Portal NippoBrasil - OnLine - 17 anos
Sexta-feira, 20 de julho de 2018 - 1h52
  Empregos no Japão

  Busca
 
  Seções NippoBrasil
   Comunidade
   Opinião
   Circuito
   Notícias
   Agenda
   Dekassegui
   Entrevistas
   Especial
-
  Variedades
   Aula de Japonês
   Automóveis
   Artesanato
   Beleza
   Bichos
   Budô
   Comidas do Japão
   Cultura-Tradicional
   Culinária
   Haicai
   História do Japão
   Horóscopo
   Lendas do Japão
   Mangá
   Pesca
   Saúde
   Turismo-Brasil
   Turismo-Japão
-
  Esportes
   Copa do Mundo 2014
   Copa das
 Confederações 2013
-
  Especiais
   Imigração Japonesa
   120 anos de Amizade  Japão-Brasil
   Bomba de Hiroshima
   Japan House
   Festival do Japão 2018
-
 Colunas
   Conversando de RH
   Mensagens
     Roberto Shinyashiki
-
 Veja mais  Classificados
   Econômico
   Empregos no Brasil
   Guia Profissionais
   Imóveis
   Oportunidades
   Ponto de Encontro
-
  Interatividade
   Fale com a Redação
-
  Institucional
   Quem somos


Arquivo NippoBrasil - Edição 093 - 1º a 7 de março de 2001
 
A gratidão da Garça (Tsuru no Ongaeshi) - Parte 3

Adaptação livre de Claudio Seto
(Texto e desenhos: Claudio Seto)

 
O barulho que era forte
De repente o ritmo perdeu
E como se houvesse um corte
O som quase desapareceu

O moço ficou preocupado
Com a saúde da amada
Sabia agora que ela estava
Totalmente abalada

Pensou em abrir a porta
Da cabana do tear
Mas lembrou-se da promessa
E teve que se segurar

Porém o tempo foi passando
A ansiedade foi aumentando
E o nervo à flor da pele
Nada mais segurou ele

Enorme susto levou
Abrindo a porta de repente
Quem no tear trabalhava
Era uma garça e não gente


Que vida sacrificada!
A pobre garça cansada
Com a própria pena arrancada
Para tecer usava desfiada


O susto foi tão grande
Que moço quase perde a fala
Estava casado com uma garça ?
Que enigma ! Que mandala !

A garça responsável pela charada
Ao ser vista em sua forma original
Ficou por demais envergonhada
E transformou-se na esposa angelical

O susto inicial passado
Tudo ficou explicado
- Sou aquela garça ferida
Que você salvou a vida

- Graças a grande bondade
Desse seu enorme coração
Fiquei livre da armadilha
Onde eu estava tolhida

- Para mostrar minha gratidão
E amenizar sua solidão
Tornei-me uma garça encantada
Para ser a sua amada



- Queria minha gratidão mostrar
Para meu espírito apaziguar
Pois para sempre a vida lhe devo
E quero muito lhe pagar

- Mas isso tornou-se impossível
Pois você quebrou a promessa
Continuar assim é dor de cabeça
Não posso por mais que você peça

- Você me viu como animal
Em minha forma original
Devo viver daqui para frente
Como sou ao natural

- É a lei da selva, a lei da magia
Pois seu ato quebrou o encanto
Agora sem fazer simpatia
Devo curtir o desencanto

Aos poucos ela foi mudando
Numa garça transformando
E voou para o infinito
Deixando o moço aflito


O desespero foi aumentando
O coração acelerando
E o rapaz saiu na corrida
Gritando - Volte querida

- Não quero dinheiro
Muito menos ser festeiro
Não sonho com mesa farta
Só lhe peço que não parta

- Sem você não sei viver
É de morrer, acordar e nào te ver
Não quero sofrer assim
Só quero você perto de mim !

O moço caiu de joelho
Exausto de tanto correr
No gelo que se fez espelho
Viu a garça desaparecer

 

COMENTÁRIO
“A Gratidão da Garça” ou Tsuru no Ongaeshi como é chamada em japonês é uma antiga lenda que tem como tema principal o on - uma questão ética e moral muito enraizada na cultura do povo. Essa palavra, ou conceito, pode ser traduzida por aproximação como dívida de gratidão (que inclui favores ou benefícios recebidos, graça, bondade e benevolência). O on como conceito é muito amplo, podendo a dívida de gratidão ser uma obrigação moral hierárquica em relação ao imperador (ko on), aos pais (oya on), ao chefe (nushi no on), ao professor (shi no on) ou on circunstânciais durante a vida, como no caso desta lenda. A garça foi salva de uma armadilha deixada por um caçador, e tornou-se devedora de on ao jovem da montanha. E ele em relação a ela passa a ser seu onjin (Homem do on).

Na ética japonesa on é uma dívida que precisa ser paga custe o que custar. Portanto é um pesado fardo a ser carregado e nem sempre pagável durante uma vida inteira. O pagamento desta dívida de gratidão chama-se ongaeshi (que é o título desta lenda) e o ato ou empenho que uma pessoa faz no sentido de cumprir essa obrigação de pagar é considerado virtude. Portanto esta lenda que numa tradução literal chamaria “O Pagamento da Dívida de Gratidão da Garça” poderia muito bem ser traduzida como “A virtude da Garça”.

É interessante observar que por desconhecimento desse antiga código de ética moral, muitos contos ou novelas românticas japonesas, quando traduzido para línguas ocidentais, são interpretadas erroneamente como submissão da mulher japonesa. Outra característica das lendas e contos do Japão é que raramente terminam em happy end como acontece no ocidente. Nesta lenda por exemplo, a garça encantada não conseguiu pagar devidamente sua dívida de gratidão, porque um imprevisto surgiu no meio da história: a ganância. E o rapaz que era bondoso, humilde e solitário, viveu por alguns dias momentos nunca experimentado de felicidade à dois. Mas na preocupação de dar melhor condição (material) para sua amada e para sí, deixou-se levar pela imprevista ganância. E como acontece em muitas lendas japonesas os dois foram infelizes para sempre.

 
Adaptação livre de Claudio Seto
Lendas do Japão
Arquivo Nippo - Edição 238
Cesto cheio de água
Arquivo Nippo - Edição 236
O Macaco e a Água Viva - Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 234
O Macaco e a Água Viva - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 232
O Mestre da Sabedoria
Arquivo Nippo - Edição 230
Zuiten
Arquivo Nippo - Edição 228
O Dia Seguinte
Arquivo Nippo - Edição 226
A Estátua e os Macacos
Arquivo Nippo - Edição 224
O fruto da cor de ouro
Arquivo Nippo - Edição 222
Espelho de Matsuyama - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 220
Espelho de Matsuyama - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 218
Shinguen e o Egoísmo
Arquivo Nippo - Edição 216
Ki o niguiru meiso
(Meditar com o bonsai)
Arquivo Nippo - Edição 214
O bambu e a correnteza
Arquivo Nippo - Edição 212
O trovão que caiu das nuvens - Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 210
O trovão que caiu das nuvens - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 208
Tudo sob controle
Arquivo Nippo - Edição 206
O guetá encantado
Arquivo Nippo - Edição 204
A mão e a ira - Parte Final
Arquivo Nippo - Edição 202
A mão e a ira - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 200
Kobutori Jiji
Arquivo Nippo - Edição 198
O tesouro das camélias
Arquivo Nippo - Edição 196
A origem da cigarra Chibahime
Arquivo Nippo - Edição 194
Oyakoko zaru
Arquivo Nippo - Edição 192
O Mestre da Sabedoria
Arquivo Nippo - Edição 190
Kassajizo
Arquivo Nippo - Edição 188
O coelho da lua
Arquivo Nippo - Edição 184
O samurai e o cachorro guardião
Arquivo Nippo - Edição 182
Zenchi-Bonsai – O amor ao próximo
Arquivo Nippo - Edição 180
A tigela de madeira
Arquivo Nippo - Edição 178
Um Nome Comprido
Arquivo Nippo - Edição 176
A Borboleta Branca
Arquivo Nippo - Edição 174
Ubazakurá
Arquivo Nippo - Edição 172
Lenda da origem
do Bon Odori
Arquivo Nippo - Edição 170
Sô dessu ká?
Arquivo Nippo - Edição 170
Nada tenho
Arquivo Nippo - Edição 168
A moeda de Nobunaga
Arquivo Nippo - Edição 168
Acreditar em sonhos

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2018 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados - www.nippo.com.br

129 usuários online


Redação: editor@nippo.com.br

Diretoria: diretoria@nippo.com.br

Vendas: anuncie@nippo.com.br

Tel: (11) 9 5371 4019 (TIM)

Mais contatos e envio de releases