Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Domingo, 23 de janeiro de 2022 - 18h03
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
 

Rio Aguapeí: pescaria com muita beleza

Também chamado de Rio Feio, ali é possível fisgar pacus,
pintados, mandis, piauçús e jurupocas


BELEZA - Kuroishi (destaque), de Monte Castelo, é freqüentador assíduo do Rio Aguapeí

 

Arquivo / Jornal NippoBrasil / Antônio José do Carmo* / Divulgação

MONTE CASTELO - A pesca no Rio Aguapeí, também chamado de Rio Feio, é mais farta quando ele se aproxima do Rio Paraná, onde deságua. Em São João do Pau D´Alho, a menos de 30 km de sua foz, estão ocorrendo, nessa época, a presença de pintados.

A Polícia Ambiental do Estado de São Paulo informou aos pescadores que, a partir deste mês, o limite para se levar um pintado do rio é que ele tenha pelo menos 90 centímetros, e não 80 centímetros, como vinha ocorrendo. Essa espécie é considerada nobre na culinária pesqueira do Centro-Sul do Brasil. Sua forma de pesca é estática, com linhada com anzol grande, à média profundidade. A isca é sempre um pedaço de outro peixe qualquer.

Mas além de pacus e pintados, bicudas e mandis, jurupocas e piauçús, o pescador encontra no Rio Aguapeí muita beleza natural. Nele, qualquer pescaria malsucedida jamais significa frustração, porque o Aguapeí, embora pouco explorado em termos de infra-estrutura receptiva para turistas, ainda é o único de grande porte no Estado que não sofreu o impacto da exploração hidrelétrica.

No município de Monte Castelo, 50 km antes do Aguapeí desembocar, Tsuo Kuroishi passou a maior parte dos seus 70 anos freqüentando assiduamente o Rio Feio. Ele explica que esse nome ocorreu por causa das características assombrosas que provocam medo aos visitantes do lugar. Além disso, suas águas sempre foram turvas.

Ao contrário do Tietê, no Aguapeí não existe exploração imobiliária de suas margens. A única infra-estrutura hoteleira que existe está entre Lucélia e Valparaíso, num lugar chamado Salto do Botelho. Na semana passada, apesar da baixa temperatura, não muito recomendada para pescarias, o comerciante Cândido Botacim foi até proximidades da ponte da SP-563 (Rodovia Euclides de Oliveira Figueiredo) sobre o Rio Aguapeí, para fazer algumas tentativas de captura. Ele explica que, naquele local, ocorrem espécies como jurupoca com até 5 kg, piauçús de 4 kg e bicudas de 6 kg.

A principal isca é a minhoca e não há necessidade de usar embarcação. Com linha, vara, anzol e carretilha, a tralha está completa. Naquele dia, ocorreram apenas alguns piaus. Mas para Botacim, o que realmente importa é a caminhada pela trilha marginal ao rio, onde a mata com grandes ingazeiros e grãos-de-galo serve de proteção para o barranco e também de alimento para os peixes. (*Especial para o NB)

Mudanças de leito

Mário Onishi, aos 62 anos, ainda preserva o costume de pescar como lazer no Rio Aguapeí. Hoje, ele admite que a natureza é mais gratificante que a pescaria, especialmente em Monte Castelo.

Onishi disse que os peixes estão sumindo e até morrendo por causa da atividade agrícola que, nos últimos dez anos, tomou conta das margens do Aguapeí, sem obedecer às técnicas de conservação do solo. “Hoje, o melhor ponto de pesca do Rio Feio é perto do Rio Paraná, porque é nesse trecho que o rio permanece mais fundo, pois, nos demais pontos, ele está assoreado e é possível caminhar de um lado para o outro, passando sobre os bancos de areia que invadiram o seu leito”, disse.

O Rio Aguapeí, divisor das regiões Paulista e Noroeste, nasce em Gália, no centro do Estado de São Paulo, e passa por 42 municípios até chegar desaguar no Rio Paraná. Se o seu percurso fosse em linha reta, seria de 300 km, mas, como ele é um rio sinuoso, essa distância aumenta para mais de mil km.


Arquivo NippoBrasil - Edição 271 - 18 a 24 de agosto de 2004
 Arquivo - Pesca
Edição 271
Rio Aguapeí: pescaria com muita beleza
Edição 269
Piscicultores precisam melhorar a qualidade do peixe para evitar prejuízos
Edição 263
Ainda há peixes nobres no Rio Paraná
Edição 261
Brasileiros mantêm pesca como hobby no Japão
Edição 259
Carpas coloridas criadas em Mogi das Cruzes
Edição 258
Pesca subaquática no interior de SP
Edição 257
Mexilhão dourado: espécie pode causar danos à piscicultura no MS
Edição 256
Equipe Tucunaguisa em busca de tucunarés entre São Paulo e Mato Grosso do Sul
Edição 254
Corvina: uma pesca muito especial
Edição 253
Desprezadas, piranhas superlotam o Tietê
Edição 252
Descoberta nova espécie de peixe no MS
Edição 250
O tão amado e tão odiado Black Bass...
Edição 249
Tucunaré, peixe de qualquer época nos lagos hidrelétricos do interior de SP
De encontro aos peixes gigantes...
Pesca e stress
Sinta a esportividade do Tucunaré em Panorama
Numa pescaria, o que vale é a AMIZADE...
Marlin-azul tem a primeira marcação eletrônica do Brasil
Conheça os peixes Apapá e o Pampo
Tucunaré, problema ou solução?
Dicas de Pescador
História de pescador
Mulheres na pesca - Sorte ou azar?
As estrelas do inverno
Mulheres nos pesque-pagues
Tambacus, brigadores indiscutíveis
Pescarias nos pesque-pague
Em busca dos tucunarés gigantes
Alto-mar: uma pescaria fascinante
Confira alguns nós mais utilizados nas pescarias
Embarcar numa excursão de pesca vale a pena?
 Dicas
Dicas para pescaria
Dicas de pescador
Tralhas para pescar cabeçudas
Pescarias de inverno
Como fisgar Tucunarés com iscas artificiais
Dicas de Pescador
Equipamentos
Rabicho ou chicote
Molinetes
Em Serra da Mesa, grandes tucunarés


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2022 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados