Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Quinta-feira, 03 de dezembro de 2020 - 19h29
Arquivo Edição 226 - 1 a 7 de outubro de 2003 - Especial - Portal NippoBrasil

Hashi: o talher oriental


Os “palitinhos japoneses” têm história, etiqueta, mas sua utilização não tem segredo algum. Confira!

Alguém consegue desassociar o japonês do hashi? Parece estranho, mas os habitantes do arquipélago oriental já usaram as próprias mãos como talher. Isso, há quase um milênio e meio.

Os famosos “palitinhos” vieram com os chineses, e, no começo, foram utilizados somente pela festiva nobreza da Era Heian (794 a 1192), conhecida também como a Era Dourada. Somente por volta do século 18 a população em geral passou a adotá-los. (Nessa mesma época, a maioria dos países europeus ainda desconhecia garfos e facas.)

O hashi não era como o atual. Feito de uma tira de bambu dobrada ao meio, funcionava como uma espécie de pinça. Com o tempo, outros materiais foram incorporados, como osso de animal, madeira, marfim e até ouro.

A abertura dos portos nipônicos ao mundo ocidental, na era Meiji (1868 a 1912), provocou grandes mudanças no japonese way of life. Os feudos foram praticamente extintos, criou-se uma constituição moderna e instituições políticas dinâmicas. Mesmo assim, os talheres europeus continuaram relegados a segundo plano. Na verdade, hoje, é no lado esquerdo do meridiano de Greenwich que as pessoas estão aprendendo a usar os chopsticks. No Brasil, comer sushi e sashimi virou moda, principalmente entre os artistas e a classe média.

“No Japão, os cozinheiros preparam a refeição para ser comida com hashi. Toda a mistura é cortada em pedaços. Se tem uma comida que é difícil de ser cortada, como a carne, os cozinheiros usam uma técnica chamada de corte escondido. Como um grelhado de frango por exemplo. Eles cortam a parte de trás e fica meio que camuflado”, explica a consultora de etiqueta japonesa, Lumi Toyoda.

Leis do hashi

• Não cruzar os hashis

• Jamais espete o hashi na comida. É considerada a pior posição (shindo toki). É costume no Japão espetar o hashi em um pote de arroz e conduzi-lo do velório ao cemitério

• Nunca pegue a comida na posição vertical e sim pelas laterais

• É falta de educação escolher comida com o hashi

• A etiqueta japonesa permite que a pessoa leve o chawan (tijela usada para comer) perto da boca. Mas é deselegante empurrá-la para a boca, principalmente usando o hashi

• Não apontar pessoas e objetos com o hashi


Aprenda a utilizar o hashi corretamente

Manipular o hashi é menos complicado do que se imagina. Para evitar cenas constrangedoras, como deixar espirrar o molho de soja (shoyu) na roupa, basta seguir três passos básicos:

1- Um dos hashis serve como sustentador. Encaixe a base entre os dedos polegar e indicador. O anular servirá para apoiá-lo

2- Com as pontas do polegar, indicador e médio, segure o outro hashi. Ajeite os dois para que as pontas fiquem retas

3- O hashi de sustentação fica imóvel. Para pegar a comida, basta movimentar a ponta do hashi de cima em direção a outra.


Semântica

As versões para a origem do nome hashi são inúmeras.
As mais usuais são:

• Hashi (ponte) - objeto que conduz o alimento à boca

• Hashi (ponte) - a disposição do hashi na mão lembra uma ponte

• Kushibashi (bico) - lembra o movimento do bico de pássaro

• Futasuji (duas linhas) - adaptação da palavra

• Hasami (tesoura) - adaptação da palavra

 
Curiosidade

O hashi se incorporou de tal forma na sociedade japonesa que deu origem a várias expressões. Conheça algumas:

Hashi ga korondemo okashii toshigoro
Tradução: Idade em que se acha graça até quando um hashi cai
Significado: Refere-se principalmente às adolescentes de 16 a 18 anos

Hashi ni mo kakaranu
Tradução:
Nem o hashi pega
Significado: Quando a situação é tão grave que não se pode fazer absolutamente nada

Hashi no ageoroshi
Tradução:
O pequeno movimento do hashi
Significado: Quando alguém gosta de explicar nos mínimos detalhes

Hashi mo motanu kojiki
Tradução:
Como mendigo que nem tem hashi
Significado: Expressa que a pessoa está completamente falida, sem nenhum tostão

 

 Busca
 Especial
Especial - Nippo-Brasil - 23/12/2019
• Pavetones de pote deixam o Fim de Ano mais bonito e gostoso
Especial - Nippo-Brasil - 02/03/2019
• A partir de 1º de maio de 2019 começa a era REIWA no Japão
Especial - Nippo-Brasil - 14/05/2018
• Escola OEN, fiel à filosofia japonesa desde a sua origem
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 311
• Gairaigo: as palavras estrangeiras na língua japonesa
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 304
• Provérbios do Japão:
sabedoria através dos tempos
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 302
• Hanami, uma bela tradição japonesa
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 301
• Simbologia japonesa: os animais
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 300
• Simbologia japonesa:
as flores e as árvores
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 281
• Você sabe o que significa seu sobrenome?
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 279
• Oriente-se para fazer ginástica!
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 271
• Bonsai, a natureza em miniatura
Especial - Nippo-Brasil - Arquivo Edição 253
• Desvendando os
seres da mitologia japonesa
Especial - Nippo-Brasil 236
• Bruxas modernas
Especial - Nippo-Brasil 234
• Orquídeas: Paixão dos japoneses
Especial - Nippo-Brasil 233
• Tomie Ohtake
Especial - Nippo-Brasil 230
• Naomi Munakata: Uma regente em “estado de alfa”
Especial - Nippo-Brasil 229
• Relíquias com histórias pra contar
Especial - Nippo-Brasil 227
• Brinquedos tradicionais japoneses
Especial - Nippo-Brasil 226
• Hashi: o talher oriental
Especial - Nippo-Brasil 225
• Michie Akama
Especial - Nippo-Brasil 223
• Butô
Especial - Nippo-Brasil 222
• As formas e cores de Ruy Ohtake
Especial - Nippo-Brasil 215
• Kataná: a preciosa lâmina samurai
Especial - Nippo-Brasil 213
• Noborigama
Especial - Nippo-Brasil 212
• Terapias Alternativas
Especial - Nippo-Brasil 211
• Sakura
Especial - Nippo-Brasil 208
• Viagem pela fé
Especial - Nippo-Brasil 199
• Longe da poluição e do estresse da cidade grande
Especial - Nippo-Brasil 198
• Idades marcantes da cultura japonesa
Especial - Nippo-Brasil 194
• Por dentro das datas comemorativas no Japão
Especial - Nippo-Brasil 192
• Compradores compulsivos
Especial - Nippo-Brasil 187
• Rituais de Ano Novo Japonês
Especial - Nippo-Brasil 186
• Bonenkai - Fechar o ano com chave de ouro
Especial - Nippo-Brasil 180
• Danças Japonesas
Especial - Nippo-Brasil 177
• Viciados em Jogos
Especial - Nippo-Brasil 171
• Jardim Japonês: Um cantinho para meditar
Especial - Nippo-Brasil 170
• Alimentos: eles curam?
Especial - Nippo-Brasil 169
• Wadaiko: o estilo japonês de tocar taiko
Especial - Nippo-Brasil 168
• Saque: A bebida milenar japonesa
Especial - Nippo-Brasil 167
• Que bicho é seu pai no Horóscopo Oriental?
Especial - Nippo-Brasil 163
• Watsu uma terapia de lavar a alma
Especial - Nippo-Brasil 161
• Kumon, o método japonês de ensino individualizado: lições para a vida toda
Especial - Nippo-Brasil 155
• Banho de Ofurô: cores e sabores de um ritual milenar
Especial - Nippo-Brasil 154
• Agrade à sua mãe
Especial - Nippo-Brasil 150
• Jogos Japoneses: Shogui e Gô
Especial - Nippo-Brasil
• + 10 Provérbios Japoneses
Especial - Nippo-Brasil
• Kaburimono (literalmente, aquilo que se põe na cabeça)
Especial - Nippo-Brasil
• Conheça alguns amuletos e preces orientais
Especial - Nippo-Brasil
• Shichifukujin, as sete divindades
Especial - Nippo-Brasil
• Daruma: sinônimo de sucesso
Especial - Nippo-Brasil
• A história da Hello Kitty
Especial - Nippo-Brasil
• A história e a tradição do Maneki Nekô no Japão


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2020 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados