Portal NippoBrasil - OnLine - 17 anos
Sexta-feira, 24 de novembro de 2017 - 1h55
  Empregos no Japão

  Busca
 
  Seções NippoBrasil
   Comunidade
   Opinião
   Circuito
   Notícias
   Agenda
   Dekassegui
   Entrevistas
   Especial
-
  Variedades
   Aula de Japonês
   Automóveis
   Artesanato
   Beleza
   Bichos
   Budô
   Comidas do Japão
   Cultura-Tradicional
   Culinária
   Haicai
   História do Japão
   Horóscopo
   Lendas do Japão
   Mangá
   Pesca
   Saúde
   Turismo-Brasil
   Turismo-Japão
-
  Esportes
   Copa do Mundo 2014
   Copa das
 Confederações 2013
-
  Especiais
   Imigração Japonesa
   120 anos de Amizade  Japão-Brasil
   Bomba de Hiroshima
   Japan House
   Festival do Japão 2016
-
 Colunas
   Conversando de RH
   Mensagens
     Roberto Shinyashiki
-
 Veja mais  Classificados
   Econômico
   Empregos no Brasil
   Guia Profissionais
   Imóveis
   Oportunidades
   Ponto de Encontro
-
  Interatividade
   Fale com a Redação
-
  Institucional
   Quem somos


Arquivo NippoBrasil - Edição 077 - 2 a 8 de novembro de 2000
 
Pré-história do Japão - 8
Ukemochi no Mikoto

(Por Claudio Seto)

Em Ashi Hara no Mizuho no Kuni (País dos Juncos e dos Campos das Espigas de Arroz- hoje Japão) viviam dois príncipes irmãos, filhos de Hassuseiri no Mikoto (Divindade Espiga Madura), netos de Ninigui no Mikoto, e tataranetos de Amaterassu Omikami, a Augusta Deusa Sol. O mais velho se chamava Hohoderi no Mikoto e o mais novo Hoori no Mikoto.

Hohodemi por ser um excelente caçador era conhecido também como Yama no Satihiko no Mikoto (Divino Jovem da Montanha) e Hoori por ser um fino pescador era conhecido por Umi no Satihiko no Mikoto (Divino Jovem do Mar). Um dia o mais velho propôs ao mais novo:

- Que tal fazermos uma troca? Durante um dia inteiro você fica nas montanhas caçando com meu arco e flecha e eu fico no mar pescando com sua linha e anzol.

O outro aceitou a proposta e ficou combinado que já no dia seguinte fariam a troca. Na manhã seguinte Hohodemi, o pescador, subiu a montanha com o arco e flecha do irmão, enquanto Hoori, o caçador, foi em direção ao mar. Lá chegando, sentou-se sobre uma pedra e passou o dia tentando pescar algum peixe mas não foi bem sucedido. Entediado de ficar o dia inteiro parado, mal o sol começou a cair, ele voltou para a aldeia e devolveu a vara para o irmão.

Igualmente sem sucesso, o pescador voltou da caça e mau humorado por não ter conseguido usar o arco e a flecha com habilidade. Ao receber sua vara de volta percebeu que estava sem anzol.

- Que é isso? Você perdeu meu anzol. Como vou pescar desse jeito? Só devolvo seu arco e as flechas quando trouxer o anzol de volta. Trate de voltar onde estava pescando e procure-o.

- Algum peixe deve ter levado, como posso encontrar um anzol no imenso mar?
- O problema é seu, eu quero meu anzol de volta.

Hoori voltou ao local onde passou o dia pescando e vasculhou por toda área para ver se não estava enroscado em algum ramo de capim, mas nada encontrou. Voltando à aldeia, com o coração partido entregou sua espada para que o ferreiro derretesse e fizesse milhares de anzóis. Alguns dias depois, levou os anzóis e deu para o irmão.

- Esses anzóis não são meus. Eu quero apenas o meu anzol, não aceito outros. Trate de procurar no fundo do mar, pois é lá que deve estar.

O PALÁCIO DO MAR
Desolado, Hoori caminhava pela praia sem saber o que fazer. Olhou para a imensidão do mar e gritou desesperado:
- Por favor me ajude!

- Disse alguma coisa – perguntou uma voz atrás de Hoori.
Quando o jovem se virou para trás deu de cara com um ancião de longa barba e cabelos brancos. Hoori contou o que o afligia e o ancião se dispôs a ajudá-lo.

Os dois cortaram bambu, amarraram as varas lado a lado, uma nas outras construíram uma jangada.

- Suba e navegue até o alto mar. Lá onde as ondas se separam existe um caminho. Siga por ela até encontrar um palácio. É a morada de Shiyozuchi no Kami, o Deus do Mar. Ao lado do portão principal existe um poço e uma árvore. Você deve subir na árvore e ficar esperando que venha atendê-lo.

A jangada de bambu foi arrastada para o alto mar e Hoori corajosamente deixou-se levar. Horas depois o mar se abriu em duas partes e um caminho de areia descortinou à sua frente. Seguindo por ela chegou no portão de um belo palácio. Como descrevera o velhinho, havia um poço e uma árvore ao lado do portão. O jovem subiu na árvore e ficou esperando que alguém abrisse o portão.

Pouco depois, uma bela ninfa apareceu com um vasilhame nas mãos. Quando olhou para dentro do poço viu a imagem de Hoori refletido no espelho d’água e levou um grande susto. Correndo foi avisar Toyotama Hime (Princesa Alma Luxuriante), que havia um homem no fundo do poço.

A princesa e seu pai Shiyozuchi no Kami e as ninfas correram ao portão e viram Hoori em cima da árvore. Quando o Deus do Mar viu o moço logo o reconheceu:

- Ora, é o neto de Ninigui no Mikoto, a divindade que veio de Takama no Hara (Alta Planície Celeste).

Pelo fato de ser descendente de Amaterassu Omikami, a Augusta Deusa Sol, o jovem príncipe foi recebido com grande pompa. Muitas festas com maravilhosos banquetes acompanhados de músicas e danças aconteciam sem parar. Hoori não percebeu o tempo passar pois vivia numa atmosfera de sonho e encantamento. Ele se apaixonou pela princesa Toyotama e se casaram. Hoori era intensamente feliz e assim num piscar de olhos três anos se passaram.

Um dia, em meio a uma conversa, Hoori lembrou da razão que o fizera vir até o Palácio do Mar (também conhecido como Palácio do Dragão).
- Esqueci do anzol, meu irmão deve estar desesperado.

Percebendo que seu marido ficou muito preocupado, a princesa Toyotama, se dispôs à ajudá-lo. Hoori então contou toda história dizendo que veio com a finalidade de procurar o anzol do irmão.

Quando a princesa relatou à seu pai, o Deus do Mar convocou todos os peixes a comparecerem em sua presença. Todas as espécies de peixes se fizeram presente em torno do palácio e Shiyozuchi no Kami perguntou:
- Sabe de alguém que se engasgou com um anzol há 3 anos nesta região?
- Sim, responderam os peixes.

- Foi o guloso Pargo. Faz tempo que ele vive se queixando de dor na garganta.
Em seguida o pargo se apresentou e o Deus do Mar examinou sua garganta. Como disseram o anzol esta vá ali espetado. Shiyozuchi retirou cuidadosamente e entregou ao genro. Hoori agradeceu a hospitalidade ao Deus do Mar e despediu-se dele.

- Foi um imenso prazer receber a sua visita. Gostaria que você não fosse, mas não posso retê-lo por mais tempo, pois sei que no império de seu pai está acontecendo coisas muito graves e sua presença se faz necessária. Só quero pedir que cuide bem da minha filha.
Em seguida estendendo uma pérola gigante disse:

- Você poderá passar por momentos difíceis, por isso aceite este tama (bola de cristal) como talismã. Ela se chama Jóia da Maré Alta quando você aperta com a mão direita. As águas do mar sobem com toda sua fúria capaz de arrastar consigo todos os seus inimigos. E quando você apertar este tama com a mão esquerda, passa a ser denominada “Jóia da Maré Baixa”, e as águas voltarão tranqüilamente ao seu leito sem deixar traços algum de sua passagem.

Continua...
História do Japão
Arquivo Nippo - Edição 106
Jinmu Tenno - O Primeiro Imperador do Japão - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 105
Jinmu Tenno - O Primeiro Imperador do Japão - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 96
Caminhar sobre as águas
Arquivo Nippo - Edição 95
Verão: Ode à Hototoguissu
Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 94
Verão: Ode à Hototoguissu
Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 96
Haruyama e Akiyama
Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 95
Haruyama e Akiyama
Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 94
Haruyama e Akiyama
Prólogo
Arquivo Nippo - Edição 93
O chapéu ouvidor
Arquivo Nippo - Edição 92
A flor da honestidade
Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 91
A flor da honestidade
Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 90
Tarai Kaburi Hime: A Princesa Cabeça de Tina - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 89
Tarai Kaburi Hime: A Princesa Cabeça de Tina - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 88
Jingû Kogo. A imperatriz guerreira
Arquivo Nippo - Edição 88
Yamato Takeru no Mikoto: O Príncipe Valente - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 87
Yamato Takeru no Mikoto. O Príncipe Valente
Arquivo Nippo - Edição 87
As pedras de Ryoanji
Arquivo Nippo - Edição 86
Kaguya Hime - Parte 3
Arquivo Nippo - Edição 85
Kaguya Hime - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 84
Kaguya Hime - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 83
Mino no Mamushi: A Cobra Venenosa de Mino
Arquivo Nippo - Edição 78
Pré-história do Japão - 8
Parte 2:
Ukemochi no Mikoto
Arquivo Nippo - Edição 77
Pré-história do Japão - 8:
Ukemochi no Mikoto
Arquivo Nippo - Edição 74
Pré-história do Japão - 7:
Ukemochi No Mikoto: A Deusa da Alimentação
Arquivo Nippo - Edição 73
Pré-história do Japão - 6:
Ukemochi No Mikoto: A Deusa da Alimentação
Arquivo Nippo - Edição 72
Pré-história do Japão - 5:
Ookuni Nushi no Mikoto - O Grande Mestre da Terra - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 71
Pré-história do Japão - 5:
Ookuni Nushi no Mikoto - O Grande Mestre da Terra - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 69
Pré-história do Japão - 4:
Ninigui, o Augusto Neto Celeste, e Konohana Sakuya Hime, a princesa florescer

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2017 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados - www.nippo.com.br

112 usuários online


Redação: editor@nippo.com.br

Diretoria: diretoria@nippo.com.br

Vendas: anuncie@nippo.com.br

Tel: (11) 9 5371 4019 (TIM)

Mais contatos e envio de releases