Portal NippoBrasil - OnLine - 17 anos
Segunda-feira, 20 de novembro de 2017 - 13h33
  Empregos no Japão

  Busca
 
  Seções NippoBrasil
   Comunidade
   Opinião
   Circuito
   Notícias
   Agenda
   Dekassegui
   Entrevistas
   Especial
-
  Variedades
   Aula de Japonês
   Automóveis
   Artesanato
   Beleza
   Bichos
   Budô
   Comidas do Japão
   Cultura-Tradicional
   Culinária
   Haicai
   História do Japão
   Horóscopo
   Lendas do Japão
   Mangá
   Pesca
   Saúde
   Turismo-Brasil
   Turismo-Japão
-
  Esportes
   Copa do Mundo 2014
   Copa das
 Confederações 2013
-
  Especiais
   Imigração Japonesa
   120 anos de Amizade  Japão-Brasil
   Bomba de Hiroshima
   Japan House
   Festival do Japão 2016
-
 Colunas
   Conversando de RH
   Mensagens
     Roberto Shinyashiki
-
 Veja mais  Classificados
   Econômico
   Empregos no Brasil
   Guia Profissionais
   Imóveis
   Oportunidades
   Ponto de Encontro
-
  Interatividade
   Fale com a Redação
-
  Institucional
   Quem somos


Arquivo NippoBrasil - Edição 088 - 25 a 31 de janeiro de 2001
 
Jingû Kogo. A imperatriz guerreira

(Por Claudio Seto)

O Kojiki, a mais antiga compilação de registros históricos do Japão, está dividido em três livros. O primeiro trata da era dos deuses, o segundo e o terceiro da era dos seres humanos. No entanto, muitas das narrativas de personagens que pertencem à chamada “Idade dos Seres Humanos”, como Jimmu Tennô o primeiro imperador do Japão, a imperatriz Jingû, ou o príncipe Yamato Takeru no Mikoto, claramente contêm muitos elementos considerados hoje míticos.

Jingu Kogo, que ficou conhecida na história do Japão como a “Imperatriz Guerreira”, era mulher de Chûai Tennô, 140 imperador do Japão no final do primeiro século antes de Cristo. O imperador Chûai, apesar de filho do legendário guerreiro Príncipe Yamato Takeru no Mikoto, tinha uma constituição física debilitada e era muito cauteloso quanto as decisões políticas do Império japonês. Vivia enfermo, por isso sua mulher, a imperatriz Jingû foi nomeada regente do trono.

No ano 200 a.C. o imperador Chûai faleceu e Jingû passou a ser a única mandatária do Japão. Então, neste mesmo ano, resolveu conquistar a Coréia com o seu exército. A imperatriz Jingû comandou pessoalmente a frota de navios japoneses, numa época em que pouco conheciam sobre navegação e a travessia do mar até o continente Chinês era quase uma viagem sem volta. O sucesso obtido por Jingu, fez nascer a crença de que ela tinha em seu poder a Jóia da maré maixa e a Jóia da maré alta, duas bolas de cristais místicas, com o poder de controlar as marés, que são citadas em várias histórias mitológicas. Historiadores japoneses contam que essas jóias permitiram a Jingû controlar as manobras de sua frota de navios e os exércitos de peixes acompanharam ela até a Coréia.

Com sucessivas batalhas, a guerra teve duração de 3 anos e a Imperatriz Jingu, apesar de grávida combateu à frente de seu exército. Está registrado na mais antiga compilação da história japonesa, o Kojiki, que os reis dos Três Reinados da Coréia prometeram à imperatriz Jingû de “pagar tributos de lealdade e enviar tributos até o sol não mais nascer no Leste, mas vir do Oeste; até o curso do rio escorrer no sentido oposto e o rio Seisho subir e se transformar em um rio de estrelas no céu”.

Ao contrário de Jesus que nasceu de uma virgem, o filho de Chûai e Jingû permaneceu na barriga da mãe durante 3 anos, até que ela completasse a dominação da Coréia e retornasse ao Japão. Mais tarde, o bebê tornou-se o imperador Ojin. Um dos ministros da época era Soga no Takeuchi conselheiro do imperador Ojin, o qual, não era coreano mas tinha apoio de um grande contingente da Coréia, e os Soga continuaram controlando a economia por meio de sistema imposto, sustentando a introdução de artesanato e artes coreana.

Oitocentos anos depois de sua morte, Ojin Tennô foi canonizado com o nome de Hachiman, o Deus da Guerra, pelo fato de ter passado tanto tempo e tantas batalhas no ventre de Jingû.

Certamente há uma conexão entre a mitologia e os fatos históricos do Japão e da Coréia. Em 285 d.C. um dos Três Reis da Coréia introduziu os caracteres chineses no Japão. A linguagem da escrita chegou a esta forma básica e veio para ficar.

História do Japão
Arquivo Nippo - Edição 106
Jinmu Tenno - O Primeiro Imperador do Japão - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 105
Jinmu Tenno - O Primeiro Imperador do Japão - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 96
Caminhar sobre as águas
Arquivo Nippo - Edição 95
Verão: Ode à Hototoguissu
Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 94
Verão: Ode à Hototoguissu
Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 96
Haruyama e Akiyama
Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 95
Haruyama e Akiyama
Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 94
Haruyama e Akiyama
Prólogo
Arquivo Nippo - Edição 93
O chapéu ouvidor
Arquivo Nippo - Edição 92
A flor da honestidade
Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 91
A flor da honestidade
Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 90
Tarai Kaburi Hime: A Princesa Cabeça de Tina - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 89
Tarai Kaburi Hime: A Princesa Cabeça de Tina - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 88
Jingû Kogo. A imperatriz guerreira
Arquivo Nippo - Edição 88
Yamato Takeru no Mikoto: O Príncipe Valente - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 87
Yamato Takeru no Mikoto. O Príncipe Valente
Arquivo Nippo - Edição 87
As pedras de Ryoanji
Arquivo Nippo - Edição 86
Kaguya Hime - Parte 3
Arquivo Nippo - Edição 85
Kaguya Hime - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 84
Kaguya Hime - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 83
Mino no Mamushi: A Cobra Venenosa de Mino
Arquivo Nippo - Edição 78
Pré-história do Japão - 8
Parte 2:
Ukemochi no Mikoto
Arquivo Nippo - Edição 77
Pré-história do Japão - 8:
Ukemochi no Mikoto
Arquivo Nippo - Edição 74
Pré-história do Japão - 7:
Ukemochi No Mikoto: A Deusa da Alimentação
Arquivo Nippo - Edição 73
Pré-história do Japão - 6:
Ukemochi No Mikoto: A Deusa da Alimentação
Arquivo Nippo - Edição 72
Pré-história do Japão - 5:
Ookuni Nushi no Mikoto - O Grande Mestre da Terra - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 71
Pré-história do Japão - 5:
Ookuni Nushi no Mikoto - O Grande Mestre da Terra - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 69
Pré-história do Japão - 4:
Ninigui, o Augusto Neto Celeste, e Konohana Sakuya Hime, a princesa florescer

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2017 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados - www.nippo.com.br

130 usuários online


Redação: editor@nippo.com.br

Diretoria: diretoria@nippo.com.br

Vendas: anuncie@nippo.com.br

Tel: (11) 9 5371 4019 (TIM)

Mais contatos e envio de releases