PORTAL NIPPOBRASIL ONLINE - 19 ANOS
-
Fale conosco: adm@nippo.com.br   
Quinta-feira, 22 de junho de 2017 - 9h02
DESTAQUES:
  Empregos no Japão

  Busca
 
  Seções NippoBrasil
   Comunidade
   Opinião
   Circuito
   Notícias
   Agenda
   Dekassegui
   Entrevistas
   Especial
-
  Variedades
   Aula de Japonês
   Automóveis
   Artesanato
   Beleza
   Bichos
   Budô
   Cultura-Tradicional
   Culinária
   Haicai
   História do Japão
   Horóscopo
   Lendas do Japão
   Mangá
   Pesca
   Saúde
   Turismo-Brasil
   Turismo-Japão
-
  Esportes
   Copa do Mundo 2014
   Copa das
 Confederações 2013
-
  Especiais
   Imigração Japonesa
   120 anos de Amizade  Japão-Brasil
   Bomba de Hiroshima
   Japan House
   Festival do Japão 2016
-
 Colunas
   Conversando de RH
   Mensagens
     Roberto Shinyashiki
-
 Veja mais  Classificados
   Econômico
   Empregos no Brasil
   Guia Profissionais
   Imóveis
   Oportunidades
   Ponto de Encontro
-
  Interatividade
   Fale com a Redação
-
  Institucional
   Quem somos


.

Opinião - Edição 582 - Jornal NippoBrasil

Discurso de posse

Teruo Monobe*

Discurso de posse, principalmente de políticos, não é nada agradável para ouvir ou ler. Discurso é algo formal, é para cumprir um cerimonial. Os de cunho político são ruins de qualquer jeito: como geralmente não são escritos pelos discursantes, ficam só nas palavras. Na realidade, discursos de posse são de criação dos escritores fantasmas (“ghost writers”, como são chamados em inglês) e pouco representam a realidade. É um amontoado de boas intenções, se tanto. É para agradar o eleitor, que acha bonitas as palavras pronunciadas, mas logo esquece.

O discurso da presidente Dilma Rousseff não foi diferente. Ficou na generalidade: reformas, crescimento, economia, estabilidade, agricultura, comércio exterior, investimento público, gastos governamentais, ciência e tecnologia, meio ambiente, programas sociais, pobreza extrema, pré-sal, democracia, cultura e combate à corrupção. De bom, a promessa de “governar para todos” e de eliminar a miséria. O combate à corrupção já ficou manchado na própria cerimônia de posse, com o abraço caloroso da presidente na ex-ministra da Casa Civil, acusada de corrupção. O que veio depois, a absolvição dos acusados, foi pior ainda.

Já algum tempo antes da posse, a imprensa em geral escrevia sobre “os desafios do novo governo”, ou “os desafios da presidente”. Com esses títulos saíram muitos artigos. Quais seriam esses desafios? Alguns temas citados: inflação em alta, gastos públicos em excesso, déficits na conta externa e investimentos necessários. Na melhor das hipóteses, fica a suspeita que a presidente, embora faça força para não demonstrar, tenha recebido uma “herança maldita”. Os “restos a pagar” e demais contam chegam R$ 137 bilhões no ano.

Em seu discurso de posse, em 1961, o ex-presidente John Kennedy conclamou o povo norte-americano a participar do seu governo, com uma frase memorável (“Não perguntem o que o governo pode fazer por vocês, mas o que vocês podem fazer para o governo”). Na ocasião, o então presidente era o primeiro católico ao posto máximo em uma nação protestante, e também, o mais novo presidente dos Estados Unidos, com 46 anos. Infelizmente, também se tornou o mais jovem presidente a ser assassinado no exercício do poder.

Os agentes econômicos, de tanto ouvir discursos, já estão dando um desconto nas falas pronunciadas neste início de ano, quando não só a presidente tomou posse, mas todos os governadores de Estado. Como dizia um humorista, “depois do desfile sobra o estrume dos cavalos”, os discursos dos governantes são protocolares, fica o lixo da festa para ser removido. Portanto, o desafio não é do governante, é da população, que tem a obrigação de cobrar os políticos. Neste início de ano, quem vai cobrar são os credores da dívida do governo.

Em um país sedento de realizações por parte do governo, não é demais esperar uma gama de obras: do PAC, da Minha Casa, Minha Vida, da Olimpíada de 2016, da Copa do Mundo de 2014, dos diversos programas lançados anteriormente e que não foram concluídos (como a transposição do São Francisco, a Transnordestina) ou nem sequer foram iniciados (como as hidrelétricas na Amazônia e o trem-bala). Muitas dessas obras são alvos de contestações (as hidrelétricas) e outras são de prioridade duvidosa (como o trem-bala).

Como já dizia Eclesiastes, existe um tempo para tudo. O tempo do discurso é efêmero, só serve para a ocasião. Alguns deles, independentemente da ação, entram para a história, pelo ineditismo. Outros são palavras ao vento: são vazios, não resistem ao tempo, têm a duração de um jornal diário, quando muito. Na lembrança da população, menos ainda. Entram por um ouvido, saem pelo outro. O Eclesiastes não disse, mas deve existir tempo para discursar, e tempo para calar-se... e agir. A presidente parece mais afinada com a ação, mas antes precisa esquecer o discurso. E, antes da ação, vai ter que adotar um slogan para o seu governo.




*Mestre em Administração Internacional e doutor pela USP

 

 Coluna: Opinião
23/11/2016 - Por Junji Abe
Tite, Temer e o Brasil
20/10/2016 - Por Junji Abe
Imposto mata o Brasil
30/08/2016 - Por Junji Abe
Legado dos Jogos Olímpicos
27/06/2016 - Por Junji Abe
Novos desafios
21/06/2016 - Por Junji Abe
Gênero de 1ª necessidade
20/05/2016 - Por Junji Abe
Missão do presente
04/04/2016 - Por Junji Abe
Melhor qualidade de vida
18/03/2016 - Por Junji Abe
Geração perdida
17/02/2016 - Por Walter Ihoshi
Não podemos jogar a tolha
30/12/2015 - Por Junji Abe
Trio do bem
27/11/2015 - Por Junji Abe
Lama da morte
29/09/2015 - Por Junji Abe
Resgate da policultura
14/09/2015 - Por Junji Abe
Terrorismo tributário
12/06/2015 - Por Junji Abe
Dignidade das domésticas
30/04/2015 - Por Junji Abe
Alerta aos aposentados
26/03/2015 - Por Junji Abe
Chega de imediatismo no Brasil
05/03/2015 - Por Junji Abe
Revolta dos caminhoneiros
25/11/2014 - Por Tetsuro Hori
Por que privatizar o sistema de transporte de massa e quais são os principais benefícios
11/04/2014 - Por Walter Ihoshi
A internet e o futuro de um mundo conectado
10/01/2014 - Por Junji Abe
Ranking do Progresso
18/10/2013 - Por Hélio Nishimoto
Para relembrar Hiroshima e Nagasaki
14/08/2013 - Por Hatiro Shimomoto
Bons usos e costumes
para o Brasil
20/07/2013 - Por Walter Ihoshi
Santas Casas na UTI
05/06/2013 - Por Lizandra Arita
Dia das Mães:
Q ue tipo de mãe é você?
19/04/2013 - Por Kunihiko Chogo
Adaptando-se ao jeito
brasileiro de ser
08/12/2012 - Por Keiko Ota
Frente Parlamentar em Defesa das Vítimas de Violência
13/10/2012 - Por Walter Ihoshi
A importância da transparência dos impostos
Por Teruo Monobe
Inflação
Por Teruo Monobe
Equilíbrio fiscal
Por Teruo Monobe
Balança comercial
Por Teruo Monobe
Brasil caro
Por Teruo Monobe
O que se passa
na economia global
Por Teruo Monobe
Discurso de posse
Por Teruo Monobe
2011 e o longo prazo
Por Teruo Monobe
Ano-Novo, tudo
novo em 2011
Por Teruo Monobe
A volta do ouro
Por Teruo Monobe
Novo governo, velho problema
Por Teruo Monobe
Natal gordo
Por Teruo Monobe
Novamente, a Europa em crise
Por Teruo Monobe
Esperando o Plano Dilma

© Copyright 1992 - 2016 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados - www.nippo.com.br

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante.
Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

Sobre o Portal NippoBrasil | Fale com o Nippo