Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Domingo, 08 de dezembro de 2019 - 3h41
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-

18 de junho de 1908 ~ 18 de junho de 2019

COLONIZAÇÃO:
Mato Grosso e Mato Grosso do Sul

Imigrantes começaram a chegar na região com a construção da estrada de ferro


As obras da Estrada de Ferro Noroeste do Brasil ficaram prontas em 1915

(Fotos: Museu Histórico da Imigração Japonesa no Brasil)

Na primeira leva de japoneses a bordo do Kasato Maru, das 781 pessoas, 325 eram de origem okinawana. Os primeiros japoneses no Mato Grosso (a divisão entre Mato Grosso e Mato Grosso do Sul só ocorreu em 1977) começaram a chegar na região juntamente com a construção da estrada de ferro, a partir de 1910.

Campo Grande foi um dos importantes núcleos de imigrantes de Okinawa, que chegaram à região atraídos pelos bons pagamentos. A diária média dos trabalhadores não passava de 3 mil réis, mas, como operários da estrada de ferro, poderiam ganhar 5 mil réis. Foi por conta disso que 75 imigrantes aceitaram trabalhar no assentamento dos trilhos da Estrada de Ferro Noroeste do Brasil, no então Estado do Mato Grosso.

Em Santos, tomaram um navio cargueiro da companhia que rumou ao Sul do Brasil e, pelo Rio Paraguai, chegaram ao destino, Porto Esperança, 26 dias depois. Isso foi em 1909. Outros japoneses vindos da Argentina e do Peru também se juntaram ao grupo.

As obras ficaram prontas em 1915. E foi a partir disso que a estação Campo Grande passou a ser destacar, principalmente porque os operários acabaram se fixando na região. Mas o primeiro morador japonês fixo em Campo Grande, hoje capital sul-matogrossense, foi Kosho Yamaki, que chegou à cidade em maio de 1914 (ele viera do Peru). Ele adquirira, na época, uma pequena chácara que pertencera a Koshiro Ishibashi, que nunca fixou-se na cidade.

Distante de 5 a 8 quilômetros dali, os japoneses descobriram a fertilidade da Mata do Segredo e, a partir de 1917, sete famílias iniciavam o núcleo pioneiro da Colônia Segredo. Novos núcleos de colonizadores (a maioria de okinawanos) começaram a surgir, principalmente após a instalação do quartel militar em Campo Grande, entre 1920 e 1922. Aumento da população (incluindo os soldados), demanda de capim e verdura aos cavalos propiciou o surgimento de pequenos agricultores em torno da cidade.

Em toda a história da imigração japonesa em Campo Grande, foram criados 23 núcleos. A primeira foi Chacrinha, fundada em 1914. As seguintes foram Mata do Segredo (1917), Bandeira (1918), Imbirussú (1920), Mata do Prosa (1924), Cascudo (1925), Mata do Ceroula (1926), Rincão (1927), Buracão (1929), Lagoinha (1939), Salobra (1939), Córrego da Anta, Patelinho, Rochedinho (1940), Indubrasil, Sidrolândia (1941), Bonfim (1942), Rio Negro (1953), Quebra Coco (1955), Yamato (1956), Várzea Alegre (1959), Dois Irmãos (1959) e Três Barras (1960).

Outro pólo importante da imigração japonesa no então Mato Grosso foi a cidade de Dourados. Lá, os japoneses chegaram em 1935. Em 1946 vieram do Estado de São Paulo Mineji Saito, Jooji Eguti, Benkiti Kakuda e Hidekiti Dokko. Na época em que estava sendo implantada a Colônia Agrícola de Dourados, projeto fundiário para assentar 10 mil famílias nordestinas em lotes de 30 hectares, Yassutaro Matsubara, que residida na cidade de Marília, conseguiu junto ao presidente Getúlio Vargas a destinação de 1 mil lotes para os japoneses.

As primeiras atividades realizadas pelos japoneses na região foram culturas de arroz, feijão, milho e mandioca e culturas de subsistência. Por conta da colonização, surgiram também em Dourados alguns núcleos coloniais: Laranja Lima, Kyoei e Matsubara.

No atual Mato Grosso, os japoneses chegaram na década de 50, na antiga Gleba Rio-Ferro, em Feliz Natal. Os japoneses, levados à região também por Yassutaro Matsubara, foram atraídos pela oportunidade de cultivo à produção da borracha.

 


A VIAGEM:
Véspera da partida

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2019 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados

155 usuários online