Portal NippoBrasil - OnLine - 17 anos
Domingo, 17 de dezembro de 2017 - 13h40
  Empregos no Japão

  Busca
 
  Seções NippoBrasil
   Comunidade
   Opinião
   Circuito
   Notícias
   Agenda
   Dekassegui
   Entrevistas
   Especial
-
  Variedades
   Aula de Japonês
   Automóveis
   Artesanato
   Beleza
   Bichos
   Budô
   Comidas do Japão
   Cultura-Tradicional
   Culinária
   Haicai
   História do Japão
   Horóscopo
   Lendas do Japão
   Mangá
   Pesca
   Saúde
   Turismo-Brasil
   Turismo-Japão
-
  Esportes
   Copa do Mundo 2014
   Copa das
 Confederações 2013
-
  Especiais
   Imigração Japonesa
   120 anos de Amizade  Japão-Brasil
   Bomba de Hiroshima
   Japan House
   Festival do Japão 2016
-
 Colunas
   Conversando de RH
   Mensagens
     Roberto Shinyashiki
-
 Veja mais  Classificados
   Econômico
   Empregos no Brasil
   Guia Profissionais
   Imóveis
   Oportunidades
   Ponto de Encontro
-
  Interatividade
   Fale com a Redação
-
  Institucional
   Quem somos


Arquivo NippoBrasil - Edição 202 - 16 a 22 de abril de 2003
Hirakata
Tranqüilidade na divisa de três províncias

(Texto e fotos: Arquivo NippoBrasil)

Quarta maior cidade da província de Osaka, Hirakata tem aproximadamente 403 mil habitantes, dos quais 4.012 são estrangeiros, boa parte deles, vinda da Europa, EUA e Canadá. Isto contrasta com o fato da maioria dos estrangeiros residentes no Japão ser oriunda do continente asiático, e para entender os motivos que levaram a esta curiosa situação é preciso conhecer um pouco da história de Hirakata.

Localizada no Vale do Rio Yodo, na fronteira entre Osaka, Kyoto e Nara, a região foi, no passado, um grande campo de caça da nobreza e da aristocracia japonesa. Mais tarde, com o contínuo desenvolvimento da rota que ligava à capital (Kyoto) ao maior porto japonês da época (Osaka), Hirakata passou a ser um importante entreposto comercial. Esta situação de preponderância econômica perdurou até a Segunda Guerra Mundial, quando Hirakata se destacou no cenário nacional como grande produtora de munição. Com o fim do conflito, no entanto, as fábricas ligadas à produção de artefatos bélicos foram desativadas e demolidas.

A iniciativa foi um subproduto da reforma que o general norte-americano Douglas MacArthur, comandante das tropas que ocuparam o Japão após a 2ª Guerra Mundial, punha em marcha no País, e seu objetivo, na região de Hirakata, era reorganizar a utilização do espaço físico e dar forma organizada a sua ocupação urbana.

Como resultado, deu-se início à construção de grandes conjuntos habitacionais na região. A medida tinha dois claros objetivos: injetar recursos na economia e criar emprego, duas medidas necessárias para a recuperação do País, seriamente debilitado após sua rendição.

 

Crescimento

Em conseqüência da construção de grandes conjuntos habitacionais, Hirakata passou a ser uma cidade predominantemente residencial. Sua população cresceu de 40 mil habitantes para mais de 400 mil em cerca de 45 anos, algo incomum para os padrões históricos japoneses.

Outro reflexo desta política urbana foi a implantação de seis universidades na cidade. Graças a elas e aos seus mais de 16 mil alunos, Hirakata possui uma população de estudantes universitários duas vezes maior que a média nacional.

Isto ajuda a entender o motivo pelo qual tantos europeus, americanos e canadenses residem em Hirakata em relação aos 422 brasileiros que lá vivem: comparada a outras cidades, a oferta de emprego é pequena, e vem, com efeito, diminuindo desde 1997.

Em outras palavras, embora existam indústrias na região, a demanda por mão-de-obra brasileira é relativamente escassa, concentrando-se no setor de bentoya (lanches prontos), plásticos, autopeças e madeireira.

Outro aspecto importante é a inexistência de lojas de produtos brasileiros na cidade. As compras dos mesmos, via de regra, são feitas quando o caminhão percorre a região, ou então via takkyuubin (serviço de entregas em domicílio).

A qualidade de vida dos brasileiros é relativamente boa quando analisada sob um aspecto social mais amplo.

Atividades esportivas, piqueniques, passeios, hospitais e centros comunitários estão à disposição dos interessados (veja relação), além disso há também uma página em inglês (www.city.hirakata.osaka.jp) com informações sobre os principais pontos turísticos da cidade.


Bem tratado

Valdemar Aiko, David Hayasaka, Alexandro Fukada e Fábio Yonaha citam a calma e a tranqüilidade de Hirakata como sendo um dos fatores que os levam a permanecer na cidade. O aspecto mais favorável, porém, são as boas condições de serviço que eles encontraram. Um detalhe importante: os brasileiros costumam ser bem tratados em Hirakata.


Os brasileiros José Amorim, Éverton Moreira, Marcelo Hatori e Wallace D´Andrea já se acostumaram com os ares da cidade.


Passeios

O Shiminnomori Park tem belos jardins e fontes, outra sugestão é o lago do Yamadaike Koen. Na primavera, não deixe de ver a florada das cerejeiras no Makino Koen. Confira também as ruínas do templo de Kuzuhanomiya, e a colina do templo Okamijinja. No outono, a pedida é o boulevard do Kori Housing Development, com sua folhagem avermelhada típica da estação.

 Arquivo - Turismo Japão
ARQUIVO - EDIÇÃO 216
• Iwate
ARQUIVO - EDIÇÃO 214
• Ilha de Sado
ARQUIVO - EDIÇÃO 211
• Hokkaido - Tudo começou em Naka Furano
ARQUIVO - EDIÇÃO 208
• Kansai - Redescobrindo as belezas da região
ARQUIVO - EDIÇÃO 205
• Soka
ARQUIVO - EDIÇÃO 202
• Hirakata
ARQUIVO - EDIÇÃO 199
• Niigata
ARQUIVO - EDIÇÃO 197
• Tohoku
ARQUIVO - EDIÇÃO 195
• Tóquio e arredores: belezas que encantam
ARQUIVO - EDIÇÃO 193
• Chugoku-Shigoku: O coração do Japão
ARQUIVO - EDIÇÃO 191
• Okinawa: Uma região de paraísos subtropicais
ARQUIVO - EDIÇÃO 189
• Nagasaki - O berço cristão japonês
ARQUIVO - EDIÇÃO 187
• Shimabara
ARQUIVO - EDIÇÃO 185
• Tottori: O Saara japonês
ARQUIVO - EDIÇÃO 183
• Matsue - A herança intacta dos samurais
ARQUIVO - EDIÇÃO 181
• Chiba conserva folclore cultural da região
ARQUIVO - EDIÇÃO 179
• Okutama: Refrescando-se nas montanhas
ARQUIVO - EDIÇÃO 177
• Mito: A cidade de um dos mais belos jardins japoneses
ARQUIVO - EDIÇÃO 175
• Izu - O paraíso das águas
ARQUIVO - EDIÇÃO 173
• Kyoto: Cenário de três mil templos
ARQUIVO - EDIÇÃO 171
• Chindon-ya
ARQUIVO - EDIÇÃO 169
• Toyama no Kusuri
ARQUIVO - EDIÇÃO 167
• Sensooji o templo do Carnaval
ARQUIVO - EDIÇÃO 165
• Odaiba: a face futurista de Tóquio
ARQUIVO - EDIÇÃO 163
• Todaiji: o templo do grande Buda de Nara
ARQUIVO - EDIÇÃO 161
• Ryuhyoo: O gelo navegante de Hokkaido
ARQUIVO - EDIÇÃO 159
• Hokkaido, o inverno mais gelado do Japão
ARQUIVO - EDIÇÃO 134
• Yamanashi:
A Terra dos Lagos
ARQUIVO - EDIÇÃO 130
• Okayama
ARQUIVO - EDIÇÃO 128
• Osaka
ARQUIVO - EDIÇÃO 126
• Okinawa: Ryukyu, Soberano dos Mares do Sul
ARQUIVO - EDIÇÃO 124
• Kamakura
ARQUIVO - EDIÇÃO 122
• Monte Fuji e os Cinco Lagos
ARQUIVO - EDIÇÃO 120
• Nikko: A Cidade dos Santuários
ARQUIVO - EDIÇÃO 118
• Parques Temáticos
ARQUIVO - EDIÇÃO 116
• Hakone - A região dos vales fumegantes
ARQUIVO - EDIÇÃO 114
• Iwate
ARQUIVO - EDIÇÃO 108
• A atraente ilha de Sado
ARQUIVO - EDIÇÃO 106
• Hokkaido
ARQUIVO - EDIÇÃO 104
• Kansai: Redescobrindo as belezas da região
ARQUIVO - EDIÇÃO 101
• Soka: Industrialização traz rápido progresso à cidade

A empresa responsável pela publicação da mídia eletrônica www.nippobrasil.com.br não é detentora de nenhuma agência de turismo e/ou de contratação de decasségui, escolas de línguas/informática, fábricas ou produtos diversos com nomes similares e/ou de outros segmentos.

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante. Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

© Copyright 1992 - 2017 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados - www.nippo.com.br

112 usuários online


Redação: editor@nippo.com.br

Diretoria: diretoria@nippo.com.br

Vendas: anuncie@nippo.com.br

Tel: (11) 9 5371 4019 (TIM)

Mais contatos e envio de releases