PORTAL NIPPOBRASIL ONLINE - 19 ANOS
-
Fale conosco: adm@nippo.com.br   
Quinta-feira, 21 de setembro de 2017 - 4h05
DESTAQUES:
  Empregos no Japão

  Busca
 
  Seções NippoBrasil
   Comunidade
   Opinião
   Circuito
   Notícias
   Agenda
   Dekassegui
   Entrevistas
   Especial
-
  Variedades
   Aula de Japonês
   Automóveis
   Artesanato
   Beleza
   Bichos
   Budô
   Cultura-Tradicional
   Culinária
   Haicai
   História do Japão
   Horóscopo
   Lendas do Japão
   Mangá
   Pesca
   Saúde
   Turismo-Brasil
   Turismo-Japão
-
  Esportes
   Copa do Mundo 2014
   Copa das
 Confederações 2013
-
  Especiais
   Imigração Japonesa
   120 anos de Amizade  Japão-Brasil
   Bomba de Hiroshima
   Japan House
   Festival do Japão 2016
-
 Colunas
   Conversando de RH
   Mensagens
     Roberto Shinyashiki
-
 Veja mais  Classificados
   Econômico
   Empregos no Brasil
   Guia Profissionais
   Imóveis
   Oportunidades
   Ponto de Encontro
-
  Interatividade
   Fale com a Redação
-
  Institucional
   Quem somos


Caderno Entrevista

Japonesa em defesa dos índios
Kenko Minami engaja-se na conscientização da situação da floresta amazônica

Com a campanha, a ativista Kenko Minami briga por mais direitos aos nativos da floresta amazônica

Quem é
Formada pela Universidade Feminina de Belas Artes de Tóquio, Kenko Minami trabalhou como produtora artística de programas infantis da NHK, como o Hyokkori Hyootanjima, e na produção de concertos. Em maio de 1989, ela estabeleceu a Fundação Rainflorest Japan. Em abril de 2000, lançou o livro Amazon, índio kara no Dengon (Mensagem dos Índios da Amazônia).

(Reportagem: Helena Saito/ ipcdigital.com | Foto: Arquivo Pessoal)

Com a intenção de conhecer de perto tribos indígenas do Brasil, principalmente a Caiapó, Kenko Minami viajou 22 vezes ao país em um período de 20 anos. O engajamento começou em 1989, ano em que decidiu mudar o rumo de sua vida depois de saber da campanha mundial de proteção à Amazônia. O movimento era integrado pelo cantor inglês Sting, que percorreu o mundo, inclusive o Japão, acompanhado do líder dos caiapós, Raoni Metuktire, a quem Minami foi apresentada.

Ela resolveu se engajar nas questões indígenas e criou a Fundação Rainflorest Japan, organização não-governamental com sede em Tóquio, que, hoje, tem cerca de 1,7 mil associados. Uma das principais atividades da Ong é realizar palestras e exposições para divulgar e conscientizar as pessoas a respeito da situação da floresta amazônica.

 

Kendo com crianças indígenas: “na primeira vez eles se sentiam ameaçados”
 
Entrevista

International Press - Como os índios são vistos no Brasil e no Japão?
Kenko Minami -
Há bastante preconceito, acho que muitos vêem os índios como animais. Os brasileiros, em geral, consideram os índios como seres inferiores e preguiçosos. No Japão, esse tipo de tratamento também era dado aos ainus, por serem de uma minoria étnica. Ao longo de 20 anos, acho que nossa organização, embora pequena, teve várias oportunidades de mudar o ponto de vista do Japão sobre os índios brasileiros. Mas no Brasil, esse processo tem sido lento. Acredito que isso ocorra porque as pessoas enfrentam seus próprios problemas de sobrevivência, não tendo como se preocupar com as questões indígenas.

IP - Qual foi a impressão que você teve no primeiro contato com os índios?
Kenko -
Quando entramos pela primeira vez numa aldeia, eles se sentiam ameaçados por nos considerarem intrusos, embora nós, os asiáticos, tivéssemos a mesma origem deles – mongolóide. Estavam muito desconfiados. Lembro que nas duas primeiras vezes, fui com um grupo de pessoas e não tínhamos levado muitos mantimentos. Chegou a faltar comida, mas os índios se negavam a nos ceder alimento. Pensava comigo, “por que tinha de passar por isso?” Mas entendi que a reação era devido às péssimas lembranças que eles têm do passado. Há 500 anos, o Brasil era habitado pelos índios. Nessa época, viviam de 7 a 10 milhões de índios. Hoje restam apenas 350 a 380 mil deles – uma proporção de três para cada 100 pessoas. Eu diria que o progresso do Brasil ocorreu em troca de vidas e sofrimentos dos índios.

IP - A partir de quando o relacionamento com os nativos ficou mais próximo?
Kenko -
Isso aconteceu na quinta viagem. Sempre procurei cumprir as promessas, mesmo que fosse de algo que nos parece insignificante, como doar motor, balsa ou transmissor sem fio, mas que é de grande ajuda. Foi assim que eles começaram a acreditar em nós. Temos a grande responsabilidade de jamais destruir essa confiança, para que as próximas pessoas possam chegar sem problemas. Não quero que eles tenham a imagem de que os japoneses são traidores.

IP - Como foi a comunicação com eles nas primeiras visitas?
Kenko -
Era feita por intermédio de índios que falavam um pouco de português. No nosso grupo também havia um brasileiro, que entendia o dialeto deles. Para nos comunicarmos durante a visita, dava para misturar japonês, português e a língua indígena (embora talvez tivesse algum mal-entendido). Mas, quando se tratava de projetos, os materiais eram traduzidos.

IP - Qual foi a maior dificuldade que você teve para se adaptar à vida na floresta?
Kenko -
Na minha infância, morei no campo, onde tinha de cuidar das plantações e buscar água na fonte. Também não vivo só cercada pela modernidade. Quando entro na selva, vou preparada para enfrentar privações, como falta de água e banheiro. Confesso que no início foi complicado, mas fui me acostumando a ponto de hoje eu me sentir confortável na aldeia.

IP - Dos projetos realizados pela ONG, qual teve melhor resultado?
Kenko -
Muita gente pergunta o mesmo, mas os trabalhos que desenvolvemos não podem ser mensurados, porque se trata de área inexplorada e com conceito de valor diferente. Se for falar de alguns projetos, poderia citar a construção de escolas em seis aldeias. A estrutura do prédio de uma delas foi feita com a ajuda do governo japonês, e a ONG doou computadores, carteiras, cadeiras e livros. A construção das outras cinco escolas teve início em 1994, com o objetivo de manter a tradição e a cultura indígena.

IP - Como são as aldeias?
Kenko -
O local onde eles habitam é uma reserva que tem proteção do governo. Ali é proibida a entrada de pessoas de fora. Mas a periferia da reserva é explorada, com a instalação de fazendas. Principalmente na aldeia Bau, onde tinha um pequeno garimpo com exploração de ouro que usava a mão-de-obra de índios jovens e analfabetos. Nesse local, havia um bar e um prostíbulo freqüentados por eles. Alguns foram contaminados pelo vírus HIV, voltaram ao povoado e acabaram transmitindo a doença aos outros. Os líderes reconhecem que isso ocorre por falta de informação. Por isso consideraram importante a instalação de escolas. Seria uma forma de manter a tradição e ensinar sobre a sociedade brasileira.

IP - Que tipo de cuidados é necessário tomar para se relacionar com os índios?
Kenko -
A minha preocupação é não lhes impor o meu conceito de valor. Por exemplo: os índios não determinam o início nem o término de uma reunião, nem que o almoço deve ser ao meio-dia. Uma vez estando na aldeia, procuro seguir o ritmo deles.

IP - E o que aprendeu com eles?
Kenko -
São muitas coisas. No mundo civilizado, existem bens materiais em abundância, mas os homens são pobres espiritualmente. Pelo menos nos locais onde damos ajuda, não há casos de suicídio, de maus-tratos nem de pessoas neuróticas. Isso me faz pensar o que seria a felicidade dos homens. Conseguimos a prosperidade e os bens materiais à custa dos outros, nos esquecendo do que é o sentimento humano. Por isso não existe o respeito no mundo civilizado, coisa que é comum entre os índios.

 Arquivo - Entrevistas
• Hisashi Noguchi
“Novos caminhos devem ser procurados”
• Sachio Miura
“Doença de Chagas está na comunidade brasileira no Japão”
• Iolanda Keiko Ota
A candidata mais votada em 2010 entre os nikkeis
• Hidenori Sakanaka
“Brasileiros são importantes para o Japão”
• Keiichi Ito
Dirigente sindical defende fim das empreiteiras no Japão
• Toshiro Kobayashi
“Não se sai da crise sem mudar a postura”
• Isao Sawai
Em defesa da educação e da dignidade dos imigrantes
• Shiro Nakamoto
Japonês amortece choque em filhos de dekasseguis
• Kiyoto Tanno
Brasileiros precisam batalhar por soluções para seus problemas
• Haru Sugiyama
Falta de orgulho é problema
• Takaharu Hayashi
“Brasileiros precisam tomar uma atitude mais dinâmica”
• Kotaro Horisaka
Uma das maiores autoridades japonesas em economia brasileira
• Péricles Chamusca
Desde 2005 na J.League, o treinador baiano, que tem o respeito dos nipônicos
• Kenko Minami
Japonesa em defesa dos índios
• Yukiharu Takahashi
Escritor
• Masaru Hayakawa
Prefeito de Toyohashi
• Shigehiro Ikegami
Pesquisador
• Embaixador André Amado
“Tenho orgulho de minha gente”
• Ruth Cardoso
Respeito pelos imigrantes japoneses.

© Copyright 1992 - 2016 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados - www.nippo.com.br

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante.
Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

Sobre o Portal NippoBrasil | Fale com o Nippo