Portal NippoBrasil - OnLine - 17 anos
Segunda-feira, 22 de julho de 2019 - 1h32
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
 
O trov„o que caiu das nuvens - Parte Final
 

Adaptação livre de Claudio Seto
(Texto e desenhos: Claudio Seto)

 

No folclore japonês Kaminari (trovão) é personificado por um ser demoníaco, de cor verde. Conta uma lenda que numa tarde de verão, no povoado de Owari no Kuni (País de Owari, atual província de Aichi), depois de uma chuva torrencial um lavrador encontrou uma criatura que de certo modo lembrava o oni (demônio), porém se diferenciava pela sua pele de cor verde. O lavrador então lembrou que aquela criatura só podia ser um trovão. Cuidou de seus ferimentos e o hospedou em sua casa. Quando já estava recuperada a criatura disse ao lavrador para fazer um pedido. O homem não hesitou e pediu um filho.

NOVE MESES DEPOIS

Durante muitos meses a casa do lavrador era só alegria. A medida que a barriga da sua mulher ia crescendo, o lavrador ficava mais ansioso, pelo filho que estava para chegar. Cada trovoada ele levantava a cabeça para as nuvens e agradecia mentalmente ao trovão.

Finalmente chegou o grande dia e nasceu um menino muito forte. O garoto cresceu sendo tratado com muito carinho. O menino gostava muito de estudar, mas como não havia escola na região foi enviado para um mosteiro budista, como aprendiz de monge. Ali todos se espantavam com a incrível força que tinha o garoto. Comentavam que sua força era equivalente a de cinco adultos juntos.

Naquela época, todas as noites, as pessoas que habitavam o mosteiro estavam sendo amedrontadas por um terrível oni. O malvado torturava os noviços que iam bater o sino, mordendo lhes as orelhas, quebrando as pernas ou arrancando os cabelos. Assim, com medo do ataque do demônio, o sino que era uma referência da hora de jantar para os lavradores da região, havia silenciado já há algum tempo.

Ficando sabendo da história o filho do lavrador que era forte e destemido, pediu ao monge superior que o deixasse bater o sino todas as noites.

-Está bem, mas não quero que se machuque inutilmente. Se o Oni aparecer corra para dentro do mosteiro.

Quando a noite chegou, o menino subiu o morro dos pinheiros onde ficava o grande sino e começou a bater. Logo apareceu o demônio irritado com o som vibrante do grande sino e agarrou o garoto por trás, pela gola da vestimenta. O menino girou o corpo e agarrou a cabeça do demônio. A reação surpreendeu o oni que estava acostumado com choro e tentativa de fuga dos noviços.

O menino era tão forte que o demônio sentiu-se sufocado com o apertão que ele lhe dava na cabeça. Então o demônio agarrou o menino pelos cabelos e puxou com toda força, para se livrar dele. Porém o garoto não desgrudou e foi um puxa-puxa sem fim. Percebendo que o garoto era forte demais, o demônio tentou fugir correndo, porém, o menino, abraçou um tronco de árvore com as pernas enquanto apertava com força a cabeça do adversário.

Quando o galo cantou anunciando o amanhecer, o oni que não suporta o sol, deu um berro apavorado e saiu na disparada, deixando o próprio braço pendurado no couro cabeludo do menino. Quando o sol se levantou, os monges do mosteiro que sofreram a noite inteira ouvindo gritos horríveis de luta, se aproximaram preocupados. O garoto estava com a o braço do demônio e sorridente pela vitória.

Há quem diga que essa lenda se refere à infância de Mussashi-bo Benkei, um monge de força espantosa que teria vivido no período Heian (784-1192). A única certeza de tudo isso é que desde então, nunca mais apareceu nenhum oni nas proximidades do mosteiro Genkoji, e a paz voltou à região de Owari.

Fim...

 
Adaptação livre de Claudio Seto

Arquivo NippoBrasil - Edição 212 - 25 de junho a 1 de julho de 2003
Lendas do Japão
Arquivo Nippo - Edição 256
O leque mágico
Arquivo Nippo - Edição 254
Guengoro e o tambor encantado
Arquivo Nippo - Edição 252
O nascimento de Zenshi no Mikoto
Arquivo Nippo - Edição 250
Toguênkyo - Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 248
Toguênkyo - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 246
Warashibe Choja - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 244
Warashibe Choja - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 242
O nome da gata
Arquivo Nippo - Edição 240
O Perfeito Macaco-Rei
Arquivo Nippo - Edição 238
Cesto cheio de água
Arquivo Nippo - Edição 236
O Macaco e a Água Viva - Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 234
O Macaco e a Água Viva - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 232
O Mestre da Sabedoria
Arquivo Nippo - Edição 230
Zuiten
Arquivo Nippo - Edição 228
O Dia Seguinte
Arquivo Nippo - Edição 226
A Estátua e os Macacos
Arquivo Nippo - Edição 224
O fruto da cor de ouro
Arquivo Nippo - Edição 222
Espelho de Matsuyama - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 220
Espelho de Matsuyama - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 218
Shinguen e o Egoísmo
Arquivo Nippo - Edição 216
Ki o niguiru meiso
(Meditar com o bonsai)
Arquivo Nippo - Edição 214
O bambu e a correnteza
Arquivo Nippo - Edição 212
O trovão que caiu das nuvens - Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 210
O trovão que caiu das nuvens - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 208
Tudo sob controle
Arquivo Nippo - Edição 206
O guetá encantado
Arquivo Nippo - Edição 204
A mão e a ira - Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 202
A mão e a ira - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 200
Kobutori Jiji
Arquivo Nippo - Edição 198
O tesouro das camélias
Arquivo Nippo - Edição 196
A origem da cigarra Chibahime
Arquivo Nippo - Edição 194
Oyakoko zaru
Arquivo Nippo - Edição 192
O Mestre da Sabedoria
Arquivo Nippo - Edição 190
Kassajizo
Arquivo Nippo - Edição 188
O coelho da lua
Arquivo Nippo - Edição 184
O samurai e o cachorro guardião
Arquivo Nippo - Edição 182
Zenchi-Bonsai – O amor ao próximo
Arquivo Nippo - Edição 180
A tigela de madeira

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2019 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados

135 usuários online