Portal NippoBrasil - OnLine - 17 anos
Quinta-feira, 23 de novembro de 2017 - 13h08
  Empregos no Japão

  Busca
 
  Seções NippoBrasil
   Comunidade
   Opinião
   Circuito
   Notícias
   Agenda
   Dekassegui
   Entrevistas
   Especial
-
  Variedades
   Aula de Japonês
   Automóveis
   Artesanato
   Beleza
   Bichos
   Budô
   Comidas do Japão
   Cultura-Tradicional
   Culinária
   Haicai
   História do Japão
   Horóscopo
   Lendas do Japão
   Mangá
   Pesca
   Saúde
   Turismo-Brasil
   Turismo-Japão
-
  Esportes
   Copa do Mundo 2014
   Copa das
 Confederações 2013
-
  Especiais
   Imigração Japonesa
   120 anos de Amizade  Japão-Brasil
   Bomba de Hiroshima
   Japan House
   Festival do Japão 2016
-
 Colunas
   Conversando de RH
   Mensagens
     Roberto Shinyashiki
-
 Veja mais  Classificados
   Econômico
   Empregos no Brasil
   Guia Profissionais
   Imóveis
   Oportunidades
   Ponto de Encontro
-
  Interatividade
   Fale com a Redação
-
  Institucional
   Quem somos


Arquivo NippoBrasil - Edição 204 - 30 de abril a 6 de maio de 2003
 
A mão e a ira - Parte Final
Lenda da Província de Okinawa

Adaptação livre de Claudio Seto
(Texto e desenhos: Claudio Seto)

 

Na primeira parte desta lenda, um pescador chamado Midon, da aldeia de Otoman em Okinawa, adoeceu e ficou muito tempo sem trabalhar. Para seu sustento e da mãe, emprestou dinheiro do samurai Kodama Sozaemon. O pescador pensava que em dois meses voltaria à pesca e poderia pagar o empréstimo e seu alto juros. Porém decorrido o prazo, Midon não havia recuperado a saúde. O samurai concordou em prorrogar o prazo por mais dois meses, mas no dia marcado o pescador ainda não havia conseguido o dinheiro e por isso se escondeu. O samurai percorreu toda aldeia e acabou encontrando-o escondido nos rochedos. Kodama Sozaemon estava furioso e não aceitava as desculpas do pescador. Quando ele ergueu sua espada visando cortar o pescoço do pobre homem soou uma voz do fundo da caverna que falava em dialeto Okinawa, incompreensível para o samurai.

- Midon, o que disse a voz?
-Tenho certeza de que era a voz de um deus. Ela disse: “Se sentir a ira, recolha o punho, se o punho avançar, reprima a ira”.

-Está bem, por hoje passa. Não estou me sentindo bem. Hoje vou me embora. Mas amanhã me traga o dinheiro à minha casa, está entendido? Se mentir desta vez, não o deixarei vivo, está ouvindo, Midon?
Kodama foi embora. Agradecido, Midon curvou-se reverentemente em direção ao fundo da caverna e agradeceu a intervenção da divindade.

No dia seguinte o pescador bateu à porta de várias famílias e conseguiu reunir emprestado a quantia correspondente ao pagamento e se dirigiu, ainda com medo, à mansão de Kodama. O comerciante não estava mais lá. Havia embarcado num navio para Satsuma.

Durante a viagem, o comerciante parou em duas ou três ilhas para tratar de negócios, chegando à sua casa de Satsuma, na noite do terceiro dia.

Considerando o avançado da hora e não querendo acordar o pessoal da casa, entrou pelos fundos. Na alcova havia luz. Ao olhar para o leito da mulher, Kodama quase não acreditou no que via. Ao lado da esposa deitada, aparecia a cabeça de um homem. Transtornado, o mercador ergueu a espada, para dar um golpe fatal. Nesse instante, ecoou nos ouvidos do samurai a voz da caverna de Itoman: “Se surgir a ira recolha o punho; se o punho avançar, reprima a ira!”

Nesse momento o homem que estava dormindo ao lado de sua mulher levantou e disse:
-Oh, é você filho, voltastes tão tarde da noite.
Era sua mãe usando uma peruca de homem.

-Sabendo que você está ausente, pode haver alguém que tente invadir a casa. Por isso, sempre que você viaja, coloco esta peruca de homem e venho dormir no seu quarto.
Suando frio o samurai pensou: Se aquela voz não ecoasse nos meus ouvidos, eu teria com certeza assassinado minha mãe e minha mulher. Kodama agradeceu de coração à divina providência.

Um ano depois completamente recuperado, Midon, que trabalhou intensa e incansavelmente, reuniu o dinheiro e juros da dívida e se preparava para viajar a Satsuma. Nesse dia, Kodama veio visitá-lo.

Além do empréstimo e juros, o pescador queria entregar mais dinheiro ao comerciante, em sinal de gratidão, pois o socorrera em hora de dificuldades. Colocando o braço no ombro de Midon, o samurai declarou:

- Graças à voz da caverna ouvida naquela ocasião, não matei minha mãe e minha mulher. Hoje vim aqui para expressar meus agradecimentos a você. Sua dívida está quitada. Quero que esse dinheiro fique com você.
- Não posso aceitar, é um absurdo!
- Nada disso, aceite-o por favor.

A discussão entre os dois parecia não ter fim. Para solucionar o impasse, Kodama propôs:
- Então, que acha deixarmos esse dinheiro no fundo da caverna em sinal de nossa gratidão?
E colocaram o dinheiro no interior da caverna.

Anos depois, os habitantes de Itoman construiram um templo, no alto da rocha da caverna dedicado ao seu deus tutelar, dando lhe o nome de Hakugin-dô (Templo da Prata Branca).
Como as palavras da caverna equivalem ao princípio do karatê, segundo o qual jamais se deve atacar primeiro, Hakugin-dô é também o deus da arte do karatê.

Fim!

 
Adaptação livre de Claudio Seto
Lendas do Japão
Arquivo Nippo - Edição 216
Ki o niguiru meiso
(Meditar com o bonsai)
Arquivo Nippo - Edição 214
O bambu e a correnteza
Arquivo Nippo - Edição 212
O trovão que caiu das nuvens - Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 210
O trovão que caiu das nuvens - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 208
Tudo sob controle
Arquivo Nippo - Edição 206
O guetá encantado
Arquivo Nippo - Edição 204
A mão e a ira - Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 202
A mão e a ira - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 200
Kobutori Jiji
Arquivo Nippo - Edição 198
O tesouro das camélias
Arquivo Nippo - Edição 196
A origem da cigarra Chibahime
Arquivo Nippo - Edição 194
Oyakoko zaru
Arquivo Nippo - Edição 192
O Mestre da Sabedoria
Arquivo Nippo - Edição 190
Kassajizo
Arquivo Nippo - Edição 188
O coelho da lua
Arquivo Nippo - Edição 184
O samurai e o cachorro guardião
Arquivo Nippo - Edição 182
Zenchi-Bonsai – O amor ao próximo
Arquivo Nippo - Edição 180
A tigela de madeira
Arquivo Nippo - Edição 178
Um Nome Comprido
Arquivo Nippo - Edição 176
A Borboleta Branca
Arquivo Nippo - Edição 174
Ubazakurá
Arquivo Nippo - Edição 172
Lenda da origem
do Bon Odori
Arquivo Nippo - Edição 170
Sô dessu ká?
Arquivo Nippo - Edição 170
Nada tenho
Arquivo Nippo - Edição 168
A moeda de Nobunaga
Arquivo Nippo - Edição 168
Acreditar em sonhos
Arquivo Nippo - Edição 166
Bunbuku Chagama: A chaleira encantada - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 164
Bunbuku Chagama: A chaleira encantada - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 153
Lenda da origem do Bon Odori
Arquivo Nippo - Edição 151
A esposa abandonada
Arquivo Nippo - Edição 149
A nora da fortuna
Arquivo Nippo - Edição 147
O Fantasma do Poço
Arquivo Nippo - Edição 145
Apreciando as cerejeiras
Arquivo Nippo - Edição 143
Carro de Boi
Arquivo Nippo - Edição 141
O Mestre
Arquivo Nippo - Edição 139
Você é sua prisão
Arquivo Nippo - Edição 137
O céu e o inferno
Arquivo Nippo - Edição 135
Desejando Deus

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2017 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados - www.nippo.com.br

147 usuários online


Redação: editor@nippo.com.br

Diretoria: diretoria@nippo.com.br

Vendas: anuncie@nippo.com.br

Tel: (11) 9 5371 4019 (TIM)

Mais contatos e envio de releases