PORTAL NIPPOBRASIL ONLINE - 19 ANOS
-
Fale conosco: adm@nippo.com.br   
Segunda-feira, 25 de setembro de 2017 - 6h57
DESTAQUES:
  Empregos no Japão

  Busca
 
  Seções NippoBrasil
   Comunidade
   Opinião
   Circuito
   Notícias
   Agenda
   Dekassegui
   Entrevistas
   Especial
-
  Variedades
   Aula de Japonês
   Automóveis
   Artesanato
   Beleza
   Bichos
   Budô
   Cultura-Tradicional
   Culinária
   Haicai
   História do Japão
   Horóscopo
   Lendas do Japão
   Mangá
   Pesca
   Saúde
   Turismo-Brasil
   Turismo-Japão
-
  Esportes
   Copa do Mundo 2014
   Copa das
 Confederações 2013
-
  Especiais
   Imigração Japonesa
   120 anos de Amizade  Japão-Brasil
   Bomba de Hiroshima
   Japan House
   Festival do Japão 2016
-
 Colunas
   Conversando de RH
   Mensagens
     Roberto Shinyashiki
-
 Veja mais  Classificados
   Econômico
   Empregos no Brasil
   Guia Profissionais
   Imóveis
   Oportunidades
   Ponto de Encontro
-
  Interatividade
   Fale com a Redação
-
  Institucional
   Quem somos


Caderno Pesca

Lições de pesca: um hobby que pode ser muito interessante
Só a vontade não é suficiente para se iniciar na arte da pesca, é preciso atenção aos detalhes

DICAS - Segundo Nelson Nakamura, para qualquer tipo de pescaria, o mais importante é que a pessoa equilibre bem o equipamento

(Texto: Erika Horigoshi/NB | Fotos: Arquivo Pessoal e Luiz Fernando Pelegrini/RH Fotografias)

Quem nunca pescou, não tem o menor conhecimento sobre o assunto, mas está disposto a fazer da pesca um hobby não pode perder as informações deste texto. É possível, sim, fazer dessa atividade um gostoso passatempo, mas, para pescar, não bastam apenas a velha vara de bambu e a latinha de leite condensado cheia de terra e minhocas para isca. Atualmente, não só os materiais, mas também a forma de pescar evoluíram, chegando ao consciente “pesque e solte”, cada vez mais aderido por praticantes independentes e estimulado em pesque-pagues.

“A pescaria em si é muito vasta. Desde a variedade de peixes, ao equipamento utilizado e também ao ambiente onde ela é realizada. Tudo depende do tipo de peixe que a pessoa quer pescar”, analisa o pescador profissional Nelson Nakamura. Só a vontade, entretanto, não é suficiente para se iniciar na arte da pesca. É preciso atenção aos detalhes e disposição. Mais do que isso, é preciso dinheiro, afinal, o produto da pesca, ou seja, a captura de peixes, é resultado de uma espécie de “investimento” feito na aquisição do material mais adequado à pescaria escolhida e também dos acessórios que integram o “arsenal do pescador” (veja box).

“É importante, na hora da aquisição, que o futuro usuário seja devidamente orientado para a compra de um equipamento de qualidade e que seja balanceado para o tipo de pescaria que ele deseja fazer”, aconselha Nelson Maciel, também pescador profissional. É também durante a pesquisa de materiais e preços e no ato da aquisição que o futuro pescador deve pedir todo o auxílio possível, a fim de acumular conhecimentos sobre o uso dos equipamentos para tornar a pesca mais gratificante.

A leitura de bibliografia sobre o assunto, como livros e revistas, bem como a busca de dicas com os pescadores veteranos – aproveitando inclusive sua companhia nas primeiras pescarias –, são experiências fundamentais para não ficar perdido com vara e isca nas mãos. É o que aconselha o pescador e mergulhador profissional Giancarlo Zago. “A busca de informações leva também ao conhecimento sobre os tipos de peixes existentes em cada lugar e também seus hábitos alimentares. Com isso, será mais fácil o pescador escolher o material ideal para se dar bem na pescaria”, orienta.

Pela variedade de possibilidades de pesca, a começar por ambientes e espécies, torna-se difícil estabelecer um “kit de material para iniciantes”. Mesmo assim, Maciel arrisca um palpite. “É uma tarefa difícil, mas eu recomendaria, como primeiro equipamento, a aquisição de um molinete médio, com capacidade de aproximadamente 100 metros de linha 028 ou 030 e uma vara de fibra de carbono de 8 a 14 lb. Os anzóis, as chumbadas, as bóias e as iscas irão variar de acordo com o tipo de peixe a ser pescado”, resume.

A utilização de iscas naturais ou artificiais é um outro capítulo à parte. De acordo com Maciel, depois de algum tempo usando iscas naturais, os pescadores, sentindo-se mais conhecedores do esporte, aderem à utilização das iscas artificiais, que podem ser pequenos objetos de madeira, plástico, metal e outros. “O importante é saber o hábito alimentar das espécies para escolher a isca”, opina Zago.

Enfim, muitas são as recomendações para uma pescaria bem-sucedida. Vale lembrar que consciência, responsabilidade, humildade e disciplina são ingredientes que não podem faltar não só para aprender com os mestres no assunto, como também para conhecer e respeitar o período liberado para pesca, as áreas e as restrições quanto à quantidade de pescado em várias localidades do Brasil. Algumas dicas são permanentes. “Para qualquer tipo de pescaria, o mais importante é que a pessoa equilibre o equipamento, ou seja, adapte o material a ser utilizado com o tipo de peixe desejado. O objetivo é deixar a pescaria gostosa, sempre buscando desafios e dando chance para o peixe, assim a briga fica justa”, define Nelson Nakamura. .

 
O arsenal dos pescadores deve ser preparado tanto para enfrentar as situações mais rotineiras da pesca, como também eventuais acidentes. Veja, a seguir, alguns itens que não podem ser esquecidos:

• alicates para pegar os peixes;
• alicates para tirar os anzóis;
• faca;
• protetor solar;
• repelente contra insetos;
• capa de chuva;
• estojo de primeiros socorros;
• uma geladeira de isopor (para acomodação do lanche e da água que serão consumidos durante a pescaria);
• uma boa caixa para o transporte desses acessórios (à exceção da geladeira de isopor).

Dica: Ao adquirir os equipamentos, procure sempre um estabelecimento que ofereça atendimento especializado e que dê garantia de qualidade e funcionamento do material comprado. Assim, é maior a probabilidade de o futuro pescador fazer compras com economia.

 
O material técnico

O equipamento técnico a ser levado numa pescaria vai depender do peixe que se prentende fisgar. “Há diferenças entre pesca em água doce e em água salgada, a começar pelas espécies encontradas nesses dois ambientes, o material usado e as iscas apropriadas”, explica o pescador e mergulhador profissional, Giancarlo Zago.

Para os interessados na captura de lambaris, por exemplo, o pescador profissional Nelson Maciel indica varas telescópicas de fibra de vidro ou carbono de 3 a 5 metros de comprimento, ponta fina, linhas 012 a 016, chumbo do tamanho de um grão de arroz e bóia de peninha. “Importante também é não esquecer da isca. Muitas vezes, utiliza-se sagu, bolinhas de macarrão, bichinhos de pão, massinhas diversas e, claro, a tradicional minhoca”, conta o pescador.

Entretanto, para os que pretendem pescar tilápias, piaus e até pequenas carpas, o material já é um pouco diferente. “As varas têm o mesmo comprimento, porém sua espessura é mais grossa, com linhas 020 a 028, anzóis 10 a 14, chumbadas de cerca de 3 gramas e iscas como bicho da laranja, larvas de insetos, massinhas diversas, milho, capim, erva-doce e minhoca”, ensina Maciel.

 
Glossário para leigos
Para os inexperientes na arte da pesca, algumas palavras e expressões podem parecer estranhas. Pensando nisso, o NB selecionou alguns “verbetes” e listou-os a seguir, com seus respectivos significados:

• chicote – linha principal na qual se colocam os anzóis atados com pedaçoes de linha de náilon, a chumbada, o snap e um girador (para o caso de pesca com molinete).
• chumbada – fragmento de chumbo (ou pedra) preso à rede ou à linha de pescar. Conserva a linha esticada, o que ajuda o pescador a perceber “fisgadas” na linha.
• corrupto – tipo de crustáceo decápode (que tem dez pés, patas ou outro membro do sistema locomotor). Alguns tipos medem poucos centímetros, enquanto outras espécies que habitam lagoas formadas por corais chegam a alcançar 30 cm.
• girador – também chamados de destorcedor, o girador tem a função de evitar a torção da linha, que pode acontecer, principalmente se o pescador estiver utilizando o molinete.
• molinete – espécie de bobina fixada no cabo de uma vara de pescar e sobre a qual se enrola a linha.
• snap – feito de aço, sua utilidade está no momento da troca da isca artificial sem precisar cortar a linha e fazer outro nó. Também é chamado de grampo.
• vara telescópica – tipo de vara que pode ser feita de carbono, fibra de vidro, ou, quando misturados esses dois materiais, de mix carbon. Cada uma delas é destinada a um tipo de pescaria. Quando o objetivo é a captura de peixes segurando a vara o tempo todo, por exemplo, recomenda-se o uso da vara de carbono. Se for possível o uso do suporte para vara, prefira as de fibra de vidro ou de mix carbon, que são mais resistentes e também flexíveis.

 Fotos dos Leitores


Vejas as fotos dos nossos pescadores
 Arquivo - Pesca
De encontro aos peixes gigantes...
Pesca e stress
Sinta a esportividade do Tucunaré em Panorama
Numa pescaria, o que vale é a AMIZADE...
Marlin-azul tem a primeira marcação eletrônica do Brasil
Conheça os peixes Apapá e o Pampo
Tucunaré, problema ou solução?
Dicas de Pescador
História de pescador
Mulheres na pesca - Sorte ou azar?
As estrelas do inverno
Mulheres nos pesque-pagues
Tambacus, brigadores indiscutíveis
Pescarias nos pesque-pague
Em busca dos tucunarés gigantes
Alto-mar: uma pescaria fascinante
Confira alguns nós mais utilizados nas pescarias
Embarcar numa excursão de pesca vale a pena?
Peixes de água doce
Cuidado com os peixes venenosos
Serviços diferenciais unem hotéis, pousadas e boas pescarias
Lições de pesca: um hobby que pode ser muito interessante
 Dicas
Dicas para pescaria
Dicas de pescador
Tralhas para pescar cabeçudas
Pescarias de inverno
Como fisgar Tucunarés com iscas artificiais
Dicas de Pescador
Equipamentos
Rabicho ou chicote
Molinetes
Em Serra da Mesa, grandes tucunarés
Bóias: Conheça alguns modelos principais e suas características
Linhas de pesca
Iscas naturais para uma boa pescaria
Iscas de fundo e metálicas
Iscas artificiais: pesca mais dinâmica
Como escolher a melhor vara de pesca?
Anzol: você sabe exatamente
como usá-lo?
A pesca de arremesso em praia
Saiba como manusear carretilhas
Seis dicas básicas para manter seu equipamento em ordem
Carretilhas x Molinetes
 
Mande a foto de sua pescaria. Logo teremos uma nova seção com as fotos de todos nossos pescadores.
E-mail: pesca@nippo.com.br

© Copyright 1992 - 2016 - NippoBrasil - Todos os direitos reservados - www.nippo.com.br

O conteúdo dos anúncios é de responsabilidade exclusiva do anunciante.
Antes de fechar qualquer negócio ou compra, verifique antes a sua idoneidade. Veja algumas dicas aqui.

Sobre o Portal NippoBrasil | Fale com o Nippo