Portal NippoBrasil - OnLine - 17 anos
Segunda-feira, 19 de novembro de 2018 - 20h58
  Empregos no Japão

  Busca
 
  Seções NippoBrasil
   Comunidade
   Opinião
   Circuito
   Notícias
   Agenda
   Dekassegui
   Entrevistas
   Especial
-
  Variedades
   Aula de Japonês
   Automóveis
   Artesanato
   Beleza
   Bichos
   Budô
   Comidas do Japão
   Cultura-Tradicional
   Culinária
   Haicai
   História do Japão
   Horóscopo
   Lendas do Japão
   Mangá
   Pesca
   Saúde
   Turismo-Brasil
   Turismo-Japão
-
  Esportes
   Copa do Mundo 2014
   Copa das
 Confederações 2013
-
  Especiais
   Imigração Japonesa
   120 anos de Amizade  Japão-Brasil
   Bomba de Hiroshima
   Japan House
   Festival do Japão 2018
-
 Colunas
   Conversando de RH
   Mensagens
     Roberto Shinyashiki
-
 Veja mais  Classificados
   Econômico
   Empregos no Brasil
   Guia Profissionais
   Imóveis
   Oportunidades
   Ponto de Encontro
-
  Interatividade
   Fale com a Redação
-
  Institucional
   Quem somos



Roteiro: Sistema de trabalho
 

• O mangá possui um estilo muito pessoal na condução d história. Enquanto na HQ americana as situações são mais claras e rápidas, o mangá, como em toda forma de expressão da cultura japonesa, possui passagens profundas, indiretas, instigando diversas interpretações. Um exemplo deste estilo: você pode mostrar a tensão de uma cena focalizando o ambiente à volta ou fazendo analogias com elementos paralelos.
Tadaimaa!! Vamos continuar a falar sobre roteiro, só que agora vamos ver como funciona a estrutura e sua forma de desenvolvimento.

Como sempre, é impossível ensinar como você vai escrever o seu roteiro, mas podemos analisar quais os meios que podem ser usados no desenvolvimento dele.

Quando falamos em roteiro de história em quadrinhos, para muitas pessoas isto parece algo fútil e fácil de fazer. Bem, em alguns casos até pode ser, mas se você não pensa assim, então é necessário uma seriedade muito maior, da mesma forma como é tratada em diversas publicações e filmes (infelizmente muitos não são...)

Existem formas variadas quando se trata de um plot para mangá. A vantagem dele é que você pode fazer layout e rascunhos junto com os textos.

Antes de mais nada, você precisa ter uma idéia concreta sobre o que vai escrever, seja qual for o gênero. Se não, procure lapidar a idéia até que lhe faça sentido.

Tenha em mente que escrever é um processo constante, sujeito a mudanças repentinas.

Algumas dicas para engatilhar um tema: uma viagem, uma experiência pessoal ou de outra pessoa, uma experiência pessoal ou de uma outra pessoa, um fato, um lugar. Pode até começar com uma idéia para o fim ou meio da história, enfim, isso é com você...

Definido o tema, procure condensar isso em poucas frases. Essa será sua bússola. Se não conseguir, escreva o quanto quiser, mas passo a passo, vá resumindo.

Tenha em mente que a estrutura é o elemento básico de um roteiro. É nele que a trama, acontecimentos, diálogos e personagens irão fluir. Mas ao mesmo tempo deve ser invisível. Entenda, as coisas devem fluir naturalmente, sem cortes abruptos, cenas sem vínculo, personagens sem função, enfim, tudo deve estar interagindo sem forçar, com cada acontecimento levando a outro e as idéias fazendo sentido ao longo da história. O roteiro tem que levar o leitor consigo, envolvê-lo e fazendo-o pensar o que virá a seguir. E não entediar.

Os elementos de um bom roteiro sempre serão: personagens, trama, ação, diálogos, seqüências, eventos e incidentes.

Para tanto, o formato básico de um roteiro sempre será:

• Ato 1: Começo – Ato 2: Meio – Ato 3: Fim.


Veja abaixo o diagrama.

• No Ato 1, os personagens são aos poucos apresentados e a trama começa sutilmente, sem revelações finais. Não entregue nada ainda.

• O Ato 2 é a confrontação. Os personagens principais encaram desafios e situações que irão revelá-los aos poucos. A história começa a aumentar o ritmo, seja com dificuldades, desafios, mistérios, dramas, comédias, etc. Ainda não deixe claro a trama verdadeira. Não deixe o leitor saber ao certo o que irá acontecer, faça-o pensar.

• No Ato 3, o plot já deve estar amarrando as pontas soltas ao longo dos outros atos, resolvendo situações e revelando diversas coisas.

• Mas é preciso ter certos momentos na sua história que serão vitais, como passagem de ato para o outro: são os pontos de virada. Compare com filmes e publicações. Esses pontos de virada vão instigar a trama, aumentando ou diminuindo o ritmo da história. Geralmente serão cenas com elementos surpresa ou de afirmação. A função deles é encaminhar a estrutura de forma mais natural.


• Procure usar diálogos soltos, ouça como as pessoas conversam no dia a dia, ou de acordo com o tema que você definiu.

• Mas não abuse de um ritmo muito cansativo, seja lento ou rápido. É importante que haja equilíbrio.

• Aprenda que seu plot estará sujeito sempre a mudanças. Não se limite à primeira versão. Releia e, se achou que algo não funciona, mude, reescreva outras soluções.

• Logo que acabar, descanse um pouco, um dia ou mais, depois releia tudo de novo. Muita coisa poderá ser mudada.

• Peça sempre ajuda de outras pessoas. Peça-as para ler seu plot, não tenha vergonha. Solicite que elas sejam extremamente sinceras.

• E acima de tudo, treine sempre, você só irá começar a produzir bons roteiros errando, pois com isso, saberá onde não tropeçar mais.

Mata ne!

 
Arquivo NippoBrasil - Edição 180 - 6 a 12 de novembro de 2002
Mangá Help
Arquivo Nippo - Edição 184
Anatomia: Mulheres
- Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 182
Anatomia: Mulheres
Arquivo Nippo - Edição 180
Roteiro: Sistema de trabalho
Arquivo Nippo - Edição 178
Roteiro: Interpretação e Criação
Arquivo Nippo - Edição 176
Dicas e Improvisos
Arquivo Nippo - Edição 174
Capa - Elementos Gráficos
Arquivo Nippo - Edição 172
Capa - Produção
Arquivo Nippo - Edição 170
Capa 1 - Introdução
Arquivo Nippo - Edição 168
Perspectiva Infinita 2
Arquivo Nippo - Edição 166
Perspectiva Infinita 1
Arquivo Nippo - Edição 162
Estilização - Anatomia
Arquivo Nippo - Edição 160
Arte Final - Técnicas
Arquivo Nippo - Edição 158
Arte Final - Acabamento
Arquivo Nippo - Edição 156
Arte Final - Materiais
Arquivo Nippo - Edição 154
Narrativa - 3
Arquivo Nippo - Edição 152
Narrativa - 2
Arquivo Nippo - Edição 150
Narrativa - 1
Arquivo Nippo - Edição 148
Animais:
Estilização de Tipos
Arquivo Nippo - Edição 146
Animais:
Construção de Tipos
Arquivo Nippo - Edição 144
Perspectiva Oblíqua - parte 2
Arquivo Nippo - Edição 142
Perspectiva Oblíqua - parte 1
Arquivo Nippo - Edição 140
Movimentação Marcial - Lutas
Arquivo Nippo - Edição 138
Movimentação Marcial - Armas
Arquivo Nippo - Edição 136
Perspectiva Linear
Arquivo Nippo - Edição 134
Narrativas
Arquivo Nippo - Edição 185
Toques e Dicas - 16
Arquivo Nippo - Edição 183
Toques e Dicas - 15
Arquivo Nippo - Edição 181
Toques e Dicas - 14
Arquivo Nippo - Edição 179
Toques e Dicas - 13
Arquivo Nippo - Edição 177
Toques e Dicas - 12
Arquivo Nippo - Edição 175
Toques e Dicas - 11
Arquivo Nippo - Edição 173
Toques e Dicas - 10
Arquivo Nippo - Edição 171
Toques e Dicas - 9
Arquivo Nippo - Edição 169
Toques e Dicas - 8
Arquivo Nippo - Edição 167
Toques e Dicas - 7
Arquivo Nippo - Edição 165
Toques e Dicas - 6
Arquivo Nippo - Edição 163
Toques e Dicas - 5
Arquivo Nippo - Edição 161
Toques e Dicas - 4
Arquivo Nippo - Edição 159
Toques e Dicas - 3

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2018 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados - www.nippo.com.br

198 usuários online