Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Quinta-feira, 21 de novembro de 2019 - 14h32
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 087 - 18 a 24 de janeiro de 2001
 
Boxe - Parte 1
 

História
O boxe surgiu na última metade do século XVII, na Inglaterra, onde o primeiro campeão nacional foi James Figg, em 1719. Nessa época não havia limitação de tempo para as lutas, que só terminavam com a desistência de um dos adversários. Eram disputadas sem luvas, permitiam-se golpes de luta livre para derrubar o adversário e era comum um lutador atacar um oponente caído. Entre 1734 e 1750, o inglês Jack Broughton foi o primeiro a contribuir para a sistematização do esporte. Ao deixar de lado as técnicas rudes de seus antecessores, deu maior ênfase ao jogo de punhos e pernas. Tais regras regeram o boxe até 1838, quando foram substituídas pelo código de Londres. No final do século XVIII, outro grande lutador inglês, John Gentleman Jackson, usando o jogo de pernas e de corpo derrotou Daniel Mendoza, conquistando o título inglês. Mendoza então abriu uma academia em Londres, introduziu no esporte o uso de luvas acolchoadas e atraiu para sua escola a elite inglesa. Daí surgiu a definição do boxe como sendo o “esporte dos nobres”. As regras de 1867, que com ligeiras modificações regem o esporte até os dias atuais, foram estabelecidas por John Graham Chambers, do Clube Atlético Amador. As regras procuraram destacar a destreza e a arte dos lutadores. Foi a partir de 1872 que os lutadores passaram a ser classificados em diversas categorias, conforme o peso de cada um. O ringue elevado, com isolamento de cordas dispostas em três alturas diferentes, surgiu em 1891.

No início do século XX, o dentista inglês Jack Marks inventou o protetor de dentes, hoje universalmente adotado. Associações para controle e sistematização de lutas surgiram na Inglaterra, Estados Unidos e posteriormente em outros países europeus. Em 1904 o boxe foi incluído novamente entre os esportes olímpicos. O maior desenvolvimento do esporte veio com o profissionalismo. Com o tempo surgiram as duas organizações mais importantes do boxe mundial, a Associação Mundial de Boxe (AMB) e o Conselho Mundial de Boxe (CMB), cada uma delas com suas próprias listas de campeões. Alguns campeões conseguiram unificar seus títulos vencendo lutas organizadas pelas duas entidades. Para chegar ao título mundial o boxeador deve derrotar os adversários mais bem colocados nas listas das associações internacionais, publicadas mensalmente. Entre as disputas amadoras, a mais importante é a dos Jogos Olímpicos. Em geral os campeões olímpicos se tornam depois profissionais.

A origem anglo-saxônica do boxe moderno explica a hegemonia dos Estados Unidos nesse esporte durante a primeira metade do século XX. Posteriormente, boxeadores de todo o mundo, sobretudo de países latino-americanos e asiáticos, passaram a dominar em várias categorias. Mas a supremacia dos Estados Unidos persiste na tradicional categoria dos pesos-pesados, a que mais desperta o interesse mundial, revelando nomes que se tornaram lendários na história do boxe, como Rocky Marciano, Cassius Clay (Muhammad Ali) e, mais recentemente, Mike Tyson e Evander Holyfield.


Éder Jofre

O Boxe no Brasil
Em 1914 o esporte começou a ser praticado na Società dei Canotieri Esperia (mais tarde, Clube Esperia).

No final da década de 1920 chegou ao Brasil o técnico italiano Celestino Caversazio, que logo fez escola, mas somente em 1933 o Brasil conquistou um título internacional, com o marinheiro carioca Jaques Resende.

O país ganharia outros títulos sul-americanos, com Pedro Galasso e Éder Jofre, que foi o grande nome do boxe brasileiro.

Outros brasileiros destacaram-se nos ringues, mas somente Miguel de Oliveira conseguiria repetir o feito de Éder Jofre, conquistando o título mundial dos médios-ligeiros, em 1975..

Budô
Arquivo Nippo - Edição 88
Boxe - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 87
Boxe - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 86
Kenpo Havaiano
Arquivo Nippo - Edição 85
Capoeira
Arquivo Nippo - Edição 84
Muay Thai: boxe tailandês
Arquivo Nippo - Edição 83
Shao Lin do Norte
Arquivo Nippo - Edição 82
Garra de Águia: um dos mais temidos estilos do Kung Fu
Arquivo Nippo - Edição 81
Louva-a-Deus do Norte: Sistema Tradicional de Kung Fu Chinês
Arquivo Nippo - Edição 80
Seiwakai: Karatê de Combate
Arquivo Nippo - Edição 79
Hung Gar: O sistema marcial da Família Hung
Arquivo Nippo - Edição 78
Kung Fu: Artes marciais chinesas do Templo Shao Lin
Arquivo Nippo - Edição 77
Krav Maga: defesa pessoal israelense
Arquivo Nippo - Edição 76
Ninjutsu: arte marcial dos ninjas
Arquivo Nippo - Edição 75
Savate: boxe francês
Arquivo Nippo - Edição 74
Jojutsu: técnica japonesa de luta com bastão
Arquivo Nippo - Edição 73
Kombato: arte militar de defesa pessoal
Arquivo Nippo - Edição 72
Qwan Ki Do: arte marcial vietnamita
Arquivo Nippo - Edição 71
Naguinata: arte marcial japonesa criada na idade média
Arquivo Nippo - Edição 70
Hapkidô: arte marcial coreana especializada em defesa pessoal
Arquivo Nippo - Edição 69
Tai Chi Chuan - Arte Marcial da Longevidade
Arquivo Nippo - Edição 68
Karatê - Seido Juku
Arquivo Nippo - Edição 67
Karatê - Shorin-Ryu
Arquivo Nippo - Edição 66
Karatê - Kyokushin
Arquivo Nippo - Edição 65
Karatê - Goju Ryu
Arquivo Nippo - Edição 64
Karatê - Shotokan
Arquivo Nippo - Edição 63
Karatê - Shito Ryu
Arquivo Nippo - Edição 62
Karatê - Wadô-Kai
Arquivo Nippo - Edição 60
Jiu-Jitsu
O estilo da família Gracie
Arquivo Nippo - Edição 59
Sumô
Arquivo Nippo - Edição 58
Ving Tsun
Arquivo Nippo - Edição 57
Iaido
Arquivo Nippo - Edição 56
Taekwondo
Arquivo Nippo - Edição 55
Judô
Arquivo Nippo - Edição 54
Aikido
Arquivo Nippo - Edição 53
Kendô

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2019 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados

96 usuários online