PORTAL NIPPOBRASIL ONLINE - 19 ANOS
-
Fale conosco: adm@nippo.com.br   
Sábado, 02 de julho de 2022 - 5h43
DESTAQUES:
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Caderno Pesca

Mulheres nos pesque-pagues
Elas contam que o gosto pela pesca foi uma ótima descoberta

Teresa: prazer em estar na beira de um rio, riacho ou tanque convivendo com a natureza

(Texto: Wlademir Gemignani/Fotos: Divulgação)

Com a chegada e aprimoramento dos pesqueiros, os pescadores começaram a levar suas famílias para pescar, não só pelo conforto que os pesqueiros oferecem, mas também pela tranqüilidade junto à natureza. Por sua vez, as mulheres, pelo menos parte delas, começaram a desenvolver o gosto pelo esporte, aprendendo a pescar, e se tornando tão boas pescadoras quanto os homens, hoje existem até equipes de pesca femininas. Eu, pelo menos, conheço algumas mulheres mais fanáticas que os próprios maridos, que não trocam uma boa pescaria por um passeio nos shoppings.

Quando comecei a praticar a pesca em pesqueiros, logo levei minha mulher, Cleide, e filha para pescar. Elas adoraram e passaram a me acompanhar. Para complementar esta matéria, nada melhor que o depoimento das próprias pescadoras dizendo como descobriram o gosto pela pesca.

Convivendo com a natureza e pescando tilápias
(Teruko Yagui, conhecida como Teresa)

“Comecei a pescar muito jovem, com um tio que me levava a pescar no Riacho Grande e/ou Eldorado, época em que pescar nesses locais ainda não era perigoso. O meu irmão Takashi (da equipe Zóio de Lula) ia com a gente.Naquela época, era pura diversão de criança. O tempo passou e, apesar de não dedicar tanto tempo às pescarias, aquele gosto de estar na beira de um rio/riacho/tanque, convivendo com a natureza e pescando tilápias/ carás, continuou bastante vivo dentro do coração. Após a morte de meu companheiro, comecei a sair com o Takashi para pescar em alguns pesqueiros. Quando me aposentei, sempre com meu irmão, aproveitei todas as oportunidades para estar na beira de um tanque, o que me fez ficar fanática por pescaria. Hoje, não ter companhia para ir a um pesqueiro não é problema. Temos vários no Estado de São Paulo, com completa segurança. Fazemos muitas amizades nos pesqueiros. É muito legal! Chegar em um pesqueiro, estar arrumando a tralha e ouvir alguém gritar lá do outro lado do tanque: ‘E aí, Teresa, vai tirar um tambaqui grande hoje?’. A meu ver, pescar significa jogar todo o estresse da semana fora.”

Boas amizades, belos lugares e muita paz
Thais, da Zóio de Lula: mulheres fazem parte de equipes de pesca femininas

"Quero, por meio deste relato, dizer como eu descobri que a pesca é um esporte no qual podemos fazer muitas amizades, conhecer belos lugares, passar horas de muita paz, calma e tranqüilidade, coisa que não temos no dia-a-dia. Quando eu me casei com o Wlademir, há 18 anos, ele já havia deixado bem claro que a pescaria seria seu maior lazer, e que todos finais de semana seriam nosso destino. No começo, achei chato, mas, aos poucos, conforme fui aprendendo a pescar, e pegar os grandes peixes, cada fim de semana se torna mais emocionante. Minha filha, que desdeos 7 meses já ia comigo, também pegou gosto pelo esporte. Hoje, fazemos parte até de uma equipe de pesca.”

 Arquivo - Pesca
Edição 288
Dicas para uma pesca tranqüila
Edição 286
Conheça alguns dos paraísos dos pescadores espalhados pelo Brasil
Edição 285
Variedade de iscas vivas sempre ajuda
Edição 281
Isca araçatubinha: original é feita em madeira
Edição 275
Emater divulga produção de tilápia
Edição 271
Rio Aguapeí: pescaria com muita beleza
Edição 269
Piscicultores precisam melhorar a qualidade do peixe para evitar prejuízos
Edição 263
Ainda há peixes nobres no Rio Paraná
Edição 261
Brasileiros mantêm pesca como hobby no Japão
Edição 259
Carpas coloridas criadas em Mogi das Cruzes
Edição 258
Pesca subaquática no interior de SP
Edição 257
Mexilhão dourado: espécie pode causar danos à piscicultura no MS
Edição 256
Equipe Tucunaguisa em busca de tucunarés entre São Paulo e Mato Grosso do Sul
Edição 254
Corvina: uma pesca muito especial
Edição 253
Desprezadas, piranhas superlotam o Tietê
Edição 252
Descoberta nova espécie de peixe no MS
Edição 250
O tão amado e tão odiado Black Bass...
Edição 249
Tucunaré, peixe de qualquer época nos lagos hidrelétricos do interior de SP
De encontro aos peixes gigantes...
Pesca e stress
Sinta a esportividade do Tucunaré em Panorama
Numa pescaria, o que vale é a AMIZADE...
Marlin-azul tem a primeira marcação eletrônica do Brasil
Conheça os peixes Apapá e o Pampo
Tucunaré, problema ou solução?
Dicas de Pescador
História de pescador
Mulheres na pesca - Sorte ou azar?
As estrelas do inverno
Mulheres nos pesque-pagues
Tambacus, brigadores indiscutíveis
Pescarias nos pesque-pague
Em busca dos tucunarés gigantes
Alto-mar: uma pescaria fascinante
Confira alguns nós mais utilizados nas pescarias
Embarcar numa excursão de pesca vale a pena?

© Copyright 1992 - 2016 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados - www.nippo.com.br

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante.
Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

Sobre o Portal NippoBrasil | Fale com o Nippo