Portal NippoBrasil - OnLine - 17 anos
Domingo, 22 de setembro de 2019 - 8h18
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
 
Espelho de Matsuyama - Parte 1

Adaptação livre de Claudio Seto
(Texto e desenhos: Claudio Seto)

 

No imaginário japonês o espelho tem forte teor místico e faz parte da mitologia e do folclore deste milenar país insular. O espelho que na pré-história japonesa a Augusta Deusa Sol, Amaterassu Omikami, contemplou seu rosto ao deixar seu refúgio na gruta celeste, foi guardado no primeiro santuário construído no Japão, em Ise. Ainda hoje ele faz parte dos “Três Tesouros Sagrados do Japão”, juntamente com a espada e a jóia Magatama.

No Japão existem dois provérbios bastante conhecidos. O primeiro diz que “quando o espelho é escuro a alma do dono está impura”. A outra diz: “A espada é a alma do guerreiro, e o espelho da mulher”. e de acordo com Kojiki, o mais antigo livro do Japão, deus Izanagui deu para seus filhos um disco de metal prateado, altamente polido e lhes disse que se ajoelhassem humildemente diante do objeto a cada manhã ao despertar e cada noite antes de dormir. Para que com esse gesto de humildade pudessem subjugar as paixões e pensamentos negativos e maldosos, de tal forma que o espelho de bronze pudesse refletir, somente a pureza do espírito de cada um.

O espelho é assim parte da tradição antiga japonesa. Existe uma lenda famosa conhecida como “O Espelho de Matsuyama”. Trata-se de uma história de amor materno. Acredita-se que Matsuyama (montanha de pinheiros) apesar de ser sobrenome de família, nesse caso refere se a região onde ocorreu a história. Vamos a lenda:

Há muitos e muitos anos atrás, quando de viagem à Kyoto, antiga capital do Japão, um homem trouxe de presente para sua esposa, um espelho de bronze, com decorações em baixo relevo na parte de trás, tendo como motivos símbolos de longa vida e fidelidade no casamento: Um pinheiro (matsu) e um par de garça tsuru. Acredita-se que a garça tsuru assim como o pato mandarim, tem apenas um (a) companheiro (a) na vida. Quando um morre o outro permanece sozinho o resto de sua vida.

Nessa época espelho era feito de bronze polido e tratava-se de um objeto raro que somente as pessoas de muita posse podiam adquirir. A esposa que nunca tinha se visto em um espelho, ficou envergonha e ao mesmo tempo feliz, ao ver sua bela imagem ali refletida.

O casal tinha uma filha pequena que com o passar do tempo foi crescendo e ficando cada vez mais parecida com a mãe. Quando ela transformou-se numa bela garota, a mãe foi vitimada por uma doença atroz. Então a mocinha cuidava dos afazeres da casa e dava comida para a mãe que estava enfraquecida no leito. A bela garota fez de tudo para que a mãe melhorasse, porém dia a dia ela foi piorando.

Certo dia percebendo que estava morrendo, chamou a filha para perto do leito e disse:

-Quando eu partir, quero que cuide bem de seu pai e sejam felizes.
-Jamais poderemos ser feliz sem você mamãe. Disse a menina a chorar.

-Por favor não chore. Estarei sempre perto de você, quando você quiser encontrar comigo olhe para dentro desta caixa que dou para você. Essa caixa foi um presente que seu pai trouxe da capital, quando você ainda era um bebe. Dizendo isso a mãe passou a caixa que continha o espelho de bronze para a filha. No dia seguinte ela veio a falecer.

A menina chorou muito, pois não era caixa de presente que ela queria, mas sim que sua mãe melhorasse e continuasse vivendo com ela. O pai e a filha já não sabiam o que fazer, pouco conversavam e a casa caiu numa profunda tristeza.

Continua...

 
Adaptação livre de Claudio Seto

Arquivo NippoBrasil - Edição 220 - 20 a 26 de agosto de 2003
Lendas do Japão
Arquivo Nippo - Edição 262
Kinuhime, a deusa da seda
Arquivo Nippo - Edição 260
Os ratos sumotoris
Arquivo Nippo - Edição 258
A origem da estrela-do-mar
Arquivo Nippo - Edição 256
O leque mágico
Arquivo Nippo - Edição 254
Guengoro e o tambor encantado
Arquivo Nippo - Edição 252
O nascimento de Zenshi no Mikoto
Arquivo Nippo - Edição 250
Toguênkyo - Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 248
Toguênkyo - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 246
Warashibe Choja - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 244
Warashibe Choja - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 242
O nome da gata
Arquivo Nippo - Edição 240
O Perfeito Macaco-Rei
Arquivo Nippo - Edição 238
Cesto cheio de água
Arquivo Nippo - Edição 236
O Macaco e a Água Viva - Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 234
O Macaco e a Água Viva - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 232
O Mestre da Sabedoria
Arquivo Nippo - Edição 230
Zuiten
Arquivo Nippo - Edição 228
O Dia Seguinte
Arquivo Nippo - Edição 226
A Estátua e os Macacos
Arquivo Nippo - Edição 224
O fruto da cor de ouro
Arquivo Nippo - Edição 222
Espelho de Matsuyama - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 220
Espelho de Matsuyama - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 218
Shinguen e o Egoísmo
Arquivo Nippo - Edição 216
Ki o niguiru meiso
(Meditar com o bonsai)
Arquivo Nippo - Edição 214
O bambu e a correnteza
Arquivo Nippo - Edição 212
O trovão que caiu das nuvens - Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 210
O trovão que caiu das nuvens - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 208
Tudo sob controle
Arquivo Nippo - Edição 206
O guetá encantado
Arquivo Nippo - Edição 204
A mão e a ira - Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 202
A mão e a ira - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 200
Kobutori Jiji
Arquivo Nippo - Edição 198
O tesouro das camélias
Arquivo Nippo - Edição 196
A origem da cigarra Chibahime
Arquivo Nippo - Edição 194
Oyakoko zaru
Arquivo Nippo - Edição 192
O Mestre da Sabedoria
Arquivo Nippo - Edição 190
Kassajizo
Arquivo Nippo - Edição 188
O coelho da lua

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2019 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados

153 usuários online