PORTAL NIPPOBRASIL ONLINE - 19 ANOS
-
Fale conosco: adm@nippo.com.br   
Domingo, 14 de agosto de 2022 - 21h52
DESTAQUES:
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Caderno Pesca

Rabicho ou chicote
Os mais simples são os melhores, pois evitam embaraços na caixa, na água ou durante o lançamento
Arquivo/NB

Inicialmente, a linha a ser usada no rabicho deverá ser ligeiramente mais resistente que a linha mestra

(Texto e ilustrações: www.pesca.com.br)

O chicote ou rabicho é um tipo de líder, constituído de um conjunto de terminais que levará os anzóis e a chumbada unidas ao arranque por um girador. O chicote é usado em pesca de profundidade, que varia de acordo com os fatores climáticos, geográficos, material de pesca utilizado, isca, etc.

A confecção do chicote também deve ser praticada com afinco, observando-se os outros pescadores e desenvolvendo sua própria técnica. Existem bons chicotes prontos também. Os mais simples são os melhores, pois os geometricamente mais complicados são os que mais embaraçam na caixa de pesca, durante o lançamento ou na água.

Inicialmente, a linha a ser usada no rabicho deverá ser ligeiramente mais resistente que a linha mestra. A medida mais adequada é a de 80 cm para isso. Além disso, use linhas transparentes (nunca coloridas) e de preferência as de fluorocarbono. Na ponta, deverá ser presa a chumbada, através de um snap ou prendedor, na forma de uma pirâmide, que é a que melhor se adapta a esse tipo de pesca.

Entre o arranque e a chumbada, serão feitas as pernadas, que podem ser fixas ou giratórias:

Pernadas fixas

Confeccionadas com a própria linha do chicote, através de nó de sangue ou nó de cirurgião para pernada.

Pernadas giratórias

Para sua confecção, é necessário o auxílio de rotores, que possibilitam a redução dos embaraços. Existem várias formas de retê-los entre as miçangas que sustentam o rotor. Os métodos são:

• retenção permanente com nó de sangue;
• retenção permanente com nó de cirurgião;
• retenção ajustável com nó de retenção;
• retenção ajustável apenas com miçangas.

Nas pontas das pernadas serão aplicados os anzóis. A quantidade de anzóis varia de acordo com o tamanho do peixe, que pode ser grande (1 a 2 anzóis) e pequeno (2 ou 3). Uma vez montados os seus chicotes, acondicione-os numa cartela plástica, para ficar fácil de manuseá-los, no momento do uso.

Uniões

A união do chicote à chumbada realiza-se através da alça e, se a pesca for de lançamento, os nós devem estar bem atados. Ainda se podem usar snaps, presilhas e combinações de giradores com presilhas. Os giradores são dispensáveis no uso de carretilhas, mas essenciais com molinetes (porque a linha torce quando se enrola a linha em “freio solto”). A união do chicote ao líder ou linha principal, (com um girador), facilita montagem/desmontagem do material e a troca mais rápida do chicote.

 
Modelos de chicotes:

Com pernadas fixas
Com pernadas sustentadas pelo corpo do chicote e chumbada presa na sua extremidade. Segura para pesca de lançamento, porque o seu corpo é um prolongamento do líder. Suas pernadas são fixas (mais rápidas e econômicas).


Com pernadas ajustáveis
Semelhante ao modelo anterior, porém utilizando rotores fixados com nó de correr e miçangas.

Serviço:
www.pesca.com.br
 Arquivo - Pesca
Edição 288
Dicas para uma pesca tranqüila
Edição 286
Conheça alguns dos paraísos dos pescadores espalhados pelo Brasil
Edição 285
Variedade de iscas vivas sempre ajuda
Edição 281
Isca araçatubinha: original é feita em madeira
Edição 275
Emater divulga produção de tilápia
Edição 271
Rio Aguapeí: pescaria com muita beleza
Edição 269
Piscicultores precisam melhorar a qualidade do peixe para evitar prejuízos
Edição 263
Ainda há peixes nobres no Rio Paraná
Edição 261
Brasileiros mantêm pesca como hobby no Japão
Edição 259
Carpas coloridas criadas em Mogi das Cruzes
Edição 258
Pesca subaquática no interior de SP
Edição 257
Mexilhão dourado: espécie pode causar danos à piscicultura no MS
Edição 256
Equipe Tucunaguisa em busca de tucunarés entre São Paulo e Mato Grosso do Sul
Edição 254
Corvina: uma pesca muito especial
Edição 253
Desprezadas, piranhas superlotam o Tietê
Edição 252
Descoberta nova espécie de peixe no MS
Edição 250
O tão amado e tão odiado Black Bass...
Edição 249
Tucunaré, peixe de qualquer época nos lagos hidrelétricos do interior de SP
De encontro aos peixes gigantes...
Pesca e stress
Sinta a esportividade do Tucunaré em Panorama
Numa pescaria, o que vale é a AMIZADE...
Marlin-azul tem a primeira marcação eletrônica do Brasil
Conheça os peixes Apapá e o Pampo
Tucunaré, problema ou solução?
Dicas de Pescador
História de pescador
Mulheres na pesca - Sorte ou azar?
As estrelas do inverno
Mulheres nos pesque-pagues
Tambacus, brigadores indiscutíveis
Pescarias nos pesque-pague
Em busca dos tucunarés gigantes
Alto-mar: uma pescaria fascinante
Confira alguns nós mais utilizados nas pescarias
Embarcar numa excursão de pesca vale a pena?

© Copyright 1992 - 2016 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados - www.nippo.com.br

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante.
Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

Sobre o Portal NippoBrasil | Fale com o Nippo