o estilo japonês de tocar taiko
Especial - Nippo-Brasil 168
• Saque: A bebida milenar japonesa
Especial - Nippo-Brasil 167
• Que bicho é seu pai no Horóscopo Oriental?
Especial - Nippo-Brasil 163
• Watsu uma terapia de lavar a alma
Especial - Nippo-Brasil 161
• Kumon, o método japonês de ensino individualizado: lições para a vida toda
Especial - Nippo-Brasil 155
• Banho de Ofurô: cores e sabores de um ritual milenar
Especial - Nippo-Brasil 154
• Agrade à sua mãe
Especial - Nippo-Brasil 150
• Jogos Japoneses: Shogui e Gô
Especial - Nippo-Brasil
• + 10 Provérbios Japoneses
Especial - Nippo-Brasil
• Kaburimono (literalmente, aquilo que se põe na cabeça)
Especial - Nippo-Brasil
• Conheça alguns amuletos e preces orientais
Especial - Nippo-Brasil
• Shichifukujin, as sete divindades
Especial - Nippo-Brasil
• Daruma: sinônimo de sucesso
Especial - Nippo-Brasil
• A história da Hello Kitty
Especial - Nippo-Brasil
• A história e a tradição do Maneki Nekô no Japão


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2021 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados