Portal NippoBrasil - OnLine - 17 anos
Segunda-feira, 27 de março de 2017 - 19h22
  Empregos no Japão

  Busca
 
  Seções NippoBrasil
   Comunidade
   Opinião
   Circuito
   Notícias
   Agenda
   Dekassegui
   Entrevistas
   Especial
-
  Variedades
   Aula de Japonês
   Automóveis
   Artesanato
   Beleza
   Bichos
   Budô
   Cultura-Tradicional
   Culinária
   Haicai
   História do Japão
   Horóscopo
   Lendas do Japão
   Mangá
   Pesca
   Saúde
   Turismo-Brasil
   Turismo-Japão
-
  Esportes
   Copa do Mundo 2014
   Copa das
 Confederações 2013
-
  Especiais
   Imigração Japonesa
   120 anos de Amizade  Japão-Brasil
   Bomba de Hiroshima
   Festival do Japão 2016
-
 Colunas
   Conversando de RH
   Mensagens
     Roberto Shinyashiki
-
 Veja mais  Classificados
   Econômico
   Empregos no Brasil
   Guia Profissionais
   Imóveis
   Oportunidades
   Ponto de Encontro
-
  Interatividade
   Fale com a Redação
-
  Institucional
   Quem somos


Opinião - 19/04/2013 - NippoBrasil
Adaptando-se ao jeito brasileiro de ser

Kunihiko Chogo*

Que Brasil e Japão são nações muito próximas (obviamente não fisicamente), não é nenhuma novidade. Desde 1908, com a primeira onda de imigração, o relacionamento, pessoal e de negócios, entre os dois países foi cada vez mais estreitado e reconhecido. Já nas décadas de 1950 e 1960, uma série de empresas japonesas, entre montadoras, fabricantes têxteis e importantes marcas chegavam ao país. Atualmente, é possível dizer que estamos passando por uma terceira onda. Desta vez com a chegada de empresas de tecnologia e manufatura ao país.

Entre os principais atrativos estão a recente estabilização da economia brasileira, a participação no grupo BRICS e o fato de abrir mais portas para o investimento em toda a América Latina. Essas características, somadas à busca por novos mercados - uma vez que a Ásia já foi atingida pelos japoneses - e a uma relação mais estável e segura entre os países, têm sido refletido num maior volume de investimentos entre os dois. Em razão da forte e consolidada comunidade japonesa no Brasil, com uma cultura já conhecida e respeitada, torna-se mais fácil a aceitação nacional dessas empresas, gerando mais confiança nos executivos e melhor adaptação dos estrangeiros à região.

Especificamente no mercado de tecnologia, o interesse dos brasileiros por novidades tecnológicas, tanto como consumidores de novos produtos quanto como desenvolvedores de lançamentos para esse mercado, cria um bom público-alvo e profissionais mais capacitados para atender esse setor. Ainda há muito espaço a ser explorado e o mercado tem se mostrado cada dia mais sofisticado, elevando as demandas a outro nível de investimento.

No entanto, não são somente elogios e vantagens que permeiam essa relação. As principais barreiras encontradas pelas empresas japonesas com interesse em investir no Brasil são a burocracia e a dificuldade em compreender a legislação e a cobrança de impostos nacional. Para empresas que já estão instaladas no país, o desafio é fazer com que os executivos da matriz japonesa compreendam o motivo das cobranças e a necessidade de recursos para realizar a adaptação ao local. Já para as que ainda estão apenas sondando o setor, o susto tomado com os altos custos e burocracias fiscais e legais pode gerar uma mudança no foco de mercado.

Ainda assim, é possível perceber que os japoneses estão monitorando as grandes organizações, fazendo os primeiros investimentos. Alguns grandes negócios já estão sendo fechados e nota-se que as empresas médias também estão se aproximando. Algumas atitudes podem ajudar os empresários a melhorar a relação com o Japão e atrair e atrair mais investidores. Devido à distância geográfica entre as duas nações, as informações que chegam ao Japão sobre o Brasil são, na maioria das vezes, negativas ou distorcidas, em especial as relacionadas à segurança pública, clima, alimentação. Não é difícil encontrar um executivo japonês que tenha como referências do Brasil, "carnaval e futebol", e que veja o brasileiro como um povo que gosta mais de se divertir do que de trabalhar. Por esse motivo, é importante que as empresas e o governo se empenhem em enviar informações corretas e otimistas, que gerem maior interesse nos investidores.

Outro ponto que pode ser trabalhado tem relação com o idioma. A maior parte dos japoneses nunca ouviu a língua portuguesa e tem grandes dificuldades em aprender. O compartilhamento de mais informações de negócios em inglês, como documentos, sites e dados, pode ser um grande diferencial para atrair a atenção das empresas asiáticas aos interesses nacionais.

Já do lado dos investidores japoneses, algumas dicas devem ser levadas em conta: paciência com as regras é o primeiro passo para o sucesso. É essencial buscar um entendimento profundo dos processos brasileiros para que não haja divergências. Planejar e analisar todas as oportunidades e possíveis riscos envolvidos no processo são atitudes também muito importantes nas quais a cultura organizacional japonesa, conhecida por sua acuidade e atenção aos detalhes, pode ajudar.

Por fim, também é - tão relevante quanto os outros conselhos - saber ouvir outras opiniões e buscar uma aproximação com empresas de confiança já instaladas no país. Essa é a melhor forma de entender a cultura, os negócios e ter contato com o mercado. Os empresários locais estão sempre interessados em ajudar companhias que podem agregar valor ao setor. Afinal, se a intenção é adaptar-se às características brasileiras, é bom começar pelas melhores: a abertura à colaboração e o trabalho em equipe.


Keiko Ota, Deputada Federal

* Kunihiko Chogo é diretor de Desenvolvimento de
Negócios Globais, da empresa japonesa
NTT DATA no Brasil.
 Coluna: Opinião
23/11/2016 - Por Junji Abe
Tite, Temer e o Brasil
20/10/2016 - Por Junji Abe
Imposto mata o Brasil
30/08/2016 - Por Junji Abe
Legado dos Jogos Olímpicos
27/06/2016 - Por Junji Abe
Novos desafios
21/06/2016 - Por Junji Abe
Gênero de 1ª necessidade
20/05/2016 - Por Junji Abe
Missão do presente
04/04/2016 - Por Junji Abe
Melhor qualidade de vida
18/03/2016 - Por Junji Abe
Geração perdida
17/02/2016 - Por Walter Ihoshi
Não podemos jogar a tolha
30/12/2015 - Por Junji Abe
Trio do bem
27/11/2015 - Por Junji Abe
Lama da morte
29/09/2015 - Por Junji Abe
Resgate da policultura
14/09/2015 - Por Junji Abe
Terrorismo tributário
12/06/2015 - Por Junji Abe
Dignidade das domésticas
30/04/2015 - Por Junji Abe
Alerta aos aposentados
26/03/2015 - Por Junji Abe
Chega de imediatismo no Brasil
05/03/2015 - Por Junji Abe
Revolta dos caminhoneiros
25/11/2014 - Por Tetsuro Hori
Por que privatizar o sistema de transporte de massa e quais são os principais benefícios
11/04/2014 - Por Walter Ihoshi
A internet e o futuro de um mundo conectado
10/01/2014 - Por Junji Abe
Ranking do Progresso
18/10/2013 - Por Hélio Nishimoto
Para relembrar Hiroshima e Nagasaki
14/08/2013 - Por Hatiro Shimomoto
Bons usos e costumes
para o Brasil
20/07/2013 - Por Walter Ihoshi
Santas Casas na UTI
05/06/2013 - Por Lizandra Arita
Dia das Mães:
Q ue tipo de mãe é você?
19/04/2013 - Por Kunihiko Chogo
Adaptando-se ao jeito
brasileiro de ser
08/12/2012 - Por Keiko Ota
Frente Parlamentar em Defesa das Vítimas de Violência
13/10/2012 - Por Walter Ihoshi
A importância da transparência dos impostos
Por Teruo Monobe
Inflação
Por Teruo Monobe
Equilíbrio fiscal
Por Teruo Monobe
Balança comercial
Por Teruo Monobe
Brasil caro
Por Teruo Monobe
O que se passa
na economia global
Por Teruo Monobe
Discurso de posse
Por Teruo Monobe
2011 e o longo prazo
Por Teruo Monobe
Ano-Novo, tudo
novo em 2011
Por Teruo Monobe
A volta do ouro
Por Teruo Monobe
Novo governo, velho problema
Por Teruo Monobe
Natal gordo
Por Teruo Monobe
Novamente, a Europa em crise
Por Teruo Monobe
Esperando o Plano Dilma

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2017 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados - www.nippo.com.br

163 usuários online


Redação: editor@nippo.com.br

Diretoria: diretoria@nippo.com.br

Vendas: anuncie@nippo.com.br

Tel: (11) 9 5371 4019 (TIM)

Mais contatos e envio de releases