PORTAL NIPPOBRASIL ONLINE - 19 ANOS
-
Fale conosco: adm@nippo.com.br   
Domingo, 14 de agosto de 2022 - 22h28
DESTAQUES:
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Caderno Pesca

Pescarias de inverno
Anchovas, sororocas e olhetes são as estrelas das pescarias em altomar; e as trutas, em riachos, rios e represas
Sergio e seu olhetão

(Fotos: Arquivo Pessoal/Texto: Ilton T. Nomura)

Peixe sente frio? Ou o pescador é quem sente? Os peixes são pecilotérmicos, ou seja, têm a temperatura corpórea idêntica à temperatura ambiente. O metabolismo dos peixes é determinado pela característica de cada espécie e pela temperatura da água onde vivem. Mesmo nos rios gelados, existem camadas de água mais quentes e vice-versa. Isso faz com que os peixes sobrevivam aos invernos intensos e aos verões calorentos e até hibernem em situações extremas. Saindo da teoria para a prática, o que isso significa para o pescador? Com a mudança de clima, mudam as formas de pescar, os espécimes capturados e os locais de pesca.

"O tucunaré costuma se encardumar em pontos de
3 à 6 metros de profundidade, próximos a ilhas e margens mais fundas"

As mais encontradas

No alto-mar, vimos anchovas, sororocas e olhetes entrarem em grandes cardumes no lugar de xaréus, pampos, garoupas, prejerebas, bonitos e dourados que antes dominavam o cenário. Essas pescarias são bastante gratificantes,e muitos pescadores preferem o inverno do que o verão, pois o movimento das águas geladas traz consigo grande quantidade de alimento por meio das correntes marítimas. Porém, é importante tomar cuidado com as entradas de frente fria, que podem ser violentas e prejudicar a navegação e a segurança no alto-mar.


Anchovas invadem a costa nesta época

No canal, as tainhas reinam fazendo evoluções e malabarismos, pescadas e miraguaias ficam mais freqüentes. Nos riachos de montanha, trutas e tabaranas ficam se deliciando com as águas mais oxigenadas e limpas do inverno. Nos rios e represas, a situação é a mesma, um pouco desconfortável no dia da entrada da frente fria. O vento frio e a garoa fina são incômodos, mas é possível fisgar alguns exemplares, desde que mudemos a forma de pescar.

O tucunaré costuma se encardumar em pontos com até 3 a 6 metros de profundidade, próximos a ilhas e margens mais fundas, mas próximo de áreas rasas onde pode se alimentar, em galhadas, copas de árvores e outras estruturas. Apesar de ser um peixe tropical, nas represas do Sudeste costuma pegar bem, principalmente nas iscas de fundo como jumping jigs, colheres, rattlins, shads e meia-água.

Os black-basses tendem a ficar mais concentrados em faixas de temperatura mais adequada nessa época. A água com seu nível mais estabilizado, mais límpida e com a vegetação mais seca tem fatores que contribuem para elevar a piscosidade na entrada do inverno e facilitam a identificação dos pontos de pesca.

Dicas para uma boa pescaria
Verifique:
• Temperatura da água
• Tempo no período que antecedeu a pescaria
• Hábitos alimentares do espécime desejado
• Conhecimento dos locais mais profundos
• Horários de pesca
• Mudanças na forma de pescar
A soma desses fatores aliada à persistência em tentar capturar os espécimes da época trazem resultados promissores para a sua pescaria e não impedem o pescador amador de realizar a sua atividade, mesmo com o frio incomodando. Basta um pouco de paciência e aplicação para pegar o seu troféu, que, com certeza, irá chegar!

Ilton Toshio Nomura é pescador esportivo, atua no ramo da pesca há 11 anos e dáassessoria técnica para pescadores iniciantes.
ilton@tucuna.com.br
www.tucuna.com.br
 Arquivo - Pesca
Edição 288
Dicas para uma pesca tranqüila
Edição 286
Conheça alguns dos paraísos dos pescadores espalhados pelo Brasil
Edição 285
Variedade de iscas vivas sempre ajuda
Edição 281
Isca araçatubinha: original é feita em madeira
Edição 275
Emater divulga produção de tilápia
Edição 271
Rio Aguapeí: pescaria com muita beleza
Edição 269
Piscicultores precisam melhorar a qualidade do peixe para evitar prejuízos
Edição 263
Ainda há peixes nobres no Rio Paraná
Edição 261
Brasileiros mantêm pesca como hobby no Japão
Edição 259
Carpas coloridas criadas em Mogi das Cruzes
Edição 258
Pesca subaquática no interior de SP
Edição 257
Mexilhão dourado: espécie pode causar danos à piscicultura no MS
Edição 256
Equipe Tucunaguisa em busca de tucunarés entre São Paulo e Mato Grosso do Sul
Edição 254
Corvina: uma pesca muito especial
Edição 253
Desprezadas, piranhas superlotam o Tietê
Edição 252
Descoberta nova espécie de peixe no MS
Edição 250
O tão amado e tão odiado Black Bass...
Edição 249
Tucunaré, peixe de qualquer época nos lagos hidrelétricos do interior de SP
De encontro aos peixes gigantes...
Pesca e stress
Sinta a esportividade do Tucunaré em Panorama
Numa pescaria, o que vale é a AMIZADE...
Marlin-azul tem a primeira marcação eletrônica do Brasil
Conheça os peixes Apapá e o Pampo
Tucunaré, problema ou solução?
Dicas de Pescador
História de pescador
Mulheres na pesca - Sorte ou azar?
As estrelas do inverno
Mulheres nos pesque-pagues
Tambacus, brigadores indiscutíveis
Pescarias nos pesque-pague
Em busca dos tucunarés gigantes
Alto-mar: uma pescaria fascinante
Confira alguns nós mais utilizados nas pescarias
Embarcar numa excursão de pesca vale a pena?

© Copyright 1992 - 2016 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados - www.nippo.com.br

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante.
Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

Sobre o Portal NippoBrasil | Fale com o Nippo