Portal NippoBrasil - OnLine - 17 anos
Terça-feira, 17 de setembro de 2019 - 2h27
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-
Arquivo NippoBrasil - Edição 182 - 20 a 26 de novembro de 2002
 
Zenchi-bonsai – O amor ao próximo

Adaptação livre de Claudio Seto
(Texto e desenhos: Claudio Seto)

No antigo Japão, na região de Yamato, havia uma pequena aldeia chamada Zenchi-murá, cercada de florestas e montanhas por todos os lados. Por ser muito difícil chegar lá, a aldeia ficou completamente isolada do resto do país durante séculos. Esse fato fez com que o dinheiro perdesse totalmente seu valor até que finalmente deixou de existir. Tudo que as pessoas precisavam eram trocados. Tudo que era cultivado ou produzido era trocado por outros produtos ou por serviços.

Como não existia dinheiro, ouro e pedras preciosas perderam também seu valor. A coisa mais valiosa do local era o amor ao próximo. Assim, a aldeia vivia na mais perfeita harmonia porque todos faziam questão de demonstrar esse amor. Os habitantes do local sabiam cultivar bonsai, pois era uma arte passada de pai para filho durante várias gerações e a Zenchikyô (Seita Zenchi) o empregava para meditação terapêutica, unindo a aura da planta com a aura humana.

Não se sabe a partir de quando, porém, curiosamente - pelo fato de o bonsai ser uma árvore tratada com carinho e é símbolo de longevidade - passou a simbolizar o amor ao próximo. Era comum, então, as pessoas presentearem outras com um vaso de Zenchi-bonsai sem esperar nada em troca.

As pessoas davam seu melhor bonsai (amor ao próximo), pois sabiam que receberiam outros a qualquer momento ou dia. Assim os Zenchi-bonsais da aldeia circulavam de casa em casa, sendo tratados com todo carinho por onde passavam.

Um dia, um jovem da aldeia se perdeu na floresta e depois de muito caminhar, foi parar numa grande cidade, além das montanhas. Ao passar diante de uma mansão, viu belos bonsais no jardim e ficou impressionado. Pediu ao jardineiro que lhe desse uns vasos, pois queria presentear as pessoas da sua aldeia.

O jardineiro explicou que isso era impossível pois aqueles bonsais valiam uma fortuna. Ao ouvir a história do moço sobre os bonsais de sua aldeia, o jardineiro aconselhou a não dá-los e apenas receber dos outros, assim ele se tornaria a pessoa mais rica da aldeia, pois poderia vendê-los quando quisesse nas grandes cidades

Iludido pelas palavras do jardineiro, o rapaz, que era uma das pessoas mais populares e queridas da aldeia, passou a juntar bonsais (amor ao próximo) e em pouquíssimo tempo o quintal de sua casa estava repleto de bonsais, tornando-se até difícil de circular nele.

Então, quando a aldeia já estava praticamente sem Zenchi-bonsais (amor ao próximo), as pessoas começaram a guardar os poucos que tinham e toda a harmonia da cidade desapareceu. Sem Zenchi-bonsais (amor ao próximo) surgiram a ganância, a desconfiança, o primeiro roubo, o ódio, a discórdia, e as pessoas brigavam pela primeira vez e passaram a ignorar-se pelas ruas.

Como era o mais querido da aldeia, o rapaz foi o primeiro a sentir tristeza e solidão. Então atravessou a montanha e foi procurar o jardineiro para perguntar se aquilo fazia parte da riqueza que ele tinha acumulado.

-Ora meu bom jovem, esqueça a tristeza e a solidão, traga seus bonsais para cá e venda aos nobres da corte, que você vai ganhar uma montanha de dinheiro.

-Com esse todo esse dinheiro poderei comprar a amizade, felicidade e harmonia?
-Claro que não. O dinheiro só compra coisas materiais, respondeu o jardineiro.

Diante da resposta, o moço da aldeia tomou uma decisão. Colocou os Zenchi-bonsais (amor ao próximo) num carrinho de mão e caminhou por toda aldeia distribuindo aleatoriamente os bonsais. A todos que dava, ele apenas dizia:
- Obrigado por receber o meu Zenchi-bonsai (amor ao próximo)

Assim, sem medo de acabar com seus bonsais, ele distribuiu até o último amor ao próximo, sem receber um só de volta. Sem que tivesse tempo de sentir solidão e tristeza novamente, alguém caminhou até ele e lhe deu um Zenchi-bonsai (amor ao próximo).

Um outro fez o mesmo... Mais outro... e outro... até que definitivamente a aldeia voltou a ser feliz novamente.

 
Adaptação livre de Claudio Seto
Lendas do Japão
Arquivo Nippo - Edição 262
Kinuhime, a deusa da seda
Arquivo Nippo - Edição 260
Os ratos sumotoris
Arquivo Nippo - Edição 258
A origem da estrela-do-mar
Arquivo Nippo - Edição 256
O leque mágico
Arquivo Nippo - Edição 254
Guengoro e o tambor encantado
Arquivo Nippo - Edição 252
O nascimento de Zenshi no Mikoto
Arquivo Nippo - Edição 250
Toguênkyo - Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 248
Toguênkyo - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 246
Warashibe Choja - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 244
Warashibe Choja - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 242
O nome da gata
Arquivo Nippo - Edição 240
O Perfeito Macaco-Rei
Arquivo Nippo - Edição 238
Cesto cheio de água
Arquivo Nippo - Edição 236
O Macaco e a Água Viva - Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 234
O Macaco e a Água Viva - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 232
O Mestre da Sabedoria
Arquivo Nippo - Edição 230
Zuiten
Arquivo Nippo - Edição 228
O Dia Seguinte
Arquivo Nippo - Edição 226
A Estátua e os Macacos
Arquivo Nippo - Edição 224
O fruto da cor de ouro
Arquivo Nippo - Edição 222
Espelho de Matsuyama - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 220
Espelho de Matsuyama - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 218
Shinguen e o Egoísmo
Arquivo Nippo - Edição 216
Ki o niguiru meiso
(Meditar com o bonsai)
Arquivo Nippo - Edição 214
O bambu e a correnteza
Arquivo Nippo - Edição 212
O trovão que caiu das nuvens - Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 210
O trovão que caiu das nuvens - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 208
Tudo sob controle
Arquivo Nippo - Edição 206
O guetá encantado
Arquivo Nippo - Edição 204
A mão e a ira - Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 202
A mão e a ira - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 200
Kobutori Jiji
Arquivo Nippo - Edição 198
O tesouro das camélias
Arquivo Nippo - Edição 196
A origem da cigarra Chibahime
Arquivo Nippo - Edição 194
Oyakoko zaru
Arquivo Nippo - Edição 192
O Mestre da Sabedoria
Arquivo Nippo - Edição 190
Kassajizo
Arquivo Nippo - Edição 188
O coelho da lua

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2019 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados

105 usuários online