Portal NippoBrasil - OnLine - 17 anos
Segunda-feira, 24 de abril de 2017 - 12h09
  Empregos no Japão

  Busca
 
  Seções NippoBrasil
   Comunidade
   Opinião
   Circuito
   Notícias
   Agenda
   Dekassegui
   Entrevistas
   Especial
-
  Variedades
   Aula de Japonês
   Automóveis
   Artesanato
   Beleza
   Bichos
   Budô
   Cultura-Tradicional
   Culinária
   Haicai
   História do Japão
   Horóscopo
   Lendas do Japão
   Mangá
   Pesca
   Saúde
   Turismo-Brasil
   Turismo-Japão
-
  Esportes
   Copa do Mundo 2014
   Copa das
 Confederações 2013
-
  Especiais
   Imigração Japonesa
   120 anos de Amizade  Japão-Brasil
   Bomba de Hiroshima
   Festival do Japão 2016
-
 Colunas
   Conversando de RH
   Mensagens
     Roberto Shinyashiki
-
 Veja mais  Classificados
   Econômico
   Empregos no Brasil
   Guia Profissionais
   Imóveis
   Oportunidades
   Ponto de Encontro
-
  Interatividade
   Fale com a Redação
-
  Institucional
   Quem somos


Arquivo NippoBrasil - Edição 096 - 15 a 21 de março de 2001
 
Haruyama e Akiyama - Parte Final
O mito de Haruyama e Akiyama

(Por Claudio Seto)

A DISPUTA
Em muitas ocasiões os três se divertiam cantando e dançando animadamente. Às vezes um sentia ciúme do outro e começavam a discutir. Quando chegou o inverno a Donzela do Lago estava muito preocupada porque a discussão entre os dois deuses tornara-se constante e um já não suportava a presença do outro as margens do lago. Ela com sua vez não conseguia decidir com quem ficar, pois gostava de ambos, cada um por sua maneira de ser. Amava Akiyama pelo seu coração puro e bondoso e sua refinada educação. E amava Haruyama por sua valentia e seu modo impetuoso e aventureiro de viver.

As discussões tornaram-se empurrões e, finalmente, resolveram duelar e o vencedor ficaria com o amor da Donzela do Lago. O combate foi anunciado porque Haruyama cantava aos quatro ventos sua possível vitória e a conquista definitiva de seu amor.

No dia marcado vários deuses que habitavam na região compareceram para assistir o grande embate e se instalaram no alto do monte Iwaki, de onde se tinha visão privilegiada. A assistência estava dividida em duas nítidas torcidas. Akiyama apareceu com uma grande manada de alces e Haruyama montado em quatro dragões.

Era uma manhã escura de inverno. Ventos cortantes assobiavam entre as árvores e levantavam ondas altas no lago Towada. Tremores de terra e uma tempestade com raios e trovoadas tornavam o clima medonho. A atmosfera estava do jeito que os torcedores barulhentos de Haruyama adoravam. Um bando de rudes guerreiros, indisciplinados que pulavam e gritavam a qualquer movimento de seu duelante preferido. Os valentões pularam tanto que o lado direito do monte Iwaki onde eles estavam desmoronou (por isso até hoje o lado direito é mais baixo que o esquerdo).

Foi um duelo de titãs. Os deuses lutaram bravamente sem parar e era difícil dizer se algum deles estava levando vantagem. Mas a medida que o tempo ia decorrendo, Haruyama que era mais violento, começou ganhar terreno. Com golpes certeiros de sua espada, foi liquidando os alces que protegiam Akiyama. O embate com espadas entre os dois demorou bom tempo, porém quando Akiyama começou mostrar cansaço, Haruyama o atingiu gravemente.

Sangrando muito, Akiyama fugiu para a península de Oga, manchando a terra de sangue. Assim a luta terminou tendo Haruyama como vencedor. Este levantou a espada e de cima dos dragões festejou sua vitória voando cada vez mais alto.

Depois, quando voltou a calmaria e a paisagem ficou linda como sempre, Haruyama desceu para as margens do lago para se encontrar com sua amada. Seu grande prêmio pela vitória. Procurou por toda parte e não a encontrou. Então o deus do lago que tinha assistido a tudo, disse:

-Não adianta procurar pela donzela, ela ficou preocupada com o ferimento de Akiyama e foi atrás dele na península de Oga. Você venceu a luta, mas perdeu o prêmio.

Haruyama ficou muito abatido quando soube que sua amada foi atrás de seu rival. Inconsolável saiu andando para Tsugaru de cabeça baixa, como se toda canseira da batalha manifestasse de uma só vez. Quando chegou em Tsugaru, havia neve por toda parte. Ele chorou ao sentir que passaria um pesado inverno sozinho e numa explosão de ira, gritou com todos os pulmões para descarregar o peso em seu coração. Seu grito foi tão intenso que a vibração causou um grande terremoto. A terra rachou na ilha principal do Japão, separando Hokkaido. Na parte em que rachou o mar avançou criando o estreito de Tsuruga.

Haruyama no Kasumi no Mikoto (Príncipe da Névoa da Montanha da Primavera) passou a ser então um deus triste e calmo. Por isso, atualmente quando surge a névoa na primavera, existe um clima de calma com certa melancolia.

Já Akiyama no Shitabi no Mikoto (Príncipe da Montanha Rubra de Outono) e a Donzela do Lago Towada, casaram-se e foram felizes para sempre. Por isso, quando a folhas avermelham no outono, existe no ar um certo clima de romantismo.

Fim

História do Japão
Arquivo Nippo - Edição 106
Jinmu Tenno - O Primeiro Imperador do Japão - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 105
Jinmu Tenno - O Primeiro Imperador do Japão - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 96
Caminhar sobre as águas
Arquivo Nippo - Edição 95
Verão: Ode à Hototoguissu
Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 94
Verão: Ode à Hototoguissu
Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 96
Haruyama e Akiyama
Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 95
Haruyama e Akiyama
Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 94
Haruyama e Akiyama
Prólogo
Arquivo Nippo - Edição 93
O chapéu ouvidor
Arquivo Nippo - Edição 92
A flor da honestidade
Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 91
A flor da honestidade
Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 90
Tarai Kaburi Hime: A Princesa Cabeça de Tina - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 89
Tarai Kaburi Hime: A Princesa Cabeça de Tina - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 88
Jingû Kogo. A imperatriz guerreira
Arquivo Nippo - Edição 88
Yamato Takeru no Mikoto: O Príncipe Valente - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 87
Yamato Takeru no Mikoto. O Príncipe Valente
Arquivo Nippo - Edição 87
As pedras de Ryoanji
Arquivo Nippo - Edição 86
Kaguya Hime - Parte 3
Arquivo Nippo - Edição 85
Kaguya Hime - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 84
Kaguya Hime - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 83
Mino no Mamushi: A Cobra Venenosa de Mino
Arquivo Nippo - Edição 78
Pré-história do Japão - 8
Parte 2:
Ukemochi no Mikoto
Arquivo Nippo - Edição 77
Pré-história do Japão - 8:
Ukemochi no Mikoto
Arquivo Nippo - Edição 74
Pré-história do Japão - 7:
Ukemochi No Mikoto: A Deusa da Alimentação
Arquivo Nippo - Edição 73
Pré-história do Japão - 6:
Ukemochi No Mikoto: A Deusa da Alimentação
Arquivo Nippo - Edição 72
Pré-história do Japão - 5:
Ookuni Nushi no Mikoto - O Grande Mestre da Terra - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 71
Pré-história do Japão - 5:
Ookuni Nushi no Mikoto - O Grande Mestre da Terra - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 69
Pré-história do Japão - 4:
Ninigui, o Augusto Neto Celeste, e Konohana Sakuya Hime, a princesa florescer

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2017 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados - www.nippo.com.br

136 usuários online


Redação: editor@nippo.com.br

Diretoria: diretoria@nippo.com.br

Vendas: anuncie@nippo.com.br

Tel: (11) 9 5371 4019 (TIM)

Mais contatos e envio de releases