PORTAL NIPPOBRASIL ONLINE - 19 ANOS
-
Fale conosco: adm@nippo.com.br   
Segunda-feira, 27 de junho de 2022 - 21h15
DESTAQUES:
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Caderno Pesca

Conheça os peixes Apapá e o Pampo
Apapá

(Texto e imagem: www.pesca.com.br)

Nome científico: Pellona castelnaeana

Habitat: Vive em águas amazônicas, prefere os rios de águas rápidas e cristalinas e se alimentam de insetos e pequenos peixes.

Técnicas de pesca: Podem ser pescados tanto com iscas naturais como com iscas artificiais, sendo que o equipamento a ser utilizado deve ser de ação média, composto por uma vara para linhas 10 a 20 lbs e molinete ou carretilha com capacidade para 100 m de linha de 0,35 mm de diâmetro. As melhores iscas naturais são pequenos peixes inteiros ou em pedaços, normalmente iscados sem chumbo, sendo que, neste caso, deve-se usar anzóis de tamanho médio, 2/0 a 4/0. As melhores iscas artificiais são: plugs de meia água, plugs de superfície, colheres e spinners. Como se pode notar na ilustração, o Apapá tem a boca voltada para cima, provando que ele se alimenta de pequenos insetos e peixes que vivem na superfície da água.

Dica: Ao sentir o Apapá atacar a isca, dê duas ou três fisgadas fortes para facilitar a fixação do anzol na boca dura do peixe.

Melhores épocas: Podem ser capturados durante todo o ano, sendo melhores as épocas de seca.

Tamanho mínimo: Liberado.

 
Curiosidades: Pampo

Nome científico: Trachinotus spp - Carangidae

Habitat: Podem ser encontrados em todo o litoral brasileiro e subdivide-se em cinco espécies. Freqüentam locais próximos a formações rochosas e praias na região em que as ondas estouram.

Técnicas de pesca:

a) Embarcada: Deve-se utilizar equipamento de ação média, composto por uma vara para linhas com resistência de 10 a 20 lbs., um molinete ou carretilha com capacidade para 100 m de linha com 0,40 mm de diâmetro e anzóis de haste curta e tamanho 4/0. O chumbo deve ter seu peso variando de acordo com a correnteza e deve correr pela linha.

b) De praia: Deve-se utilizar um equipamento composto por uma vara de 3 a 4,2m de comprimento, um molinete ou carretilha com capacidade para armazenar 150m de linha com 0,25mm de diâmetro e anzóis com haste curta de tamanho 2/0 ou 3/0. A chumbada deve variar com a correnteza e distância do arremesso.

Tanto para a pesca de praia quanto para a pesca embarcada, deve-se utilizar como isca, a que mais fácil for encontrada na região (camarões, peixinhos, etc.), já que é a que o peixe está acostumado a comer sendo, portanto, a mais eficiente.

Dica: O formato arredondado do corpo faz com que esse peixe tenha muita força, promovendo grandes corridas quando fisgado. Equipamento regulado e perícia durante a briga são as vantagens dos bons pescadores.

Melhor época: Nos meses mais quentes do ano: novembro, dezembro, janeiro e fevereiro.

Tamanho mínimo: Liberado

 Arquivo - Pesca
Edição 288
Dicas para uma pesca tranqüila
Edição 286
Conheça alguns dos paraísos dos pescadores espalhados pelo Brasil
Edição 285
Variedade de iscas vivas sempre ajuda
Edição 281
Isca araçatubinha: original é feita em madeira
Edição 275
Emater divulga produção de tilápia
Edição 271
Rio Aguapeí: pescaria com muita beleza
Edição 269
Piscicultores precisam melhorar a qualidade do peixe para evitar prejuízos
Edição 263
Ainda há peixes nobres no Rio Paraná
Edição 261
Brasileiros mantêm pesca como hobby no Japão
Edição 259
Carpas coloridas criadas em Mogi das Cruzes
Edição 258
Pesca subaquática no interior de SP
Edição 257
Mexilhão dourado: espécie pode causar danos à piscicultura no MS
Edição 256
Equipe Tucunaguisa em busca de tucunarés entre São Paulo e Mato Grosso do Sul
Edição 254
Corvina: uma pesca muito especial
Edição 253
Desprezadas, piranhas superlotam o Tietê
Edição 252
Descoberta nova espécie de peixe no MS
Edição 250
O tão amado e tão odiado Black Bass...
Edição 249
Tucunaré, peixe de qualquer época nos lagos hidrelétricos do interior de SP
De encontro aos peixes gigantes...
Pesca e stress
Sinta a esportividade do Tucunaré em Panorama
Numa pescaria, o que vale é a AMIZADE...
Marlin-azul tem a primeira marcação eletrônica do Brasil
Conheça os peixes Apapá e o Pampo
Tucunaré, problema ou solução?
Dicas de Pescador
História de pescador
Mulheres na pesca - Sorte ou azar?
As estrelas do inverno
Mulheres nos pesque-pagues
Tambacus, brigadores indiscutíveis
Pescarias nos pesque-pague
Em busca dos tucunarés gigantes
Alto-mar: uma pescaria fascinante
Confira alguns nós mais utilizados nas pescarias
Embarcar numa excursão de pesca vale a pena?

© Copyright 1992 - 2016 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados - www.nippo.com.br

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante.
Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

Sobre o Portal NippoBrasil | Fale com o Nippo