Portal NippoBrasil - OnLine - 17 anos
Domingo, 23 de julho de 2017 - 9h43
  Empregos no Japão

  Busca
 
  Seções NippoBrasil
   Comunidade
   Opinião
   Circuito
   Notícias
   Agenda
   Dekassegui
   Entrevistas
   Especial
-
  Variedades
   Aula de Japonês
   Automóveis
   Artesanato
   Beleza
   Bichos
   Budô
   Cultura-Tradicional
   Culinária
   Haicai
   História do Japão
   Horóscopo
   Lendas do Japão
   Mangá
   Pesca
   Saúde
   Turismo-Brasil
   Turismo-Japão
-
  Esportes
   Copa do Mundo 2014
   Copa das
 Confederações 2013
-
  Especiais
   Imigração Japonesa
   120 anos de Amizade  Japão-Brasil
   Bomba de Hiroshima
   Japan House
   Festival do Japão 2016
-
 Colunas
   Conversando de RH
   Mensagens
     Roberto Shinyashiki
-
 Veja mais  Classificados
   Econômico
   Empregos no Brasil
   Guia Profissionais
   Imóveis
   Oportunidades
   Ponto de Encontro
-
  Interatividade
   Fale com a Redação
-
  Institucional
   Quem somos


Arquivo NippoBrasil - Edição 094 - 8 a 14 de março de 2001
 
Verão: Ode à Hototoguissu

“Os dois apaixonados e o hototoguissu”. Gravura de Buncho.
Início da década de 1770. Uma rara estampa onde aparece o hototoguissu.

(Por Claudio Seto)

Hototoguissu é uma das mais interessantes personagens da história do Japão. Ela faz parte da cultura japonesa há séculos e sempre foi cantada em prosas e versos. Hototoguissu é uma ave japonesa que se alimenta de insetos. Seu canto, além de raro, é breve e agudo por isso muitas vezes é descrito como choro ou grito. Essas características fizeram dessa ave e seu canto, símbolo de tempo, no sentido de momento decisivo ou hora esperada. É comum na literatura japonesa frases como: “ouço o canto do hototoguisu, chegou a minha hora de partir” e o herói parte para uma nova aventura. Ou mesmo em contos épicos, quando um batalhão de samurais sitiavam o castelo inimigo, ficavam a espera do canto do hototoguissu, para o ataque final. Há casos de casais suicidas que diante um amor impossível, por questões sócio-familiares, ficaram a espera do hototoguissu para cometerem o shinju amoroso (suicídio por paixão). Frustrados pela ausência do canto, fugiram para região distante e iniciaram nova vida.

A palavra hototoguissu é formada por dois ideogramas que separados significam tempo e ave, por isso tem sido traduzido quase sempre como “cuco”. Porém no Brasil o cuco não tem qualquer valor simbólico, associação sentimental ou mesmo estado de espírito que possa fazer ligação a sua figura. Nós só conhecemos como passarinho de relógio antigo. Portanto na tradução dos haikais, optamos por manter o nome no original por ser uma palavra de cinco sílabas e até mesmo para preservar a conotação onomatopaica do nome japonês. Além disso, em japonês, basta dizer hototoguissu, que subentendeu o canto dessa ave.

O romantismo que sugere “a espera do canto do hototoguissu” foi muito explorado como tema de verão na poesia japonesa, tanto no estilo tanka como no haikai. Kobayashi Issa o maior haicaista japonês depois de Basho, que viveu entre os anos 1763 e 1827, foi quem melhor apreendeu o hototoguissu em seus poemas mínimos.

Issa fala do tempo, da passagem da primavera para o verão, marcado pela canto dessa ave:

Azaléias vestem
Chapéus de palhas
Hototoguissu.

Ou da chuva de verão:

Após tanta chuva
Ostensivo como sempre
Hototoguissu

A longa espera pelo canto do hototoguissu em algum momento deixou Issa desacorçoado:

Hototoguissu
Para o dia da minha morte
Guardas o seu choro

E a espera do canto do pequeno pássaro passou a integrar a vida do poeta. Issa expressava até nos momentos de pequenos prazeres:

Rôossoku de
Tabako sui keri
Hototoguissu

com a chama da vela
acendo meu cachimbo
hototoguissu

Se hototoguissu contribuiu com a inspiração de Issa para torná-lo um dos maiores poetas do Japão; Kobayashi Issa o reverenciou em seus versos para agradecer a cumplicidade:

Apesar de tudo
Grita rasgando o céu em brilho
Hototoguissu

Antes de Issa muitos poetas cantaram o hototoguissu. Entre eles o grande Bashô:

Hototoguissu
Com um só grito
cruzou as águas

ou ainda:

No o yoko no
Uma hikimuke yo
Hototoguissu

Ao longo do campo
conduza meu cavalo
Hototoguissu

Aqui Bashô invocou o canto da ave para orientar o cavalo em direção da mesma. Esse haikai integra a famosa obra Oku no Hoshomichi de sua autoria. O cavalo foi emprestado por seu amigo e senhor de Kurobane, e o criado que o conduzia, pediu a Bashô que lhe ensinasse um poema. Admirado em ver uma pessoa tão simples com o gosto tão refinado, o mestre invocou o canto de hototoguissu.

São incontáveis os poetas que invocaram o canto dessa ave. Dos tantos haicaistas que navegaram neste tema, entre os mais conhecidos estão:

Hototoguissu
Desde pequeno grita alvorada
Ao rumo do mar
(Shira-o - 1739/1791)

Hototoguissu
A amanhecer no biombo
Comprado novo
(Kikaku – 1661/1715. Discípulo de Bashô e amigo de Ransetsu)

Inesperadamente
Em dia de chuva
Hototoguissu
(Buson – 1715/1783)

Ao vir da marola
Um pequeno hototoguissu
Na beira da água
(Gyodai – 1732/1792)

Um dos mais famosos haikai sobre o tema hototoguissu é de uma mulher. A jovem Chiyo (Chiyo-jo), natural de Kaga no Kuni (hoje província de Ishikawa), tornou-se conhecida como Kaga no Chiyo em seu tempo de aprendiz. Depois, tornou-se monja e poeta andarilha e passou a ser chamada de Chiyo-ni. Portanto os haicais dessa autora tanto podem estar assinados Chiyo-jo ou Chiyo-ni, servindo para identificar fases de sua vida.

Consta em antigos livros escolares do Japão, que Kaga no Chiyo, quando freqüentava aulas de haikai, a professora deram como dever de casa, fazer poesia com o tema hototoguissu. Chiyo escreveu alguns haicais mas nenhuma agradou sua mestre. Voltando para casa, passou a noite tentando escrever outras melhores, porém sem sucesso. Havia passado a noite inteira murmurando hototoguissu, hototoguissu com o pincel na mão até que...

Hototoguissu
Hototoguissu to te
Akenikuri

Murmurando
Hototoguissu, hototoguissu
Amanheceu!

A repetição da palavra Hotoguissu lembra aqui, um mantra budista. É como se estivesse rezando Hotoguissu, Hototoguissu e a poesia aparecendo como uma iluminação.
“A espera do canto de hototoguissu” serviu também para descrever a personalidade e o modus operandi de três famosos shogun do Japão feudal, Oda Nobunaga, Toyotomi Hideyoshi e Tokugawa Ieyassu, através do grau de paciência de cada um. Senhores da guerra e contemporâneos, eles tinham em comum a ambição de dominar o Japão pela força militar.

Continua...

História do Japão
Arquivo Nippo - Edição 106
Jinmu Tenno - O Primeiro Imperador do Japão - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 105
Jinmu Tenno - O Primeiro Imperador do Japão - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 96
Caminhar sobre as águas
Arquivo Nippo - Edição 95
Verão: Ode à Hototoguissu
Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 94
Verão: Ode à Hototoguissu
Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 96
Haruyama e Akiyama
Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 95
Haruyama e Akiyama
Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 94
Haruyama e Akiyama
Prólogo
Arquivo Nippo - Edição 93
O chapéu ouvidor
Arquivo Nippo - Edição 92
A flor da honestidade
Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 91
A flor da honestidade
Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 90
Tarai Kaburi Hime: A Princesa Cabeça de Tina - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 89
Tarai Kaburi Hime: A Princesa Cabeça de Tina - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 88
Jingû Kogo. A imperatriz guerreira
Arquivo Nippo - Edição 88
Yamato Takeru no Mikoto: O Príncipe Valente - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 87
Yamato Takeru no Mikoto. O Príncipe Valente
Arquivo Nippo - Edição 87
As pedras de Ryoanji
Arquivo Nippo - Edição 86
Kaguya Hime - Parte 3
Arquivo Nippo - Edição 85
Kaguya Hime - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 84
Kaguya Hime - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 83
Mino no Mamushi: A Cobra Venenosa de Mino
Arquivo Nippo - Edição 78
Pré-história do Japão - 8
Parte 2:
Ukemochi no Mikoto
Arquivo Nippo - Edição 77
Pré-história do Japão - 8:
Ukemochi no Mikoto
Arquivo Nippo - Edição 74
Pré-história do Japão - 7:
Ukemochi No Mikoto: A Deusa da Alimentação
Arquivo Nippo - Edição 73
Pré-história do Japão - 6:
Ukemochi No Mikoto: A Deusa da Alimentação
Arquivo Nippo - Edição 72
Pré-história do Japão - 5:
Ookuni Nushi no Mikoto - O Grande Mestre da Terra - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 71
Pré-história do Japão - 5:
Ookuni Nushi no Mikoto - O Grande Mestre da Terra - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 69
Pré-história do Japão - 4:
Ninigui, o Augusto Neto Celeste, e Konohana Sakuya Hime, a princesa florescer

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2017 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados - www.nippo.com.br

109 usuários online


Redação: editor@nippo.com.br

Diretoria: diretoria@nippo.com.br

Vendas: anuncie@nippo.com.br

Tel: (11) 9 5371 4019 (TIM)

Mais contatos e envio de releases