Portal NippoBrasil - OnLine - 17 anos
Sexta-feira, 19 de outubro de 2018 - 9h24
  Empregos no Japão

  Busca
 
  Seções NippoBrasil
   Comunidade
   Opinião
   Circuito
   Notícias
   Agenda
   Dekassegui
   Entrevistas
   Especial
-
  Variedades
   Aula de Japonês
   Automóveis
   Artesanato
   Beleza
   Bichos
   Budô
   Comidas do Japão
   Cultura-Tradicional
   Culinária
   Haicai
   História do Japão
   Horóscopo
   Lendas do Japão
   Mangá
   Pesca
   Saúde
   Turismo-Brasil
   Turismo-Japão
-
  Esportes
   Copa do Mundo 2014
   Copa das
 Confederações 2013
-
  Especiais
   Imigração Japonesa
   120 anos de Amizade  Japão-Brasil
   Bomba de Hiroshima
   Japan House
   Festival do Japão 2018
-
 Colunas
   Conversando de RH
   Mensagens
     Roberto Shinyashiki
-
 Veja mais  Classificados
   Econômico
   Empregos no Brasil
   Guia Profissionais
   Imóveis
   Oportunidades
   Ponto de Encontro
-
  Interatividade
   Fale com a Redação
-
  Institucional
   Quem somos


Arquivo NippoBrasil - Edição 291 - 12 a 18 de janeiro de 2005
 
Ozouni
Para os japoneses, a ingestão desta sopa significa a transferência de energia espiritual, conferindo ao homem grande vitalidade
 


CRENÇA - O ozouni simboliza a comunhão com os deuses

 

(Fotos: Aliança Cultural Brasil-Japão | Arquivo NB)

A história do ozouni é extremamente antiga. Conta-se que já na Era Muromachi (séc. XIV) os japoneses comiam um prato semelhante. Nesta época, acreditava-se que, no último dia de cada ano, os homens recebiam a visita do deus chamado Toshigamisama (deus do Ano) e, para receber essa divindade, os homens ofereciam-lhe uma grande quantidade de alimentos. No dia 1º de janeiro, os homens preparavam uma espécie de sopa, com todos os alimentos que foram ofertados. Para esta sopa não havia uma receita. Tudo o que pudesse ser colhido da terra e todos os frutos do mar que pudessem ser capturados e oferecidos ao deus entravam como ingredientes. Esta sopa deu origem ao ozouni.

Comer o ozouni, para os japoneses, não significa meramente a ingestão de uma sopa rica em nutrientes, mas simboliza a comunhão com os deuses, uma vez que se consomem os mesmos alimentos. Com sua ingestão, acredita-se que há uma transferência de energia espiritual, que confere ao homem muita energia. É como se fosse o renascimento, junto com o ano que se inicia. Antigamente, o ozouni era consumido primeiramente pelos homens nascidos sob o signo do horóscopo chinês do ano (toshi otoko). O material utilizado como combustível do fogo para o preparo da sopa era diferente do utilizado no dia-a-dia, empregando-se cascas de grãos e caules da planta da beringela, cabendo aos homens da casa acendê-lo.

Atualmente, os ingredientes variam conforme a região e a receita da família, porém trata-se de uma sopa que tem como ingredientes básicos o moti e as verduras. Em algumas regiões, acrescenta-se frango, peixes, kamaboko (massa de peixe cozida) ou ovas de salmão. Na região de Kantou (Tóquio e províncias vizinhas), é comum o ozouni com o moti cortado em formato retangular, que depois de assado é colocado num caldo leve e claro (osumashi ou sumashijiru), como um consomê. Por outro lado, na região de Kansai (Osaka e Quioto), o moti é arredondado, e o caldo é preparado à base de missô branco (shiromisso).


PREPno
 

Você sabia?


• No Brasil, diz-se que São Jorge habita a lua. No Japão, diz-se que nela há um coelho socando o arroz no pilão, para preparar o moti.

• Costuma-se preparar o moti nos dias 28 e 30, pois o dia 29 (nijuuku), pelo som da palavra, é associado ao sofrimento (ku).

• Os instrumentos utilizados no preparo do moti, o usu (pilão) e o kine (a mão de almofariz), eram considerados sagrados. Nas casas das famílias camponesas, esses objetos eram colocados junto à coluna principal, no espaço de chão de terra batida chamado doma. Quando se construía uma nova casa, esses eram os primeiros objetos colocados em seu interior e, em caso de incêndio, os primeiros a serem retirados.

Kagamimochi

A forma de arranjar esses dois motis, um grande e um pequeno, arredondados e achatados, difere de região para região. O mais comum é colocá-lo sobre o sanpoo (pintura retratando os três elementos sagrados do budismo: o Buda, as sutras e o bonzo), ou sobre uma bandeja coberta com o hooshogami (um sofisticado papel japonês), ou sobre o hanshi (papel usado para a caligrafia artística, medindo cerca de 24 cm x 34 cm), com folhas de samambaia, folhas de yuzuri (planta típica da Ásia) – que simboliza a continuidade da sorte familiar –, e a alga konbu, que remete à palavra yorokobu: alegrar-se. Os dois kagamimochi são sobrepostos e, no alto, coloca-se a laranja daidai (Citrus auratium), que é associada à palavra homófona daidai, cujo significado é “de geração em geração”, no intuito de desejar a continuidade da linhagem. Há ainda arranjos luxuosos que fazem uso de lagostas, lulas e leques, que simbolizam a expansão.

O formato arredondado do kagamimochi representa o espírito das divindades e corresponde também ao formato do espelho, que, na Antiguidade, era um objeto valioso e estimado pelo fato de refletir a verdade. O kagamimochi deve ser montado antes do dia 30 de dezembro. Quando é feito apenas no dia 31, recebe o nome de ichiyakazari (decoração de uma noite), sendo considerado de mau agouro.

 
História da Culinária
Arquivo Nippo - Edição 353
Hambaagu
Arquivo Nippo - Edição 351
Omuraisu
Arquivo Nippo - Edição 315
Yakiimo
Arquivo Nippo - Edição 313
Okonomiyaki
Arquivo Nippo - Edição 311
Takoyaki
Arquivo Nippo - Edição 309
Lámen
Arquivo Nippo - Edição 307
Curry (Karê no Japão)
Arquivo Nippo - Edição 305
Wagashi – doces japoneses
Arquivo Nippo - Edição 303
História do tsukemono
Arquivo Nippo - Edição 301
Obentô, a marmita japonesa
Arquivo Nippo - Edição 291
Ozouni
Arquivo Nippo - Edição 289
Moti
Arquivo Nippo - Edição 287
Soba
Arquivo Nippo - Edição 285
Menrui-Udon
Arquivo Nippo - Edição 283
Donburimono
Arquivo Nippo - Edição 281
Sekihan
Arquivo Nippo - Edição 279
Onigiri
Arquivo Nippo - Edição 277
Arroz
Arquivo Nippo - Edição 275
Missô
Arquivo Nippo - Edição 273
Natto
Arquivo Nippo - Edição 271
Tofu – O alimento ideal
Arquivo Nippo - Edição 269
Soja
Arquivo Nippo - Edição 267
Yosenabe
Arquivo Nippo - Edição 265
Shabu shabu
Arquivo Nippo - Edição 263
Sukiyaki
Arquivo Nippo - Edição 261
Nabemono (Caldeirada)
Arquivo Nippo - Edição 259
Sashimi - Segunda parte
Arquivo Nippo - Edição 257
Sashimi - Primeira parte
Arquivo Nippo - Edição 255
A história do inarizushi e chirashi
Arquivo Nippo - Edição 253
A história do makizushi
Arquivo Nippo - Edição 251
A história do nigirizushi
Arquivo Nippo - Edição 249
O famoso Sushi
Arquivo Nippo - Edição 109
Ohagi e Monaka
Arquivo Nippo - Edição 107
Sembei
Arquivo Nippo - Edição 106
Anpan
Arquivo Nippo - Edição 105
Nagashi
Arquivo Nippo - Edição 104
Sakuramochi
Arquivo Nippo - Edição 102
Moti - Parte 2
Arquivo Nippo - Edição 101
Moti - Parte 1
Arquivo Nippo - Edição 76
Kinoko (Cogumelo)
Arquivo Nippo - Edição 50
Instant Lámen
Arquivo Nippo - Edição 18
Wagashi: os saborosos biscoitos e doces tradicionais japoneses
Arquivo Nippo - Edição 01
A lenda do linguado

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2018 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados - www.nippo.com.br

135 usuários online