Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Sábado, 18 de setembro de 2021 - 18h54
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
 

Mexilhão dourado: espécie pode causar danos à piscicultura no MS

Originário de rios na China, ele foi registrado pela primeira vez na América do Sul em 1991 na foz do Rio da Prata


PROBLEMAS - Cada mexilhão produz cerca de 1 mil larvas que se tornam adultas em 20 dias

 

Arquivo NB / Cristiane Sandim/Seprotur / Divulgação

O mexilhão dourado é uma espécie ainda desconhecida entre os piscicultores do Mato Grosso do Sul, mas os pesquisadores da Embrapa Pantanal já estão de olho desde 98. Já em um estudo mais recente incrustações do mexilhão dourado foram diagnosticados no Rio Miranda, em 2003, sendo observada sua presença até a altura de Passo da Lontra.

Segundo pesquisas da Embrapa Pantanal, o mexilhão dourado é um bivalve de, no máximo, 4 cm de comprimento. Possui uma forma larval, que é livre, e, na fase adulta vive fixo a qualquer substrato duro, formando agregados e cobrindo extensas superfícies.

Ele é originário dos rios da China e chegou à América do Sul na “água de lastro” dos navios (utilizada como peso para dar maior estabilidade nas manobras) que fazem comércio entre países asiáticos e a Argentina. Foi registrado pela primeira vez em 91 na foz do Rio da Prata, segunda maior bacia fluvial da América do Sul, formada principalmente pelos rios Paraguai e Paraná.

Segundo a bióloga da Embrapa Pantanal e responsável pela pesquisa, Márcia Divina de Oliveira, a capacidade de reprodução é o mais preocupante. “Cada animal pode produzir mais de 1 mil larvas que se tornam adultas em 20 dias. Nas nossas vistorias nas águas do Rio Paraguai, por exemplo, os diagnósticos registraram aproximadamente 10 mil mexilhões por metro quadrado”, explica. Por isso, o cuidado deve se multiplicar principalmente nos meses de abril e maio, quando a reprodução atinge o seu ápice.

Assim, o bivalve está incomodando os piscicultores. Márcia salienta que há possibilidades de os produtores perderem toda sua criação caso seja diagnosticado algum vestígio da espécie em seus criatórios.

Enquanto isso, o assessor técnico da Câmara Setorial da Piscicultura da Seprotur, Fernando Moraes Vilas Boas parte do pressuposto que na piscicultura a prevenção desses invasores é mais fácil do que nos rios. “Caso atitudes não sejam tomadas a invasão do mexilhão pode comprometer todo um ciclo de manejo dentro da cultura ocasionando morte dos peixes e ainda influenciar na qualidade da água”, alerta.

Acontece que várias espécies de peixes do Pantanal estão se alimentando dos mexilhões. Os efeitos ainda não são conhecidos, afirma Márcia, mas espécies invasoras podem trazer novas doenças transmitidas por vírus e bactérias. Enquanto isso nos sistemas de refrigeração dos motores das embarcações ele impediria que a água circule causando aquecimento do motor, o que conseqüentemente pode levá-lo a fundir.

Logo, além do prejuízo para o próprio investimento, a venda de alevinos para outros Estados será dificultada, pois muitos compradores os utilizam em reservatório de geração de energia, e essa pode ser uma porta de dispersão do mexilhão dourado para outros rios brasileiros.

Conforme explicações da pesquisadora, os prejuízos não param por aí. Tanto ambiental como econômico, será incalculável se medidas de controle de dispersão não forem tomadas. Para que os piscicultores e todos os envolvidos não tenham prejuízos futuros Márcia sugere uma lista de alguns cuidados que podem ser tomados. “Para a navegação no Rio Paraguai e seus afluentes, sugere-se o uso de tintas anti-incrustantes nos cascos das embarcações.


Arquivo NippoBrasil - Edição 257 - 12 a 18 de maio de 2004
 Arquivo - Pesca
Edição 258
Pesca subaquática no interior de SP
Edição 257
Mexilhão dourado: espécie pode causar danos à piscicultura no MS
Edição 256
Equipe Tucunaguisa em busca de tucunarés entre São Paulo e Mato Grosso do Sul
Edição 254
Corvina: uma pesca muito especial
Edição 253
Desprezadas, piranhas superlotam o Tietê
Edição 252
Descoberta nova espécie de peixe no MS
Edição 250
O tão amado e tão odiado Black Bass...
Edição 249
Tucunaré, peixe de qualquer época nos lagos hidrelétricos do interior de SP
De encontro aos peixes gigantes...
Pesca e stress
Sinta a esportividade do Tucunaré em Panorama
Numa pescaria, o que vale é a AMIZADE...
Marlin-azul tem a primeira marcação eletrônica do Brasil
Conheça os peixes Apapá e o Pampo
Tucunaré, problema ou solução?
Dicas de Pescador
História de pescador
Mulheres na pesca - Sorte ou azar?
As estrelas do inverno
Mulheres nos pesque-pagues
Tambacus, brigadores indiscutíveis
Pescarias nos pesque-pague
Em busca dos tucunarés gigantes
Alto-mar: uma pescaria fascinante
Confira alguns nós mais utilizados nas pescarias
Embarcar numa excursão de pesca vale a pena?
Peixes de água doce
Cuidado com os peixes venenosos
Serviços diferenciais unem hotéis, pousadas e boas pescarias
Lições de pesca: um hobby que pode ser muito interessante
 Dicas
Dicas para pescaria
Dicas de pescador
Tralhas para pescar cabeçudas
Pescarias de inverno
Como fisgar Tucunarés com iscas artificiais
Dicas de Pescador
Equipamentos
Rabicho ou chicote
Molinetes
Em Serra da Mesa, grandes tucunarés
Bóias: Conheça alguns modelos principais e suas características
Linhas de pesca
Iscas naturais para uma boa pescaria
Iscas de fundo e metálicas
Iscas artificiais: pesca mais dinâmica
Como escolher a melhor vara de pesca?
Anzol: você sabe exatamente
como usá-lo?
A pesca de arremesso em praia
Saiba como manusear carretilhas
Seis dicas básicas para manter seu equipamento em ordem
Carretilhas x Molinetes
 
Mande a foto de sua pescaria. Logo teremos uma nova seção com as fotos de todos nossos pescadores.
E-mail: pesca@nippo.com.br


A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippo.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2021 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados