Portal NippoBrasil - OnLine - 19 anos
Domingo, 08 de dezembro de 2019 - 3h43
  Empregos no Japão

  Busca
 

SEÇÕES
Comunidade
Opinião
Circuito
Notícias
Agenda
Dekassegui
Entrevistas
Especial
-
VARIEDADES
Aula de Japonês
Automóveis
Artesanato
Beleza
Bichos
Budô
Comidas do Japão
Cultura-Tradicional
Culinária
Haicai
História do Japão
Horóscopo
Lendas do Japão
Mangá
Pesca
Saúde
Turismo-Brasil
Turismo-Japão
-
ESPORTES
Copa 2014
-
ESPECIAIS
Imigração
Tratado Amizade
Bomba Hiroshima
Japan House
Festival do Japão
-
COLUNAS
Conversando RH
Mensagens
Shinyashiki
-
CLASSIFICADOS
Econômico
Empregos BR
Guia Profissionais
Imóveis
Oportunidades
Ponto de Encontro
-
INSTITUCIONAL
Redação
Quem somos
-

18 de junho de 1908 ~ 18 de junho de 2019

COLONIZAÇÃO:
Rumo ao Paraná

As retrições para o plantio do café em São Paulo, em 1932, intensificaram a mudança de imigrantes para a região do Norte do Paraná


Vista distante da região que viria a ser a cidade de Assaí
 

Shuhei Uetsuka esteve em terras paranaenses

Takeo Goto acompanhou Uetsuka em 1910

(Fotos: Museu Histórico da Imigração Japonesa no Brasil)

Os paranaenses nunca tinham visto um japonês até 1907. Existe uma teoria de que quando visitou o Paraná, em 1880, a comitiva de Dom Pedro II tinha um acrobata japonês de nome Manji Takezawa. Ele teria, segundo relatos históricos, chegado ao Brasil em 1870 e quando ficou desempregado depois da Proclamação da República, montou um circo, casou-se com uma italiana e percorreu várias cidades do Brasil, Uruguai e Argentina.

Mas comprovadamente, os primeiros japoneses que pisaram em terras paranaenses foram o ministro plenipotenciário do Japão, Sadatsuchi Uchida, e o secretário e intérprete da Legação Japonesa, Arajiro Miura, que chegaram em dezembro de 1907. Eles foram ao Paraná para conhecer as terras daquele Estado.

Acompanhado de Takeo Goto, como intérprete, Shuhei Uetsuka foi a Curitiba, em maio de 1910, para verificar a possibilidade de levar ao Paraná cerca de 250 imigrantes, referentes ao excedente contratual com o governo paulista. Nessa visita, ficaram sabendo que alguns patrícios moravam em uma pensão próxima. Eles encontraram no local Eihati Sakamoto e Jintaro Matsuoka.

Os dois contaram que na região de Faxina, onde trabalhavam, conheceram trabalhadores que diziam morar na Argentina. Sakamoto, Matsuoka e Shinkichi Arikawa chegaram em Curitiba em 1909. Os dois primeiros haviam chegado ao Brasil a bordo do Kasato Maru e encaminhados à Fazenda Dumont.

Em 1913, em Cambará, na Fazenda dos Barbosa Ferraz, que cultivava 900 mil pés de café, registrava a presença de colonos japoneses. Em 1917, surgia um agrupamento de sitiantes batizado como Vila Japonesa e, em 1923, na zona urbana, havia armazém e empório de japoneses.

A primeira comunidade japonesa no Paraná foi a Colônia Cacatu, que fica na região litorânea. Essa surgiu em 1917. Takashi Watanabe foi atrás de pessoas interessadas em residir na colônia. Não obteve êxito nas primeiras visitas na região Noroeste. Só na região Araraquarense, na Fazenda Paraguaçu, na região de Taquaritinga, encontrou quem lhe desse ouvidos.

As restrições para o plantio de café em São Paulo, em 1932, intensificaram a mudança dos imigrantes japoneses para o Norte do Paraná. Além disso, havia também as facilidades trazidas pelos trilhos da Estrada de Ferro São Paulo–Paraná, construída a partir dos anos 20, que atravessava extensas faixas de terra roxa passando por Bandeirantes (1930), Jataí (1932) e chegando a Londrina em 1933.

 


A VIAGEM:
Véspera da partida

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2019 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados

155 usuários online